Viver a espiritualidade missionária no Amazonas

“[...] Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio.” (João 20.21)

Entre os dias 27 de dezembro de 2018 a 22 de janeiro de 2019, tive a graça de participar da Ação Missionária Ribeirão Preto / Manaus e Itacoatiara, convênio entre as Arquidioceses de Ribeirão Preto e Manaus, iniciado em  2006. A Arquidiocese de Ribeirão Preto atualmente é responsável por três paróquias: uma na cidade de Manaus, outra em Careiro da Várzea, e uma na Prelazia de Itacoatiara.

Em 2013, no meu primeiro ano na formação, no período do Seminário Propedêutico Bom Pastor, tive a oportunidade de conhecer a Ação Missionária. Este momento marcou o meu amor pela missão, e entendi que a missão é um amoroso entendimento da vontade de Deus, de amor por Jesus Cristo, pelos homens, pelo Evangelho e pela Igreja.

Depois de cinco anos e meio retornei ao Amazonas, com apoio dos meus formadores e do arcebispo Dom Moacir. Foi uma experiência diferente da primeira missão, pois os anos do processo formativo propiciaram um amadurecimento pessoal.

Missão - Estive por cinco dias na paróquia Nossa Senhora Consoladora dos Aflitos, no bairro Betânia, em Manaus, onde fui acompanhado pelo  padre Thiago José dos Santos. Na continuidade da missão fiquei na paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, em Careiro da Várzea, distante trinta minutos de Manaus via transporte de lancha. Lá tive a oportunidade de ser acompanhado pelo pároco padre Aparecido Donizeti Maciel.

Padre Maciel organizou junto com os paroquianos um roteiro missionário. Toda quinta-feira eu era enviado para uma Área Pastoral (a paróquia conta com 80 comunidades), e retornava à  matriz na segunda-feira. Conheci cinco áreas, e visitei 19 comunidades. A missão consistiu em visitas às casas, celebrações da Palavra, conhecimento da realidade das pessoas, vivência do dia a dia deles, adentrando a sua cultura, sentindo na pele as dificuldades, mas especialmente regozijando com suas alegrias.

Nesses dias de missão pude viver a espiritualidade missionária, diante das dificuldades, de horas em uma canoa, do sol quente, da chuva e da lama, mas o Espírito de Deus me guiou. Que benção para a minha formação andar pelos caminhos do povo de Deus nas terras do Amazonas, que graça conhecer as pessoas pelo nome e me sentir cuidado e amado por eles.

Que alegria, mais que anunciar Jesus, foi sentir a sua presença em cada visita, cada olhar, abraço ou palavra amiga ouvida. Que belo testemunho de vida daquelas comunidades, testemunho no cotidiano da vida, lutando, acreditando e rezando.

Vivi nesses dias uma singela intimidade com Deus: numa das celebrações da Palavra, sentado de túnica olhei para os meus pés descalços e cheios de barro, depois de uma longa caminhada, e me senti barro nas mãos do Senhor.
 

Rodrigo Barcelos
Seminarista do Terceiro ano de Teologia