Hoje é
Notícias

22/11
2016

Jubileu Extraordinário da Misericórdia - Ano Santo

Os frutos do Jubileu da Misericórdia

Encerrado o Ano Santo Extraordinário do Jubileu da Misericórdia, e fechadas as Portas Santas nas Dioceses do mundo no dia 13 e na Basílica de São Pedro, no Vaticano, dia 20 de novembro


Os frutos do Jubileu da Misericórdia

Encerrado o Ano Santo Extraordinário do Jubileu da Misericórdia, e fechadas as Portas Santas nas Dioceses do mundo no dia 13 e na Basílica de São Pedro, no Vaticano, dia 20 de novembro, somos todos profundamente agradecidos ao Papa Francisco, por nos ter dado um ano inteiro, para reavaliarmos nossa relação com Deus, com os irmãos e conosco mesmos. Então chegou o momento de cada um se perguntar quais são, de verdade, Os Frutos do Jubileu da Misericórdia!

As celebrações, os eventos, os exercícios das Obras de Misericórdia Corporais e Espirituais foram, sem dúvida, majestosas, solenes e imbuídas de magnífica criatividade. Milhões de pessoas participaram, de alguma maneira, de eventos tão bem preparados tanto nas Dioceses como na Cidade Eterna: Roma.

O Arcebispo Metropolitano de Ribeirão Preto, Dom Moacir Silva, em sua Homilia, indica alguns frutos, que esperamos sejam saborosos: Concluímos, hoje, o Jubileu Extraordinário da Misericórdia, mas não fechamos a Porta da Misericórdia; ela continuará sempre aberta... Não fechamos a porta para manifestar a consequência do Ano da Misericórdia na vida da Igreja que assume uma atitude acolhedora, com portas escancaradas para acolher com amor a quem quer que se arrisque a entrar. Entendo, assim, que é urgente abrirmos também cada um de nós, a porta da misericórdia de nosso coração. Depois de um ano tão magnífico, não temos o direito de ignorar que o Rosto Misericordioso do Pai se encontra no rosto sofrido e machucado do irmão. Não nos é mais permitido enxotar quem quer que seja de nossas Comunidades, de nossas Pastorais, de nossos Serviços e Movimentos Eclesiais. Nossa capacidade de acolher e perdoar, sem rusgas e mágoas, deve ultrapassar nossa mania de querermos ser justos, certinhos e melhores do que os outros, mesmo aqueles, que em algum momento deslizaram, pecaram e se distanciaram do coração misericordioso da Igreja-Mãe.

Dom Moacir Silva disse ainda em sua Homilia, na majestosa Celebração do Encerramento do Ano Santo Extraordinário do Jubileu da Misericórdia: Agora, com mais dedicação continuemos a praticar as obras da misericórdia corporais e espirituais, certos de que na raiz das obras da caridade está presente o rosto do Deus misericordioso e a necessidade do homem: elas nascem da experiência do amor de Deus e cumprem o mandamento do amor ao próximo. Os Frutos do Jubileu da Misericórdia serão saborosos na medida em que tivermos a ousada coragem de conversão pessoal. Mudar o que não anda bem nos porões de nossa intimidade.

Cumprir o mandamento do amor ao próximo, seja ele quem for. Geralmente amamos mercenariamente aqueles que nos convém. Esse amor cheira mal. fruto azedo, apodrecido e indigesto. Com frequência excluímos pessoas de nossas relações, principalmente quando questionam nosso modo de vida. Isso é muito comum na vida política, social, familiar e muito marcante na vida eclesial. Eis o ponto nevrálgico que grita por uma imediata conversão! Se assim não for, o Jubileu da Misericórdia ficará marcado apenas pelas majestosas celebrações, sem nenhum fruto de conversão!


Pe. Gilberto Kasper
pe.kasper@gmail.com

Mestre em Teologia Moral, Licenciado em Filosofia e Pedagogia, Especialista em Bioética, tica e Cidadania, Professor Universitário, Docente na Associação Faculdade de Ribeirão Preto do Grupo Educacional da UNIESP, Assistente Eclesiástico do Centro do Professorado Católico, Assessor da Pastoral da Comunicação e Reitor da Igreja Santo Antônio, Pão dos Pobres da Arquidiocese de Ribeirão Preto e Jornalista.





CONTATO

Rua Tibiriçá nº 879 – Centro
CEP: 14010-090
Ribeirão Preto/SP


Atendimento

de 2ª a 6ª feira
Das 8h às 12h
Das 13h às 17h (16) 3610 8477

Copyright © 2019 - Arquidiocese de Ribeirão Preto - Desenvolvido por Com5