Hoje é
Notícias

07/07
2014

Formação de Líderes

Para esclarecer a distinção e a relação entre Pastorais e Movimentos

O presente texto foi apresentado pelo padre Antônio lcio de Souza (Pitico) no encontro que aconteceu na Casa Dom Luís, em Brodowski (SP), no dia 03 de julho com os representantes de movimentos ligados família (ENS e ECC)


Para esclarecer a distinção e a relação entre Pastorais e Movimentos

O presente texto foi apresentado pelo padre Antônio lcio de Souza (Pitico) no encontro que aconteceu na Casa Dom Luís, em Brodowski (SP), no dia 03 de julho com os representantes de movimentos ligados família (ENS e ECC), da Animação Bíblico-catequética da Arquidiocese, do SAV/PV, da Pastoral Familiar e Setor Família em preparação do Projeto Agosto. O encontro contou com a presença de aproximadamente 60 participantes.

Acesse o texto na versão WORD


* * *


Para início de conversa...


a) muito comum nas reuniões gerais ou paroquiais ouvirmos: Eu sou da RCC, Eu sou do ECC, Eu sou das ENS, Eu sou da pastoral Familiar, e tantos outros que vão se definindo como se representassem uma agremiação ou um clube. De repente, cabe a pergunta para ajudar a esclarecer: não são todos da Igreja? Por que tantas diversidades? O que une todos esses membros?

b) Sem entrar em uma reflexão aprofundada, mas recolhendo alguns elementos importantes para a nossa compreensão, a partir da constituição dogmática Lumen Gentium, documento do Concílio Vaticano II, vemos que se redescobre o Mistério da Igreja luz da obra salvífica de Cristo. Somos Povo de Deus: comunhão, participação, colegialidade, diaconia todos esses termos passam a ser palavras-chave num grande convite santidade e santificação do mundo. Conduz a uma Igreja peregrina e missionária e define sua santidade no serviço e no ministério, cada vez mais fiel ao Evangelho.

c) Essa não é uma realidade antiga, mas que encontrou maior espaço a partir do Concílio Vaticano II, e por isso mesmo, muitos têm dificuldade na hora de explicitar as tarefas específicas de cada um.

d) Na Redemptoris Missio, São João Paulo II, afirma: No âmbito da Igreja, existem vários tipos de serviços, funções, ministérios e formas de animação da vida cristã. Recordo, como novidade surgida recentemente em bastantes Igrejas, o grande desenvolvimento dos Movimentos eclesiais , dotados de dinamismo missionário. Quando se inserem humildemente na vida das Igrejas locais e são acolhidos cordialmente por Bispos e sacerdotes, nas estruturas diocesanas e paroquiais, os Movimentos representam um verdadeiro dom de Deus para a nova evangelização e para a atividade missionária propriamente dita. Recomendo, pois, que se difundam e sirvam para dar novo vigor, sobretudo entre os jovens, vida cristã e evangelização, numa visão pluralista dos modos de se associar e exprimir. (n.72)

e) De certa forma, foi a partir do papa São João Paulo II, que reunindo os movimentos na Praça de São Pedro em Roma, que se direcionou um pouco o que são os movimentos. Destaquemos alguns textos:

1. O que se entende, hoje, por movimentos? O termo é com frequência referido a realidades diversas entre si, s vezes, até por configuração canônica. Se, por um lado, ela não pode certamente exaurir nem fixar a riqueza das formas suscitadas pela criatividade vivificante do Espírito de Cristo, por outro, porém, está a indicar uma concreta realidade eclesial de participação prevalecentemente laical, um itinerário de fé e de testemunho cristão, que assenta o próprio método pedagógico sobre um carisma dado pessoa do fundador, em circunstâncias e modos determinados. A originalidade própria do carisma que dá vida a um Movimento não pretende, nem o poderia, acrescentar algo riqueza do depositum fidei, conservado pela Igreja com apaixonada fidelidade. Ela, porém, constitui um apoio poderoso, um apelo sugestivo e convincente a viver plenamente, com inteligência e criatividade, a experiência cristã. (27/05/1998).

2. Pela sua natureza, os carismas são comunicativos e fazem nascer aquela afinidade espiritual entre as pessoas (cf. Christifideles laici, 24) e aquela amizade em Cristo que dá origem aos movimentos. A passagem do carisma originário ao movimento acontece pela misteriosa atração exercida pelo Fundador sobre quantos se deixam envolver na sua experiência espiritual. Desse modo, os movimentos reconhecidos oficialmente pelas autoridades eclesiásticas propõem-se como formas de auto-realização e reflexos da única Igreja. O seu nascimento e a sua difusão trouxeram vida da Igreja uma novidade inesperada (...) não deixou de suscitar interrogativos, dificuldades e tensões; s vezes comportou, por um lado, presunções e intemperanças e, por outro, não poucos preconceitos e reservas. Foi um período de prova para a sua fidelidade, uma ocasião importante para verificar a genuinidade dos seus carismas. Hoje, diante de vós, abre-se uma etapa nova, a da maturidade eclesial. Isto não quer dizer que todos os problemas tenham sido resolvidos. , antes, um desafio. Uma via a percorrer. A Igreja espera de vós frutos maduros de comunhão e de empenho. (30/05/1998)


f) Os movimentos eclesiais e as novas comunidades são um sinal luminoso da beleza de Cristo e da Igreja, sua Esposa. Vós pertenceis estrutura viva da Igreja. Bento XVI (31/05/2006).

g) O Subsídio doutrinal da CNBB nos diz que os movimentos eclesiais tem se tornado, pela dinâmica de seus carismas, canais para vivência de novas formas de religiosidade diante dos desafios da cultura moderna. Eles respondem também necessidade de experiência pessoal de Deus e de busca de sentido e orientação para a vida, como uma considerável contribuição para a vivência da fé, a participação de tantos na vida da Igreja e para a evangelização no mundo de hoje. (n. 23) No entanto, há dificuldades no âmbito do relacionamento entre movimentos eclesiais, novas comunidades e estruturas da Igreja particular (n. 24). Apresenta as principais características (n. 26-29) e as contribuições e desafios (n. 30). (CNBB. Igreja Particular, Movimentos Eclesiais e Novas Comunidades. Subsídios Doutrinais, 3)

h) O Documento de Aparecida também dedica alguns números aos movimentos:

311. Os novos movimentos e comunidades são um dom do Espírito Santo para a Igreja. Neles, os fiéis encontram a possibilidade de se formar na fé cristã, crescer e se comprometer apostolicamente até ser verdadeiros discípulos missionários.

312. Os movimentos e novas comunidades constituem uma valiosa contribuição na realização da Igreja local. (...) Na vida e na ação evangelizadora da Igreja, constatamos que no mundo moderno devemos responder a novas situações e necessidades da vida cristã. Neste contexto também os movimentos e novas comunidades são uma oportunidade para que muitas pessoas afastadas possam ter uma experiência de encontro vital com Jesus Cristo e, assim, recuperar sua identidade batismal e sua ativa participação na vida da Igreja. Neles podemos ver a multiforme presença e ação santificadora do Espírito.

313. Para aproveitar melhor os carismas e serviços dos movimentos eclesiais no campo da formação dos leigos desejamos respeitar seus carismas e sua originalidade, procurando que se integrem mais plenamente na estrutura originária que acontece na diocese. Ao mesmo tempo, é necessário que a comunidade diocesana acolha a riqueza espiritual e apostólica dos movimentos. verdade que os movimentos devem manter sua especificidade, mas dentro de uma profunda unidade com a Igreja local, não só de fé, mas de ação.

i) São João Paulo II destaca que os movimentos são um apoio poderoso para a vivência da vida cristã e Bento XVI aponta que pertencem estrutura viva da Igreja. Pertencem Igreja, estão na Igreja e não a Igreja neles. Nessa relação com a Igreja universal não se tem dificuldades de compreensão. A questão se torna mais complexa no âmbito da diocese e da paróquia, quando se busca uma sadia relação entre as estruturas específicas de cada movimento e as pastorais de cada paróquia ou em nível arquidiocesano (Plano de Pastoral).

j) O recente documento sobre as paróquias (Doc. 100 da CNBB) alerta para o surgimento de grupos fechados (n. 34), mas reconhece como sinais da providência de Deus os movimentos e associações, com a multiplicidade de experiências para o seguimento de Jesus (n. 231). Indica com clareza no número 233 o desafio de comunhão dada as orientações específicas e os planos de pastorais fechados. No número seguinte aponta a necessidade de encontrar um caminho de diálogo e comunhão.

k) Aqui a nossa tarefa é uma tentativa de esclarecer essa relação para ajudar na comunhão de serviços entre pastorais e movimentos, sobretudo ligados família.


Como podemos definir as pastorais da Igreja?

l) Em uma visão geral: Pastoral vem de pastor. Fazendo referência a Cristo e exprime a atividade salvífica em favor dos homens e de sua comunhão no mundo. Uma atividade entregue Igreja e por ela realizada. a continuação da obra salvífica de Cristo que terá seu fim na parusia e na realização definitiva do Reino de Deus.

m) A ação pastoral surge quando se compreende que a paróquia isolada na sua ação não seria suficiente para atingir a evangelização. E com o passar do tempo foi-se compreendendo que essa ação pastoral precisava estar articulada em níveis mais amplos como na paróquia, na diocese, no regional, etc. Denominando-se pastoral de conjunto. (Dicionário de Pastoral)

n) Num primeiro momento, define-se como pastorais aquelas atividades que se voltam para dentro da Igreja, como catequese, família, liturgia, etc. Em nossos dias, a atividade pastoral quase que corresponde a evangelização. Na exortação do papa Francisco, A alegria do Evangelho, ele afirma que Nova Evangelização interpela a todos e realiza-se fundamentalmente em três âmbitos (n. 14): a pastoral ordinária (os que participam da comunidade, para que correspondam cada vez melhor e com toda a sua vida ao amor de Deus), as pessoas batizadas, mas não vivem as exigências do batismo e aqueles que não conhecem Jesus Cristo (ad gentes).

o) Pastoral orgânica e de conjunto: o trabalho pastoral em que se integram, num exercício efetivo de comunhão e de corresponsabilidade, os vários níveis de Igreja e seus vários serviços, colegiando pessoas e universalizando recursos e experiências. Ação que dá unidade s diferenças, não unificação. (Pe. Alfeu Piso)


Como fica a relação entre pastorais e movimentos?

p) Ambos estão a serviço da vida cristã plena. Esse sem dúvida é o ponto comum.

q) Os movimentos são, sem dúvida, uma porta de acolhida para muitas pessoas, seja as que estavam afastadas da Igreja ou que nunca se fizeram presente nela, e também as que dela participam. Os movimentos e as associações têm atividades próprias que ajudam na formação dessas pessoas o que não impede que essas mesmas pessoas também possam viver em sintonia com a comunidade paroquial.

r) Uma imagem que poderia nos ajudar é que por essa porta de acolhida, essas pessoas passam a conhecer a Igreja e aquelas que já foram batizadas, passariam por uma reeclesialização, seriam como que re-socializadas no âmbito da Igreja.

s) Após serem acolhidas pelos movimentos, essas pessoas deveriam se engajar nas pastorais paroquiais, pois, são membros da comunidade e devem também enriquecer a comunidade com seus dons. E mais ainda, também devem ser alimentadas pela própria comunidade paroquial, que garante na perspectiva da eclesiologia da comunhão, a comunhão com a Igreja e os meios que a Igreja dispõe para educar e alimentar seus membros.

t) Ou, as pessoas assumirem os compromissos da vida cristã conforme vemos no decreto conciliar sobre o apostolado dos leigos. Pois, este ensina que todos leigos devem participar da missão da Igreja, tanto na Igreja como no mundo, quer pelo testemunho, quer pelo anúncio do Evangelho aos não crentes. Um Apostolado de evangelização, de santificação e de caridade. E apresenta os diversos campos em que os leigos são chamados a atuar: partindo da comunidade eclesial (diocese, paróquia), família, jovens, sociedade civil (política, meios de comunicação, trabalho, lazer, estudo, habitação...) em âmbito nacional e até internacional.

u) Como exemplos poderíamos citar: os casais que participam do ECC poderiam, sem nenhum problema, permanecerem participando dos círculos depois do Encontro, mas também se inserirem em uma pastoral na paróquia, o que enriqueceria a sua formação e vivência cristã. O mesmo acontece com os casais das Equipes de Nossa Senhora que, além dos compromissos com o movimento, nada os impedem de participarem de pastorais paroquiais, não somente naquelas que trabalham com casais, como em outras também. O mesmo acontece com membros da RCC e outros.

v) Os grandes encontros são portas de acolhida, mas para manter viva a fé cristã se faz necessário a vivência em uma comunidade, não ficando fechado somente para as atividades restritas dos movimentos. A comunidade é sempre mais!


Para finalizar:

w) preciso crescer muito nessa comunhão e para iniciar esse processo é preciso passos de aproximação, contendo renúncias e aberturas. A proposta dessas atividades em conjunto pode ser um primeiro passo. Reunidos os movimentos que trabalham com a família e a pastoral familiar, começarmos um trabalho de poderem se conhecer melhor e ver que existem tarefas comuns.

x) Muitos movimentos precisam encontrar um lugar de ação que ultrapassa os seus próprios membros e pode servir evangelização e por que não servir essa comunidade no qual se reúnem para celebrar, para alimentar-se da Palavra e da Eucaristia, tornando-se um testemunho autêntico. Como exorta o papa Francisco, as comunidades, movimentos e associações, dizendo que é muito salutar que não percam contato com esta realidade muito rica da paróquia local e que se integrem de bom grado na pastoral orgânica da Igreja particular, e isso, evitará que fiquem só com uma parte do Evangelho e da Igreja, ou que se transformem em nômades sem raízes. (cf. EG, n. 29 e Doc. 100 da CNBB, n. 236)


Pe. Antonio Elcio de Souza (Pitico)
Formação de Líderes e Secretariado de Pastoral


CONTATO

Rua Tibiriçá nº 879 – Centro
CEP: 14010-090
Ribeirão Preto/SP


Atendimento

de 2ª a 6ª feira
Das 8h às 12h
Das 13h às 17h (16) 3610 8477

Copyright © 2019 - Arquidiocese de Ribeirão Preto - Desenvolvido por Com5