<

Missão

Neste mês missionário chamo a atenção para dois âmbitos da nossa missão:  a  missão  na Amazônia e a missão na grande cidade.

A nossa Arquidiocese de Ribeirão Preto tem um compromisso de cooperação missionária com a Arquidiocese de Manaus (AM), colocando à disposição de Manaus, dois a quatro sacerdotes, para as paróquias: Nossa Senhora Consoladora dos Aflitos, no Bairro Betânia, em Manaus, e Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no município de Careiro  da  Várzea. Atualmente  contamos  com  dois sacerdotes.

Faz parte deste Projeto Missionário o envio dos seminaristas do Ano Pastoral para uma experiência missionária de dois meses nessas duas paróquias, em comum acordo com o padre que acolhe o seminarista do Ano Pastoral aqui na Arquidiocese e os padres em missão em Manaus. Além disso, já faz alguns anos que  os  seminaristas  do nosso Seminário  Propedêutico  fazem  uma experiência missionária de duas semanas também nessas duas paróquias. Essas  experiências  visam  contribuir na formação de “presbíteros-missionários: movidos pela caridade pastoral que os leve a cuidar do rebanho a eles confiado e a procurar os mais distantes, pregando a Palavra de Deus, sempre em profunda comunhão com seu Bispo, com os presbíteros, diáconos, religiosos, religiosas e leigos” (DAp, 199).

Visitando, no mês passado, os nossos padres em missão na Arquidiocese de Manaus, vi, com muita clareza, a necessidade de mais um padre nesta missão. Só a Paróquia de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no município de Careiro da Várzea, conta com 82 comunidades. Desejo que esta realidade toque o coração de nossos padres aqui na Arquidiocese e desperte para esta experiência missionária. Aqui vale lembrar a afirmação do Concílio Vaticano II: “O dom espiritual que os Presbíteros receberam na ordenação prepara-os não para uma missão por assim dizer limitada e restrita, mas para a missão amplíssima e universal da salvação ‘até os confins da terra’ [At 1, 8]” (PO, 10). E São João Paulo II disse: “Todos os sacerdotes devem ter um coração e uma mentalidade   missionária,  estarem abertos às necessidades da Igreja e do mundo, atentos aos mais distantes...” (RM, 67).

Desde o mês de junho deste ano, temos também um padre na Prelazia de Itacoatiara (AM). Estive com o Bispo Prelado de Itacoatiara, Dom José Ionilton Lisboa de Oliveira, e o nosso padre missionário Edmário Bezerra Gomes, nos dias 4 e 5 de setembro, onde tratamos de um convênio de cooperação missionária entre a Arquidiocese de Ribeirão Preto e a Prelazia de Itacoatiara. Aqui é bom lembrar que a experiência de cooperação missionária de nossa Arquidiocese começou em Itacoatiara, ainda no tempo de Dom Arnaldo Ribeiro.

A  missão  na  grande cidade – e Ribeirão  Preto  é  cidade  grande – pressupõe um ato de fé: “Deus vive na cidade”. O Documento de Aparecida afirma: “A fé nos ensina que Deus vive na cidade, em meio a suas alegrias, desejos e esperanças, como também em meio a suas dores e sofrimentos” (DAp, 514). E o Papa Francisco nos diz: “Precisamos identificar a cidade a partir dum olhar contemplativo, isto é, um olhar de fé que descubra Deus que habita nas suas casas, nas suas ruas, nas suas praças. A presença de Deus acompanha a busca sincera que indivíduos e grupos efetuam para encontrar apoio e sentido para a sua vida. Ele vive entre os citadinos promovendo a solidariedade, a fraternidade, o desejo de bem, de verdade, de justiça. Esta presença não precisa ser criada, mas descoberta, desvendada. Deus não Se esconde de quantos O buscam com coração sincero, ainda que o façam tateando, de maneira imprecisa e incerta” (EG, 71).

Para o próximo ano já marcamos alguns encontros com os padres que atuam na cidade de Ribeirão Preto para tratarmos da questão da missão na grande cidade. Lembramos aqui a palavra do Papa Francisco em sua mensagem para o Dia Mundial das Missões 2017: “De fato a Igreja é, por sua natureza, missionária; se assim não for, deixa de ser a Igreja de Cristo, não passando duma associação entre muitas outras, que  rapidamente  veria  exaurir-se a sua  finalidade  e   desapareceria... A missão  da  Igreja,  destinada a todos os homens de boa vontade, funda-se sobre  o  poder   transformador do Evangelho.  Este  é   uma Boa Nova portadora duma alegria contagiante, porque contém e oferece uma vida nova: a vida de Cristo ressuscitado, o qual, comunicando o seu Espírito vivificador, torna-Se para nós Caminho, Verdade e Vida (cf. Jo 14, 6)”.

Vivamos  intensamente  nosso     compromisso de discípulos missionários de nosso Senhor Jesus Cristo.

Dom Moacir Silva
Arcebispo Metropolitano

Igreja-Hoje - Outubro 2017