Comentando a Palavra de Deus - 18º Domingo do Tempo Comum

A Palavra de Deus do Décimo-Oitavo Domingo do Tempo Comum, coloca-nos diante do evento da Multiplicação dos Pães, em que Jesus nos convida a nos alimentar de sua palavra e da eucaristia para que ninguém vá embora com fome. Celebramos a Páscoa de Cristo, a qual se manifesta em todas as pessoas e grupos que têm compaixão dos pobres e famintos e sabem partilhar com eles.

O reino de Deus não pode se concretizar enquanto houver fome de pão e de dignidade. Banquete com fartura é sinal do projeto de Jesus, que tem compaixão do povo e convoca seus seguidores para que alimentem as multidões famintas.

Somos gratuitamente convidados a participar do banquete messiânico. Jesus propõe a superação da fome e da miséria. O amor de Deus é nosso aliado, ninguém pode nos separar dele.

Deus destinou os bens da criação para todos. Mas uns poucos se apoderaram deles, conservando os demais sob férrea dependência, incapazes até de ter acesso aos bens básicos da vida. O banquete da vida se tornou privilégio de poucos, que vivem à custa do sangue dos pobres explorados. Deus subverte essa situação, convidando os pobres explorados a sair da dependência e a saborear o banquete da vida, na liberdade e fraternidade, onde o comércio é substituído pela partilha dos bens da criação. Dessa forma inicia o novo êxodo do povo de Deus em direção ao mundo novo. Jesus deu a esse mundo novo sua forma definitiva, convidando as pessoas a lutar para que ele se concretize no meio de nós.

Para longe de todos os poderes de morte, dos Herodes que, com seus banquetes de morte, buscam ter vida, matando a esperança do povo, como fizeram com João Batista, Jesus vai para um lugar deserto e afastado. É das cidades, isto é, do espaço onde impera o domínio de Herodes e de seu sistema explorador, que o povo sai (= êxodo!), indo ao encontro do Messias libertador, precisamente no espaço da aliança, no deserto. E qual a reação de Jesus? Encheu-se de compaixão, isto é, sofreu com aquela gente sofrida.

É neste lugar deserto e afastado, que se aprende, na prática, o segredo do Reino de Deus em oposição ao reino de Herodes. Não é indo comprar nas vilas, isto é, deixando-se explorar pelos que têm para vender, que os pobres terão comida em abundância, mas partilhando aquilo que possuem.

A Palavra que é Jesus em sua totalidade já está em nosso meio, nada nos separa dela. Esse Jesus-Palavra é o primeiro alimento a nos fortalecer com seu segredo, a saber, a alternativa de uma sociedade de partilha fraterna, capaz de saciar a fome de todos. Ouvir, assimilar e colocar em prática esta Palavra que é Jesus, eis o desafio que temos pela frente.

Diante da Palavra proclamada neste domingo e diante do Projeto de Jesus Cristo anunciado, somos impelidos não apenas a alimentar-nos a nós mesmos, porém, saciados, assumir o compromisso da erradicação da fome e da miséria em nossas Comunidades de Fé. Segundo a ONU, um bilhão de pessoas no mundo passa fome, diariamente. A disparidade entre pobres e ricos ainda é indecente. Vivemos na Região de Ribeirão Preto, entre uma das maiores concentrações econômicas e um incalculável número de pessoas sem nenhuma perspectiva de vida digna.

O compromisso evangélico que se espera de nós, é a promoção da dignidade da pessoa em sua totalidade. Não é jogando “migalhas” daqui  e dali que estaremos assumindo nossa missão de verdadeira partilha.

Gosto de frisar que sempre devemos partilhar de nossa pobreza, oferecendo o que temos de melhor àqueles que dependem de nossa responsabilidade e que têm menos do que nós. Saber que possuímos um dos “lixos mais luxuosos do País”, deve no mínimo, remeter-nos a buscar soluções que não só matem a fome imediata das pessoas, oferecendo-lhes “sopas, lanches, esmolas e outros tipos de migalhas”, mas oportunidades de vida e não de sobrevivência!

A Décima-Oitava Semana do Tempo Comum é enriquecida pelo início do Mês Vocacional. Neste primeiro domingo do mês vocacional, recordamos os vocacionados para o ministério ordenado – diáconos, padres e bispos – e rezamos de modo especial pela santificação de todos eles. Pois só um padre santo poderá santificar sua comunidade, e isso se faz possível no profundo encontro de ambos, na oração!    

Finalmente sonhamos com o dia em que todo ser humano tenha direito, de verdade, a sentar-se à mesa comensal de nossas Comunidades!

Desejando-lhes muitas bênçãos, com ternura e gratidão, nosso abraço amigo,
 

Pe. Gilberto Kasper
(Ler Is 55,1-3; Sl 144(145); Rm 8,35.37-39 e Mt 14,13-21).


Fontes: Liturgia Diária da Paulus de Agosto de 2020, pp. 18-24 e Roteiros Homiléticos da CNBB do Tempo Comum I (Agosto de 2020) pp. 55-59.