As pesquisas de intenção de voto

Não sou especialista e nem cientista político. Tampouco sou, a priori, contra qualquer pesquisa ou ibope. Mas o voto não é secreto? Não seria demasiado agressivo especular os eleitores? Geralmente As Pesquisas de Intenção de Voto perguntam não mais de cinco mil eleitores, enquanto somos milhões os que votarão. Meu relacionamento, além de me considerar politizado, é de milhares de pessoas. Uma única, um de meus alunos, respondeu-me que fora consultado sobre em quem votaria nas próximas eleições. Não quero ser pretensioso, mas não sei por que me incomoda profundamente o “sobe e desce” apresentado pelas pesquisas elencadas, todos os dias, na corrida eleitoral. Desculpem-me os Institutos de Pesquisas, mas não confio em seus dados. Há tantos cuidados com os Colégios Eleitorais, as Urnas lacradas e um zelo esmerado dos Mesários, para que as eleições aconteçam, sem sombra de dúvidas, secretamente, sem nenhuma interferência de quem quer que seja. Mesmo assim, antecipam-se vitórias e derrotas, como se todo o povo brasileiro revelasse seu voto, mesmo sendo esse, obrigatoriamente, secreto!

Já ouvi cada mentira que contradiz As Pesquisas de Intenção de Voto, que não sei se choro ou dou gargalhadas. Fico entristecido e desencantado ao ouvir pessoas prometerem votar em dois ou mais amigos ao mesmo tempo. Não é difícil avaliar tais situações: a pessoa tem vários amigos por ser bem relacionada. Se quatro deles são candidatos de partidos diferentes a cargos=serviços públicos iguais, como Deputados Estaduais ou Federais, somente um poderá ter o voto do amigo. Ouvir uma pessoa prometendo que votará nos quatro é mais frequente do que se pensa. De que chamar isso a não de hipocrisia pura?

É louvável que a Imprensa de nossa cidade dedique páginas e cadernos especiais à informação e formação de consciência crítica política. Leio até mesmo as vírgulas. Um dos jornais reserva um espaço chamado “Tribuna do Povo”. De dez eleitores perguntados, oito respondem que não esperam nada dos políticos em 2018. Pesquisa como essa me parece refletir bem melhor a realidade, do que As Pesquisas de Intenção de Voto!

Meu clamor é que não nos deixemos influenciar por pesquisa de Instituto nenhum. O voto é secreto e é nosso. E será através do voto em pessoas do bem, e que sabemos promoverem o bem comum e não individual, que mudaremos uma vitrine de políticos sem vergonhas, mentirosos, hipócritas num cenário de homens e mulheres verdadeiramente políticos, preocupados na promoção da dignidade de nosso povo tão enganado, explorado e subestimado nas últimas décadas. Está na hora de amadurecermos juntos: Povo e Democracia sem máscaras! Ainda há tempo de analisarmos bem nossos candidatos: eles serão nossos servidores ou nossos opressores? Serão protagonistas ou marionetes de seus Partidos?
 

 

Pe. Gilberto Kasper
pe.kasper@gmail.com

Mestre em Teologia Moral, Licenciado em Filosofia e Pedagogia, Especialista em Bioética, Ética e Cidadania, Professor Universitário, Docente e Coordenador da Teologia na Faculdade de Ribeirão Preto da UNIVERSIDADE BRASIL e UNIESP S.A., Assistente Eclesiástico do Centro do Professorado Católico, Assessor da Pastoral da Comunicação e Reitor da Igreja Santo Antônio, Pão dos Pobres da Arquidiocese de Ribeirão Preto e Jornalista.