Vinde, Senhor, salvar-nos!

Neste mês chamo a atenção para três acontecimentos importantes em nossa vida eclesial: o Advento, a Campanha Nacional para Evangelização e o Natal do Senhor.

As normas universais do ano litúrgico, no número 39, diz: “O Tempo do Advento possui dupla característica: sendo um tempo de preparação para as solenidades do Natal, em que se comemora a primeira vinda do Filho de Deus entre os homens, é também um tempo em que, por meio desta lembrança, voltam-se os corações para a expectativa da segunda vinda do Cristo no fim dos tempos. Por este duplo motivo, o Tempo do Advento se apresenta como um tempo de piedosa e alegre expectativa”. Advento é tempo de espera, de preparação e de chegada. Esperar alguém requer cuidadosa e alegre preparação. Por isso, rezamos com a liturgia: Vinde, Senhor, Salvar-nos!

Vivendo bem o Advento poderemos na celebração do Natal mergulhar mais profundamente no mistério da Encarnação, isto é, no mistério do Filho de Deus que assumiu uma natureza humana para realizar nela a nossa Salvação. O Filho de Deus veio partilhar conosco a sua vida. Com isso, Ele nos convida a partilharmos nossa vida com os outros; Ele que veio ao nosso encontro nos impulsiona a irmos ao encontro dos outros e das suas necessidades.

A Campanha Nacional para Evangelização é uma oportunidade para partilharmos um pouco de nossos bens com as necessidades da ação evangelizadora da Igreja no Brasil, a nível nacional, regional e arquidiocesano. Neste ano a Campanha completa 21 anos e nos convida a refletir sobre o tema: “Cuidar dele” (Lc 10, 35).

Por que fazemos esta Campanha? Para despertar, no tempo do Advento, a consciência de que o Menino Deus, sol nascente que nos veio visitar (Lc 1,78), e que permitiu-se ser cuidado na fragilidade de uma criança, também nos convida a cuidar uns dos outros. É preciso cuidar do anúncio da Palavra; cuidar dos pobres e cuidar da comunidade. A participação consciente de cada um, sinal de comunhão missionária, nos coloca em atitude de doação de tudo aquilo que somos e temos em favor da Igreja e da sua ação pastoral. É consequência do “Sentir com a Igreja”.

A Campanha para a Evangelização começou na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo Rei do Universo, neste ano em 24 de novembro, e vai até o 3º Domingo do Advento, 15 de dezembro, quando acontece em todas as comunidades a Coleta Nacional da Campanha para a Evangelização. O resultado desta coleta tem a seguinte destinação: 35% fica na Arquidiocese; 30% vai para o Regional Sul 1; 35% vai para a CNBB nacional.

Vivamos intensamente esta Campanha para a Evangelização e colaboremos, também materialmente, com a ação evangelizadora da Igreja em todo o Brasil, participando da coleta nacional, no dia 15 de dezembro, 3º domingo do Advento.

“Eu vos anuncio uma grande alegria” (Lc 2, 10). É o grande anúncio do Natal: “hoje, na cidade de Davi, nasceu para vós o Salvador, que é o Cristo Senhor” (Lc 2, 11).

A celebração do Natal é a celebração do mistério da Encarnação do Verbo e sua habitação em nosso meio. A Encarnação é o evento e a verdade de fé cristã fundamental que, em certo sentido, inclui todas as outras. É o evento decisivo com o qual Deus transpôs a diferença qualitativa com a criatura e uniu-se a ela, entrando na sua vida e sua história. Hoje, mais do que nunca, precisamos aderir plenamente com a inteligência e a vontade a esta verdade.

Celebrar verdadeiramente o Natal significa encontrar-se com Jesus e viver todas as consequências desse encontro. E não nos esqueçamos de que o encontro pessoal com Jesus no Natal necessariamente exige de nós conversão, conforme ensina o Documento de Aparecida: “Conversão: É a resposta inicial de quem escutou o Senhor com admiração, crê n’Ele pela ação do Espírito Santo, decide-se ser seu amigo e ir após Ele, mudando sua forma de pensar e de viver, aceitando a cruz de Cristo, consciente de que morrer para o pecado é alcançar a vida. No Batismo e no sacramento da reconciliação se atualiza para nós a redenção de Cristo (DAp 278b).

A todos os queridos e amados fiéis da Arquidiocese de Ribeirão Preto desejo um verdadeiro encontro com Jesus, neste Natal; assim ele será realmente feliz e santo.
 

Dom Moacir Silva
Arcebispo Metropolitano

Igreja-Hoje - Dezembro/2019