Paróquia de Jardinópolis celebra com fé e devoção seus 120 anos

De 15 a 23 de dezembro de 2018, Jardinópolis estave em festa! Foi realizada uma Semana Jubilar com atividades diárias para marcar os 120 anos de ereção canônica da Paróquia Nossa Senhora Aparecida. Com a expressão própria dos antigos vigários, a semana festiva foi “bastante concorrida” pelos fiéis de toda a cidade.

O ano era 1898. A então diocese de São Paulo, que abarcava todo o nosso estado, estava vacante, pois o grande dom Joaquim Arcoverde, que dirigiu a diocese de 1894 a 1897, havia sido nomeado pelo papa Leão XIII Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro. Dom Leme, como sempre foi lembrado na história da Igreja do Brasil, em 1905, seria escolhido pelo papa Pio X como o primeiro cardeal do Brasil e da América Latina.

Com a diocese sem o governo de um bispo e sem previsão de um sucessor tão prontamente, o cônego tesoureiro-mor Esechias Galvão da Fontoura, vigário capitular do bispado de São Paulo, no dia 21 de dezembro de 1898, oferece um singelo presente de Natal aos fiéis da cidade de Jardinópolis: o desmembramento e independência da comunidade que, até então, era assistida pelos padres da paróquia de Batatais. Na ocasião, nomeou também o padre João Salata como primeiro vigário da nova paróquia, ele que até então era colaborador na paróquia Bom Jesus da Cana Verde em Batatais.

Nestes 120 anos, foram 16 padres nomeados para guiar com zelo a fé do povo jardinopolense. Com estes, outros tantos sacerdotes, diáconos, religiosos e religiosas não mediram esforços para manter viva a chama do amor nesta região. Basta lembrar que, como descrito no BRASÃO criado para as festividades, quatro grandes peixes foram recolhidos na rede paroquial e oferecidos como fruto do trabalho apostólico realizado desde o século XIX: a paróquia Nossa Senhora de Fátima (2000), a paróquia São Pedro Apóstolo (2002), a paróquia São Sebastião (2005) e o Santuário Senhor Bom Jesus da Lapa (2006).

A Semana Jubilar teve como tema “120 anos a serviço do Povo de Deus” e contou com a seguinte programação: apresentação das crianças do Coral Minaz; entronização e bênção dos santos e santas relatado pelo Mons. João Laureano quando da construção dos altares, no ano de 1926; apresentação de fotos e objetos litúrgicos do começo do século XX, via-sacra pelas ruas da cidade, bênção da nova Capela do Batismo, no átrio da Igreja Matriz. E o momento celebrativo que mais emocionou os fiéis: o recebimento dos restos mortais do padre Moisés Skrycki (1913-2005), que esteve a frente da paróquia por longos 34 anos, sendo o único padre a morrer em exercício nestes 120 anos. Seus restos mortais foram transferidos do cemitério municipal e depositados no altar de Nossa Senhora do Rosário.

Um povo sem história é um povo sem memória. Não podemos esquecer nossas raízes para lançar as redes do hoje em águas mais profundas. Que a Mãe do céu morena, tão pequenina e grande aos olhos de Deus continue a brilhar e guiar nosso povo sofrido. Ela que é a estrela da evangelização nos faça discípulos e missionários do seu Filho Jesus!


Padre Marcelo Luiz Machado
Pároco

Fotos: Fotos: Antônio Jorge Fernandes - www.facebook.com/fernandes.antoniojorge