Comentando a Palavra de Deus: Solenidade da Imaculada Conceição

“Eis aqui a serva do Senhor;
faça-se em mim segundo a tua palavra!” (Lc 1,38).

A Sagrada Escritura nos apresenta Maria como a crente por excelência, o modelo de nossa fé. A festa de Maria Imaculada nos traz alegria, apelo à presença total a Deus, disponibilidade, acolhida do desígnio de Deus sobre nossas vidas e sobre o mundo todo. A isenção do pecado em Maria depende da soberana vontade de Deus em sua criação. A tendência ao mal não pode ser aceita como um determinismo absoluto ao nosso gênero humano. Através de Maria Imaculada, podemos crer que a fidelidade à Aliança com Deus é possível. Maria é transparente à vontade de Deus. Nunca foi infiel ao Senhor. A salvação não é somente resgate dos pecadores, mas comunicação permanente da suprema bondade de Deus ao coração de suas criaturas. É possível viver em pureza plena, se, como Maria, respondermos sempre sim à iniciativa de Deus.

No evangelho deste Segundo Domingo do Advento, Maria não pede sinais, como Zacarias havia feito, mas se entrega em confiança plena na vontade de Deus. A vontade de Deus passa a ser sua vontade encarnada em sua fé e no seu corpo. Assim poderá ser em nossa vida?

O dom anunciado pelo anjo a Maria faz parte de sua história pessoal, mas é também evento salvador que ocorre na história, na plenitude dos tempos, para toda a humanidade. É a síntese da força do Espírito Santo e da fraqueza e pequenez de Maria. Seu filho é Filho do Altíssimo. Cumpre-se nela e na história o projeto salvador de Deus. Esse filho anunciado, aceito e amado olhará para as mulheres de maneira nova, defenderá sua dignidade e as acolherá entre seus discípulos.

A Boa Nova deste domingo é “alegra-te”! Essa é a primeira palavra de Deus para todas as suas criaturas e para nós também. Alegria que nasce de dentro de quem enfrenta a vida com convicção e sabe que “Ele está no meio de nós”. Neste tempo cheio de incertezas, escuridões, problemas e dificuldades não podemos perder a alegria e a coragem. Em tantos apelos para nos desviar do caminho de Deus, permaneçamos, como Maria, fiéis ao projeto do Reinado de Deus.

A celebração atualiza, na assembléia reunida, a força que preservou Maria do pecado. Nela o mal foi definitivamente vencido. Ela se torna o primeiro sinal do Reino e dele nos indica o caminho.

Todo cristão é convidado, a exemplo de Maria, engravidar de Jesus e levar essa gravidez mundo afora, como discípulos e missionários. Dizer sempre “Sim” ao projeto de Deus, renovando a cada dia nossa fidelidade, faz-nos candidatos a sermos, como Maria, seres divinizados, devolvendo ao mundo tão hostilizado, consumista, egoísta, hedonista e individualista, nova esperança, novo sentido e perspectivas de vida humana com sabor divino.

Saibamos acolher a ternura de Deus por nós, revelado pela fidelidade de Maria Imaculada, tornando-nos, como ela, um verdadeiro “porta-jóias de Jesus”! Sejam todos muito abençoados hoje e sempre!

Sejam todos muito abençoados por intercessão de Maria Imaculada. Com ternura e gratidão, o abraço amigo e fiel,

Pe. Gilberto Kasper

(Ler Gn 3,9-15.20; Sl 97(98); Ef 1,3-6.11-12 e Lc 1,26-38).
Fontes: Liturgia Diária da Paulus de Dezembro de 2019, pp.36-40 e Roteiros Homiléticos da CNBB do Tempo do Advento (Dezembro de 2019), pp. 11-14.