Dom Moacir celebrou a missa no Cemitério da Saudade

Na Comemoração de Todos os Fiéis Defuntos, Finados, 2 de novembro de 2018, sexta-feira, o arcebispo dom Moacir Silva presidiu a Eucaristia, às 9 horas, no Cemitério da Saudade, com a presença de dezenas de fiéis e visitantes. Concelebrou o pároco da Igreja Santo Antônio de Pádua, Dom Gregório Maria Botelho, OSBoliv., e serviu nas funções litúrgicas o diácono Flávio Aparecido Livotto.

“Queridos irmãos, queridas irmãs, estamos reunidos em torno do altar do Senhor para celebrando a Eucaristia pelos nossos irmãos e irmãs que nos precederam na vida eterna. Um dia portanto de recordação e lembrança dos nosso entes queridos daquilo que significaram para nós, os valores que nos transmitiram, a fé que nos transmitiram. Tudo isso é motivo de gratidão a Deus nosso Senhor, porque eles no enriqueceram com a sua vida, com a sua experiência de vida. Cada pessoa humana presente neste mundo significa um enriquecimento para o outro. Você me enriquece, eu enriqueço você com os valores que tenho, com os valores que vivo e assim por diante. Então, o primeiro pensamento é de gratidão da Deus pelos nossos entes queridos que terminaram sua missão entre nós e foram para junto do Pai”, refletiu dom Moacir Silva no início da homilia.

E, ao continuar a homilia, o arcebispo refletiu sobre o sentido da morte. “Esse dia também nos convida a pensar na realidade da morte, parece não ser muito normal as pessoas quererem pensar na morte achando às vezes que a morte é para os outros e a gente vai viver muito, mas a verdade é que queiramos ou não, a morte faz parte da nossa realidade de criatura. Somos criaturas, somos seres mortais, e não podemos perder de vista essa realidade, um dia ela vai chegar, e precisamos estar preparados para esse dia que ela bater à porta da nossa vida nos dizendo tá na hora de ir para junto de Deus. Essa verdade tem que ser uma orientação para a nossa vida, porque ela nos leva para o nosso fim último: Deus nosso Senhor. Ele nos criou para si, nos colocou neste mundo, mas quer que tenhamos consciência de que este mundo não é a nossa pátria definitiva, nossa pátria é o céu e para lá caminhamos. Deus é o fim último da nossa existência”, alertou dom Moacir.

E, ao concluir a homilia, a arcebispo disse: “Para desfrutar da vida plena é preciso caminhar na fé, fé na ressurreição de Cristo que é a garantia também da nossa futura ressurreição. Que o Senhor nos conceda a graça de vivermos sempre nesta certeza e nesta esperança, hoje e sempre, amém”, concluiu dom Moacir.