Hoje é
Notícias

06/04
2015

Arquidiocese

Clero reunido na Catedral de São Sebastião para a Missa Crismal

A Catedral Metropolitana de São Sebastião, em Ribeirão Preto (SP), acolheu na manhã de Quinta-feira Santa, 02 de abril, s 9 horas, o presbitério da Arquidiocese de Ribeirão Preto para a concelebração eucarística da Missa do Crisma (Missa da


Clero reunido na Catedral de São Sebastião para a Missa Crismal

Acesse a Galeria de Fotos

A Catedral Metropolitana de São Sebastião, em Ribeirão Preto (SP), acolheu na manhã de Quinta-feira Santa, 02 de abril de 2015, s 9 horas, o presbitério da Arquidiocese de Ribeirão Preto para a concelebração eucarística da Missa do Crisma (Missa da Unidade) presidida pelo arcebispo dom Moacir Silva. Concelebraram o arcebispo dom Ilson de Jesus Montanari, secretário da Congregação para os Bispos; dom José Geraldo Oliveira do Valle, CSS, bispo emérito de Guaxupé; os padres diocesanos e religiosos presentes no presbitério da Arquidiocese; os diáconos permanentes e transitórios, os alunos da Escola Diaconal, seminaristas, representantes paroquiais e paroquianos da Catedral e demais paróquias.

Na concelebração os padres renovaram as promessas sacerdotais e o arcebispo abençoou os óleos, que serão usados nas 85 paróquias, 2 Reitorias e 2 Quase Paróquias da Arquidiocese de Ribeirão Preto nas celebrações dos sacramentos: o óleo do crisma (misturado com perfumes), para significar o dom do Espírito no batismo, na crisma, na ordem; o óleo para os catecúmenos, que será ministrado no Batismo quando o batizado torna-se participante da Igreja e herdeiro da vida futura no céu; e o óleo para os enfermos, sinal da força que liberta do mal e sustenta na provação da doença.


Leia a Homilia de dom Moacir Silva na íntegra:

Estamos reunidos em torno do altar do Senhor, celebrando a Missa Crismal. Esta missa reveste-se de um significado todo especial para a igreja arquidiocesana, uma vez que ela é considerada uma das principais manifestações da plenitude do sacerdócio do Bispo e um sinal da íntima união dos presbíteros com ele. (PG, 31c) Assim se manifesta claramente a unidade do sacerdócio e do sacrifício de Cristo continuado na Igreja.

O Concílio Vaticano nos ensinou que a principal manifestação da Igreja se realiza na plena e ativa participação de todo o povo santo de Deus nas mesmas celebrações litúrgicas, sobretudo na mesma Eucaristia, numa única oração, junto a um só altar, presidido pelo Bispo, cercado pelo seu presbitério e ministros. (SC, 41b) Nesta nossa celebração, acontece esta principal manifestação da Igreja. Isso compromete a todos e cada um de nós.

Nesta celebração consagra-se o Santo Crisma e benze-se o leo dos Catecúmenos e o leo dos Enfermos. Com o Santo Crisma são ungidos os recém-batizados e assinalados os que vão receber a confirmação. Pelo óleo dos catecúmenos, são eles preparados e encaminhados para o Batismo. O óleo dos enfermos, finalmente, alivia-os em suas enfermidades (Pontifical Romano, Bênçãos dos leos, Preliminares 1). Os sacerdotes que concelebram esta missa são testemunhas e cooperadores do seu Bispo, de cujo múnus sagrado participam, na edificação, santificação e condução do povo de Deus (CB, 274c).

Deixemos, agora, a Palavra de Deus que ouvimos nesta Liturgia nos iluminar.

O Espírito do Senhor está sobre mim, porque o Senhor me ungiu... (Is 61, 1). As palavras de Isaías representam o motivo dominante desta Missa Crismal, pois os santos óleos que serão consagrados e abençoados têm a finalidade de ungir e ser sinal da graça divina para os cristãos que deles se aproximam.

O Senhor me ungiu. Estas palavras nos lembram, em primeiro lugar, a missão messiânica de Jesus, consagrado pela virtude do Espírito Santo, tornando-se o Sumo e Eterno Sacerdote da Nova Aliança, realizada no seu sangue, derramado para a remissão dos pecados. Por seu sangue (Jesus) nos libertou dos nossos pecados e... fez de nós um reino, sacerdotes para seu Deus e Pai (Ap 1, 5-6 - 2 leitura).

No Evangelho, escutamos Jesus afirmar: Hoje se cumpriu esta passagem da Escritura que acabastes de ouvir (Lc 4, 21). Jesus comenta deste modo, na Sinagoga de Nazaré, o anúncio profético de Isaías. Jesus afirma que Ele é o ungido do Senhor, Aquele que o Pai mandou para dar a todos nós a libertação dos pecados.

São Lucas registra: Todos os que estavam na sinagoga tinham os olhos fixos nele (Lc 4, 20). Também nós, hoje, como as pessoas presentes na sinagoga de Nazaré, somos convidados a manter nossos olhos fixos em Jesus, nosso redentor, que fez de nós um reino, sacerdotes para seu Deus e Pai (Ap 1, 6). Se todo batizado participa do sacerdócio real e profético de Cristo, para oferecer sacrifícios agradáveis a Deus (1Pd 2, 5), nós sacerdotes somos chamados a compartilhar da oblação de Cristo de modo especial.

Somos chamados a viver esta oblação no serviço ao sacerdócio comum dos fiéis. A Ordem é o sacramento graças ao qual a missão confiada por Jesus aos seus apóstolos continua a ser exercida na Igreja até o fim dos tempos: portanto, é o sacramento do ministério apostólico, que comporta os graus do episcopado, do presbiterado e do diaconado.

Queridos padres, hoje tomamos maior consciência deste ministério que nos foi confiado. Na Eucaristia, o divino Mestre nos confiou a celebração do seu próprio Sacrifício, chamando-nos assim ao seu especial seguimento. Por este motivo, logo adiante, nesta celebração, vamos confirmar a Ele em conjunto a nossa fidelidade e o nosso amor e, confiando no poder da sua graça, vamos renovar as promessas feitas no dia de nossa Ordenação (cf João Paulo II Homilia da Missa Crismal de 2002).

Como é grande para nós este dia, queridos padres! Na Quinta-Feira Santa Nosso Senhor Jesus Cristo fez de nós os ministros da sua presença sacramental no meio dos homens. Ministros da sua presença sacramental no meio dos homens! Aqui, devemos nos perguntar: o povo confiado ao nosso pastoreio está sentindo, experimentando em nós esta presença de Cristo? Na Quinta-Feira Santa Nosso Senhor Jesus Cristo colocou em nossas mãos o seu perdão e a sua misericórdia, dando-nos o seu Sacerdócio para sempre. Que grande dom e imensa responsabilidade o Senhor nos confiou!

Hoje somos convidados a nos perguntar: de que maneira nós estamos vivendo este ministério? O povo confiado ao nosso pastoreio tem visto no nosso modo de ser e agir, no nosso comportamento diário a presença e a transparência de Jesus Cristo Bom Pastor? O nosso relacionamento no presbitério tem sido marcado pelo amor, pela verdade, pela coerência, pela transparência, pela corresponsabilidade, pela fraternidade sacramental, pela busca do bem do irmão presbítero?

Queridos padres, aproveitemos o dia de hoje para uma profunda reflexão sobre nossa vida e ministério sacerdotal, diante do Sumo e Eterno Sacerdote, que por amor de predileção para conosco nos associou ao seu Sacerdócio.

E agora, queridos padres, num momento de silêncio, voltemos com o pensamento repleto de emoção, ao entusiasmo do primeiro sim, pronunciado no dia da nossa Ordenação Sacerdotal, preparando-nos, assim, para renovar nossas promessas sacerdotais.

Dom Moacir Silva
Arcebispo Metropolitano


CONTATO

Rua Tibiriçá nº 879 – Centro
CEP: 14010-090
Ribeirão Preto/SP


Atendimento

de 2ª a 6ª feira
Das 8h às 12h
Das 13h às 17h (16) 3610 8477

Copyright © 2019 - Arquidiocese de Ribeirão Preto - Desenvolvido por Com5