Missa na Catedral marca abertura do Mês Missionário Extraordinário

Missa na Catedral marca abertura do Mês Missionário Extraordinário

A Catedral Metropolitana de São Sebastião acolheu no dia 1º de outubro, festa de Santa Teresinha do Menino Jesus, a missa da Abertura Arquidiocesana do Mês Missionário Extraordinário (MME), presidida pelo arcebispo Dom Moacir Silva, e concelebrada por dezenas de padres, diáconos, seminaristas, candidatos da Escola Diaconal Arquidiocesana São Lourenço, e a presença de representantes do Conselho Missionário Diocesano (Comidi), Conselho Missionário Paroquial (Comipa), Infância e Adolescência Missionária (IAM), Conselho Missionário dos Seminários (Comise), e fiéis arquidiocesanos das diversas paróquias da arquidiocese.

Na recordação da vida foram entronizados os símbolos do mês missionário: o cartaz do mês missionário, os quadros dos santos padroeiros das missões: Santa Teresinha do Menino Jesus e São Francisco Xavier, e a Cruz e a Bandeira Missionária. A cruz missionária recorda a Páscoa de Jesus que ilumina nossa vida e missão.

Homilia

Na homilia, o arcebispo Dom Moacir, ressaltou a importância de celebrarmos o Mês Missionário Extraordinário e assumirmos “Em comunhão com o Papa Francisco e toda a Igreja, reunidos aqui em nossa igreja Catedral, abrimos o Mês Missionário Extraordinário, que tem como objetivo despertar, em maior medida, a consciência da missio ad gentes e retomar com novo impulso a transformação missionaria da vida e da pastoral. O Papa Francisco convocou este Mês Missionário Extraordinário para celebrar os 100 anos da Carta Apostólica Maximum illud, do Papa Bento XV. Nesse importantíssimo documento do seu Magistério sobre a missão, o Papa Bento XV, em 1919, recorda como é necessária, em vista da eficácia do apostolado, a santidade de vida; por conseguinte, ele recomenda uma união cada vez mais vigorosa com Cristo e uma participação mais convencida e jubilosa na sua paixão divina de anunciar o Evangelho a todos, amando e prodigalizando a misericórdia a todos. Isso é fundamental como nunca para a missão, inclusive nos dias de hoje. Homens e mulheres “insignes por zelo e santidade” são cada vez mais necessários para a Igreja e a missão”, explicou o arcebispo.

“Jesus nos quer evangelizadores que anunciam a Boa Nova, não só com palavras, mas sobretudo com uma vida transfigurada pela presença de Deus”, disse Dom Moacir, convocando os fiéis a serem discípulos missionários no testemunho e na ação missionária.

O arcebispo ainda especificou a finalidade do MME. “No centro desta iniciativa do Papa Francisco, que envolve a Igreja toda, estão a oração, o testemunho e a reflexão sobre a centralidade da missão ad gentes como um estado permanente do envio para a primeira evangelização. O compromisso para uma conversão pessoal e comunitária a Jesus Cristo crucificado, ressuscitado e vivo na sua Igreja, renovará a ardor e a paixão para dar testemunho, com anúncio e com a vida cristã, do Evangelho da vida e da alegria pascal. A finalidade espiritual, pastoral e teológica deste extraordinário mês missionário consiste em reconhecer, viver e convencer-nos de que a missão é, e deve tornar-se, cada vez mais o paradigma da vida e obra de toda a Igreja e, portanto, de todo cristão. Ao converter os nossos corações e as nossas mentes de discípulos missionários, o Espírito nos impulsiona a sair rumo ao mundo para anunciar Cristo crucificado e ressuscitado”, salientou dom Moacir.

Ao concluir a homilia, Dom Moacir, motivou os fiéis a viverem intensamente o MME. “Vivamos intensamente este Mês Missionário Extraordinário. Deixemos que os apelos deste tempo de graças nos envolvam e nos levem à conversão missionária. Que Santa Teresinha, padroeira da missão, nos ensine o seu ardor missionário e alcance de Deus para todos e cada um de nós a graça da conversão missionária. Assim seja”.

Antes dos ritos finais, as crianças e adolescentes da Infância e Adolescência Missionária apresentaram uma coreografia dançando a música do Hino do Sínodo Pan-Amazônico (Pan-Amazônica Ancestral) que em seu refrão diz: “Ribeirinhos guardiões, Da nossa casa comum, ‘Laudato si’, É Francisco chamando um à um.”

MME - O papa Francisco, em 22 de outubro de 2017, Dia Mundial das Missões, anunciou publicamente a sua intenção de proclamar um Mês Missionário Extraordinário (MME) em outubro de 2019, e assim celebrarmos o centenário da Carta Apostólica Maximum Illud de seu predecessor, o Papa Bento XV. Com o tema: “Batizados e enviados: a Igreja de Cristo em missão no mundo” o MME quer sensibilizar para o compromisso missionário como diz o papa: “A celebração deste mês irá ajudar-nos, em primeiro lugar, a reencontrar o sentido missionário da nossa adesão de fé a Jesus Cristo, fé recebida como dom gratuito no Batismo. O ato, pelo qual somos feitos filhos de Deus, sempre é eclesial, nunca individual: da comunhão com Deus, Pai e Filho e Espírito Santo, nasce uma vida nova partilhada com muitos outros irmãos e irmãs”.

Acesse o texto da Homilia de Dom Moacir na íntegra