Dom Moacir preside a solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria, na Catedral

Arcebispo preside a solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria, na Catedral

Na solenidade da Santa Mãe de Deus, Maria, 31 de dezembro de 2019, às 19h30, o arcebispo dom Moacir Silva presidiu a Eucaristia na Catedral Metropolitana de São Sebastião, em Ribeirão Preto (SP). Concelebrou o pároco padre Francisco Jaber Zanardo Moussa, e serviram no serviço litúrgico os diáconos Adilson Heráclito Carbi, Áureo João Nunes Ribeiro e João Paulo Tarlá Júnior. Um grande número de fiéis participou da concelebração eucarística, e no final, o arcebispo concedeu a bênção e desejou votos de um santo e abençoado ano de 2020 aos fiéis da Catedral e a todos os arquidiocesanos.

Ao iniciar a homilia Dom Moacir falou da importância de agradecermos a Deus por mais um ano que termina. “Queridos irmãos e queridas irmãs! Estamos chegando ao final de mais um ano. Então, é momento para rendermos graças a Deus, nosso Senhor, por todos os dons e graças que Ele nos concedeu ao longo deste ano. O Senhor nos acompanhou em tudo, nos momentos alegres e felizes, como também nos momentos de decisões importantes, de dificuldades, de desafios, de sofrimentos e dores. Em tudo o Senhor nos acompanhou com sua graça e sua infinita misericórdia. Por isso, ‘a vós, ó Deus, louvamos, a vós, Senhor, cantamos. A vós, eterno Pai, adora toda a terra’”, afirmou o arcebispo.

Na continuidade, Dom Moacir refletiu a respeito do sentido da Solenidade da Mãe de Deus, Maria, e a relevância da maternidade divina de Maria. “Na oitava do Natal celebramos a Solenidade da Mãe de Deus, Maria. É a festa da maternidade divina e veneração àquela que é Mãe de Cristo e Mãe da Igreja. ‘A Solenidade da Maternidade de Maria – dizia São Paulo VI – é ocasião própria para renovar a adoração ao recém-nascido Príncipe da Paz, para escutar de novo o jubiloso anúncio evangélico, e para pedir a Deus por mediação da Rainha da Paz o dom supremo da Paz. Por isso na feliz coincidência da oitava do Natal com o princípio do ano novo’ (MC, 5,2) celebramos também o Dia Mundial da Paz”, afirmou dom Moacir.

Ao meditar a leitura do Evangelho (Lc 2,16-21), dom Moacir salientou a presença e a simplicidade da visita dos pastores ao Menino Jesus. A singela visita dos pastores lhes revela a presença do Salvador, e este encontro os transforma em discípulos, anunciadores desta alegria, e eles saem para anunciar a outros que também ficam admirados. “Aprendamos com os pastores de Belém. Tendo chegado diante do Menino, o que eles fazem? Eles continuam observando, pasmados, extasiados, a obra estupenda que Deus operou para os homens; a seguir, correm para anunciar aos outros a própria alegria; e todos os que escutam ficam também admirados”, enfatizou o arcebispo.

O arcebispo ainda comentou a reação e atitude de Maria diante do fascínio e das palavras dos pastores. “A reação de Maria diante da narração dos pastores deve ser destacada. O Evangelho diz que ela ‘guardava todos esses fatos e meditava sobre eles em seu coração’. O que quer dizer isso? Significa que ela ‘mantinha unidos’, ‘reunia’ no seu coração todos os eventos que lhe estavam para acontecer; colocava cada um dos elementos, cada palavra, cada acontecimento no interior do tudo confrontando-o, conservando-o e reconhecendo que tudo deriva da vontade de Deus. Maria não se limita a uma primeira compreensão superficial daquilo que acontece na sua vida, mas sabe olhar em profundidade, deixa-se interpelar pelos eventos, elabora-os, discerne-os e alcança aquele entendimento que só a fé pode garantir. É a humildade profunda da fé obediente de Maria, que acolhe em si mesma também aquilo que não compreende no agir de Deus, deixando que seja Deus quem abre a sua mente e o seu coração. O Evangelho quer ensinar que Maria sabe ver em tudo o que acontece o projeto de Deus. Ela não se porta como nós que, muitas vezes, nos deixamos perturbar por qualquer contrariedade insignificante ou por qualquer novidade da qual tomamos conhecimento. Ela sabe meditar no seu coração tudo, e desta forma sempre consegue descobrir o projeto do amor de Deus”, expressou dom Moacir.

Antes de encerrar a homilia o arcebispo refletiu alguns trechos da Mensagem do Papa Francisco para o 53º Dia Mundial da Paz, que traz o tema: “A paz como caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica”. E, ao encerrar a homilia disse: ‘Que Maria, Mãe do Príncipe da paz e Mãe de todos os povos da terra, nos acompanhe e apoie, passo a passo, no caminho da reconciliação e da paz, ao longo do novo ano e sempre. Amém”.

Nos ritos finais, o arcebispo dom Moacir Silva, concedeu a bênção a todos os presentes e desejou um abençoado ano novo para todos os fiéis da Arquidiocese de Ribeirão Preto: “E com a bênção solene de Maria Mãe da Igreja, eu desejo um abençoado ano de 2020 para todos e cada um de vocês, e na pessoa de vocês todos os fiéis que constituem a nossa Arquidiocese de Ribeirão Preto”.