Ordenação Presbiteral em Santa Rosa de Viterbo

Na noite de sexta-feira, 8 de dezembro de 2017, Solenidade da Imaculada Conceição, na paróquia São Judas Tadeu, em Santa Rosa de Viterbo (SP), foi ordenado presbítero pela imposição da mãos consecratórias do arcebispo metropolitano de Ribeirão Preto, dom Moacir Silva, o diácono transitório Luiz Augusto Olivo Camargo. A concelebração eucarísticaacolheu um grande número de fiéis locais e das comunidades onde o ordinando fez o estágio pastoral, além de padres da arquidiocese, de outras dioceses, diáconos, religiosos e religiosas, seminaristas, e familiares do ordinando.

O pároco da paróquia São Judas Tadeu, padre Alex Cássio Pereira, comentou a importância da paróquia receber esta ordenação presbiteral. “É para nós, Igreja arquidiocesana de Ribeirão Preto, um momento de extrema alegria, por ocasião da Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, a nossa comunidade paroquial acolher este momento celebrativo, onde um dos nossos filhos daqui da nossa paróquia será ordenado sacerdote, o diácono Luiz Augusto. A paróquia foi criada a dezessete anos e ela está colhendo frutos que é uma vocação ao sacerdócio, graças a Deus. Eu gostaria de agradecer imensamente o nosso arcebispo dom Moacir pela gentileza de conceder à nossa comunidade essa extraordinária oportunidade de podermos participar proximamente com todas as famílias aqui da comunidade da ordenação de um filho desta comunidade. Eu agradeço muito a Deus, a Nossa Senhora e ao arcebispo por esta oportunidade”, comentou padre Alex.

O ordinando, diácono Luiz Augusto, ressaltou a expectativa, após uma longa caminhada vocacional, do ensejo da ordenação presbiteral. “A oportunidade de poder celebrar este momento, a ordenação presbiteral, na minha vida de modo específico, é um momento de extrema alegria por saber que depois de um longo e árduo tempo de caminhada passando pela filosofia e pela teologia, ao longo das descobertas que fazemos durante toda a caminhada vocacional, é um momento de intensa alegria, de sentir que a graça de Deus é muito maior que a gente, e ela é capaz de tomar a gente e fazer com que ao longo de todo o período formativo, e também agora na proximidade da ordenação, a gente continue descobrindo novas coisas, se descobrindo, entendendo melhor as necessidades dos outros. É o coroamento de um período intenso da vida da gente. É bom demais”, ressaltou o ordinando Luiz Augusto.  

O arcebispo dom Moacir Silva, ao iniciar a homilia, explicitou as atribuições do ministério presbiteral: pregar o Evangelho, apascentar o povo de Deus e celebrar o culto divino, principalmente no Sacrifício do Senhor; e na sequência se dirigiu aos padres falando da raiz do ministério sacerdotal: “Esta raiz, como bem sabemos, é uma só: Jesus Cristo Senhor”; e na continuidade se direcionou ao ordinando e disse:

“Caríssimo filho diácono Luiz Augusto, você escolheu a Solenidade da Imaculada Conceição para sua Ordenação. A cena da anunciação a Maria é a página da cooperação de Maria na obra da salvação. O Concílio Vaticano II acentuou fortemente, como faziam os antigos Padres da Igreja, que Maria trouxe à obra de Cristo não uma inerte passividade, mas operosa atividade.O seu ‘sim’ foi mantido e acentuado em toda a sua vida até o Calvário, onde ela oferece Cristo que se oferecia pela nossa salvação. Com Maria, caro filho diácono Luiz Augusto, você, hoje, está pronunciando o seu sim ao ministério sacerdotal. Você sabe que a vida e o ministério sacerdotal não serão feitos somente de alegrias e sucessos, de elogios e festas, mas também de desafios dos mais variados, de incompreensões e, às vezes, até de perseguições. Então, é bom ter presente que nada disso é estranho à vida e ministério sacerdotal. As situações complicadas que experimentamos na vida e no ministério sacerdotal constituem oportunidades de testemunhar nossa fidelidade ao Deus que nos chamou e nos consagrou para o seu serviço, que é fundamentalmente o serviço da salvação das almas”, explicou dom Moacir.

E, ainda se dirigindo ao ordinando, o arcebispo acrescentou: “Portanto, caro ordinando, quando a dimensão de vítima sacrifical se fizer mais forte na sua vida e ministério sacerdotal, lembre-se do Sim de Maria dito na Anunciação e vivido ao longo se sua vida; vivido intensamente aos pés da Cruz, no Calvário.Maria ensina aos homens e mulheres de hoje que entrar no mistério de Cristo, querer realizar a salvação, é pôr-se a serviço. Ministério sacerdotal é serviço. Escolhida para ser mãe, declara-se ‘serva’: Eis aqui a serva do Senhor; faça em mim segundo a tua palavra”, salientou dom Moacir.

Dom Moacir se referiu também a necessidade do sacerdote se configurar a figura de Jesus Cristo. “A respeito disso, caríssimo ordinando e caríssimos padres, certa vez dizia Bento XVI ao clero de Roma: ‘para poder crescer, como pessoas e como sacerdotes, é fundamental antes de tudo a comunhão íntima com Cristo, cujo alimento era fazer a vontade do Pai (cf. Jo 4, 34): tudo quanto fazemos, fazemo-lo em comunhão com Ele e encontramos assim, sempre de novo, a unidade da nossa vida em tantas dispersões favorecidas pelas diversas ocupações de cada dia.Do Senhor Jesus Cristo, que se sacrificou a si mesmo para fazer a vontade do Pai, aprendemos a arte da ascese sacerdotal, que é necessária também hoje: ela não deve ser colocada ao lado da ação pastoral, como um fardo em acréscimo que torna ainda mais pesado o nosso dia. Ao contrário, na própria ação devemos aprender a superar-nos, a deixar e a doar a nossa vida (...) Por isso, o tempo para estar na presença de Deus na oração é uma verdadeira prioridade pastoral, não é algo ao lado do trabalho pastoral, estar diante do Senhor é uma prioridade pastoral, em definitiva, a mais importante’.Por fim, caríssimo filho diácono Luiz Augusto, que a Virgem Imaculada, Mãe do Sumo e Eterno Sacerdote, acompanhe e proteja sua vida e ministério sacerdotal, hoje e sempre. Amém”, concluiu dom Moacir.

O neopresbítero, padre Luiz Augusto, escolheu como lema presbiteral: “Unum core et anima una” (At, 4, 32), e antes da bênção final, fez os agradecimentos:

“Queridos irmãos e irmãs, agradeço a Deus, Uno e Trino, porque em sua infinita misericórdia me permitiu chegar até aqui. Pai, Mãe, obrigado por me darem a vida e me permitirem trilhar o caminho que escolhi. Sou grato ao senhor Dom Moacir por ser um pai presente, atento, que ouve, acolhe, orienta e corrige, Deus o conserve! Aos reitores, formadores, padres com quem fiz o estágio pastoral, professores, psicólogos, e funcionários do Seminário e dos Institutos, muito obrigado por aquilo que pude aprender de vocês e com vocês. Também a esta comunidade na qual cresci e pude aprender com os mais simples o zelo pelas coisas sagradas e adquirir os primeiros conhecimentos da fé e hoje me proporcionam a alegria de poder receber todos vocês que comigo vivem este momento único com simplicidade, mas de modo digno. Me refiro a todos os que trabalharam na preparação desta solenidade, minha sincera e profunda gratidão. Agradeço ainda aos irmãos de caminhada, cada um dos seminaristas que comigo conviveram, de modo especial os meus irmãos de turma: os diáconos Alexandre, Adalberto, Geanine, Gilliard e o padre Danilo. Com vocês também pude aprender assim como com aqueles que conosco iniciaram a caminhada e hoje trilham outros caminhos. Com carinho agradeço de modo muito especial o padre João Carlos Pedroza, por sua presença neste dia tão especial também para ele que comemora seus 20 anos de ordenação presbiteral. Padre João Carlos receba o nosso carinho e também um pequeno mimo. A todos Deus os abençoe e guarde sempre em segurança, saúde e paz!”