Comentando a Palavra de Deus – Solenidade de Corpus Christi

A Solenidade do Corpo e Sangue de Cristo entrou na liturgia da Igreja em 1247, em meio a polêmicas e dúvidas sobre a presença real de Jesus na Eucaristia. Desde o início, a solenidade é marcada por grandes concentrações populares e procissões majestosas pelas ruas. O Concílio Ecumênico Vaticano II deu-lhe novo significado, ligando-a estreitamente à Páscoa do Senhor, o mistério eucarístico por excelência. A Eucaristia como memória da Páscoa – a ceia da nova e eterna aliança -, centro da vida e da missão de Jesus entre nós. A festa de Corpus Christi recorda que o mistério pascal está todo presente na Celebração Eucarística.

Celebrar a Eucaristia é renovar a aliança selada no sangue do Cordeiro, que se entregou por nós radicalmente como servo. Participando da Celebração Eucarística, somos convidados a fazer de nossa vida um serviço e dom gratuito, para o louvor de Deus e a libertação da humanidade. Uma oferenda perfeita com Cristo, pela ação amorosa e sempre fecunda do Espírito Santo. E, assim, tornar autêntica a afirmação de nossa fé: “Ele está no meio de nós!”.

A Eucaristia é a aliança eterna e definitiva de Deus conosco, selada pelo sacrifício único de Jesus Cristo. Seu gesto de amor e entrega é para sempre e permanece atual, pela liturgia, em todo tempo e no decorrer da história da salvação da humanidade.

No pão e no vinho da última refeição de Jesus, faz-se presente antecipado o dom da sua vida entregue até a morte sangrenta na cruz. A entrega de Jesus, sua morte-ressurreição, que aconteceram uma única vez (Hb 10,10-18), tornam-se presentes para nós pela ação litúrgica, ou seja, toda vez que fazemos memória destes fatos e de nossa salvação, anunciamos a morte do Senhor, até que Ele venha (1Cor 11,26). Não se trata de uma repetição, mas de uma atualização. O sacrifício é um só.

Somos redimidos por um amor sacrificado, um amor que doou corpo e sangue, isto é, doou a vida. Não é o sangue por si mesmo que salva. O que salva são o amor e a fidelidade que levaram Jesus a enfrentar morte cruel e sangrenta. Depois da sua morte, não há outro sacrifício de sangue na nova aliança, pois não é o sangue em si que importa, mas a entrega, o amor de quem o derramou, e este é válido para sempre.

Unindo-nos ao amor de Jesus, entregamos, no momento da Celebração Eucarística, o nosso corpo e sangue, toda nossa vida a serviço dos irmãos. Assim, nos tornamos “uma oferenda perfeita” com Cristo e em Cristo.

Se, na verdade, desejamos participar da mesa eucarística, agora e no banquete celeste, somos convidados a participar de seu serviço gratuito e assumir em nossa carne a sua doação radical.
“Se queres honrar o Corpo de Cristo, não o desprezes quando ele está nu. Não o honres assim, na Igreja, com tecidos de seda, enquanto o deixas fora, sofrendo frio e carente de roupa. Com efeito, o mesmo que disse: ‘Isto é o meu corpo’ e que realizou, ao anunciar, também disse: ‘Viste-me com fome e não me deste comida (…)’. Começa por alimentar os famintos e, com o que te sobra, ornamentarás o altar” (Catequese de São João Crisóstomo).

Certa vez uma menina de apenas seis anos, vendo o pai arrumar as alfaias para a Missa, subiu num banquinho e beijou a hóstia sobre a patena. O pai lhe disse: “Sua Bobinha. Por que beija esta hóstia? Jesus nem está aí!…” A menina respondeu: “Eu sei que Jesus ainda não está aí, mas quando chegar, encontrará meu beijo!…” Somos convidados a aprender da sabedoria desta menina, tornando-nos capazes de compreender e adorar Jesus Sacramentado, remetendo tamanho mistério à maturidade de nossa fé, tornando-nos também, capazes de beijar Jesus na pessoa do Outro. Sim, porque cada vez que comungamos Jesus Eucarístico, tornamo-nos seu Sacrário. Gosto de pensar, que acabamos sendo um porta-jóias, que leva em seu interior a mais preciosa jóia que alguém possa receber. Que a Eucaristia nos capacite cada vez mais ao amor com sabor divino!

Desejando-lhes muitas bênçãos, com ternura e gratidão, o abraço fiel,

Padre Gilberto Kasper

(Ler Ex 24,3-8; Sl 115(116); Hb 9,11-15 e Mc 14,12-16.22-26)

Fontes: Liturgia Diária da Paulus de Junho de 2021, pp. 20-27 e Roteiros Homiléticos da CNBB do Tempo Comum (Junho de 2021), pp. 12-16.

Veja também:

V Romaria Arquidiocesana ao Santuário Nacional de Aparecida

A Arquidiocese de Ribeirão Preto realiza a V Romaria Arquidiocesana ao Santuário Nacional de Aparecida, no dia 25 de setembro (sábado). A missa no altar central do Santuário será presidida pelo Arcebispo Dom Moacir Silva, às 9h (da manhã).