<

As lógicas existenciais das grandes cidades

Nós sabemos que cidades são estruturas físicas onde acontecem relações humanas (sociais, culturais, econômicas, políticas etc). Mais do que olhar os espaços é preciso olhar essas relações, tomando o cuidado de não considerar as cidades como uma única realidade ao longo da história. É necessário ter presente as lógicas que regem a vida da cidade atual.

Para a compreensão dessas lógicas, ajuda utilizar a terminologia passagem. O mundo urbano se caracteriza por um estilo de passagem. Então é importante considerar quais são as principais passagens que ocorrem nos ambientes urbanos e como elas se manifestam no atual contexto das grandes cidades, marcado pela mudança de época, pelo pós-industrial, pelo pós-moderno.

A lógica do espaço. Quanto mais agudo for um ambiente urbano, mais descentralizada é a vida. Os espaços de residência, de trabalho, de estudo, de lazer e da prática religiosa, por exemplo, tendem a se separar, exigindo que uma das questões mais importantes nas grandes cidades seja exatamente a mobilidade. A questão que daqui emerge diz respeito ao local onde as pessoas envolvidas nos processos de urbanização vão buscar suas raízes.

A lógica do tempo. Nos ambientes de alta urbanização, dia e noite se misturam num ritmo sem interrupção, seja no âmbito real, seja no âmbito virtual. As grandes cidades não param mais para dormir.

A lógica das referências. Com relação à questão do enraizamento das pessoas soma-se a questão das outras bases para a construção dos valores, das crenças e dos critérios. Quanto maior for o índice de urbanização, maior é o que podemos chamar de primazia do grupal em relação ao individual. Por grupal, deve-se entender o familiar, o tribal, mas também o institucional e o tradicional. Os ambientes urbanos atuais carregam consigo o enfraquecimento da dinâmica institucional e tradicional, colocando o peso das questões sobre o indivíduo isoladamente considerado. Os mundos urbanos seguem uma forte lógica de individualização.

A lógica da postura. Nos ambientes urbanos agudos, uma das atitudes mais destacadas consiste exatamente na escolha contínua. Um exemplo: escolhe-se desde o que se compra no supermercado até a religião e, nos nossos dias, chega-se a querer escolher a identidade de gênero. O mundo urbano apresenta a passagem da lógica do aceitar, do enquadrar-se no que é previamente dado, para a lógica do escolher, do optar contínuo.

A lógica das relações. Outra lógica fundamental neste processo é a dinâmica das chamadas redes. São espaços de interesse, de pertença construída não pela aceitação do que é socialmente dado, porém do que é escolhido, num processo que pode ser de contínuas e/ou diferentes escolhas. Para um aspecto da vida, pode-se formar grupo com algumas pessoas, enquanto para outros aspectos forma-se grupo com outras pessoas. É a passagem da lógica do clã para a lógica das redes.

A lógica da mobilidade. Por fim, uma lógica indispensável para a compreensão do mundo urbano atual é a chamada lógica da mobilidade. O mundo urbano faz a passagem do estático para o movimento. As pessoas circulam entre diversos territórios, vivem num tempo sem limites, apoiam-se em cambiáveis instrumentos, oscilando em diversas redes de rela-cionamentos. Esses contínuos movimentos geram um modo de compreensão da vida, modo esse caracterizado pela contínua mudança. Mudar, movimentar, transformar, diferenciar passam a ser as leis maiores.

Essas seis lógicas são um modo de tentar compreender a realidade urbana e estabelecer uma ponte com a ação evangelizadora. Estar atentos a essas lógicas ajudam na hora do discernimento das ações evangelizadoras no mundo urbano, pós-industrial, gerador dos sentidos, valores e crenças que tantos nos desafiam. 2019 é o ano da 15ª Assembleia Arquidiocesana de Pastoral. É bom pensar nisso!

(Fonte: Dom Joel Portela Amado em “Cultura Urbana: porta para o Evangelho: a conversão pastoral como chave para a evangelização das cidades”, 2018, Paulus, p. 180-183).


Dom Moacir Silva
Arcebispo Metropolitano

Boletim Igreja-Hoje - Setembro/2018