Comissão Arquidiocesana finaliza síntese arquidiocesana da Etapa Continental do Sínodo

A Comissão Especial para o Sínodo dos Bispos da Arquidiocese de Ribeirão Preto (Secretariado Arquidiocesano de Pastoral), encaminhou a Secretaria Nacional do Sínodo dos Bispos, em 2 janeiro de 2023, a síntese arquidiocesana da Etapa Continental, segunda fase do Sínodo dos Bispos (2021-2024). A colaboração arquidiocesana foi acolhida pela Secretaria Nacional do Sínodo, e respondida pelo padre Júlio César Evangelista Resende, OSC, membro da Equipe de Animação Nacional do Sínodo, que agradeceu o empenho da Arquidiocese nos trabalhos sinodais: “Agradeço o empenho desta Igreja particular na vivência da fase Continental do Sínodo. Que o Senhor nos fortaleça neste caminho como Igreja Sinodal”.

A Comissão Especial para o Sínodo na Arquidiocese viveu com intensidade o trabalho da Etapa Continental, onde refletiu nos meses de novembro de dezembro de 2022 as três interrogações contidas no Documento para a Etapa Continental (DEC) alinhadas em três eixos: intuições (experiências novas ou iluminadoras), tensões ou divergências, e prioridades. A partir das respostas houve a elaboração da síntese arquidiocesana, uma importante contribuição ao Sínodo e também para a ação evangelizadora na Arquidiocese de Ribeirão Preto.

Fase Continental do Sínodo dos Bispos

Com a inspiração bíblica: “Alarga o espaço da tua tenda” (Is. 54,2), o Documento para a Etapa Continental (DEC) trouxe o resultado da primeira fase consultiva do Sínodo, resultado das contribuições das dioceses, das consultas na plataforma Sínodo Digital, e da síntese das Conferências Episcopais. A Fase Continental ocorreu de 15 de agosto de 2022 a 31 de março de 2023. O Documento da Etapa Continental apresentou um retrato amplo das consultas em 109 artigos, perfazendo ao todo 56 páginas, e com os seguintes tópicos: Introdução, 1. A experiência do processo sinodal, 2. Escutando as Escrituras, 3. Em direção a uma Igreja sinodal missionária, 4. Os próximos passos.

A metodologia da Etapa Continental acompanhou o seguinte itinerário e trouxe no número 106 as interrogações a serem refletidas para a elaboração da síntese arquidiocesana:

“106. O DEC é assim o instrumento privilegiado, através do qual na Etapa Continental se pode realizar o diálogo das Igrejas locais entre elas e com a Igreja universal. Para levar por diante este processo de escuta, diálogo e discernimento, a reflexão centrar-se-á à volta de três interrogações:

– Depois de ter lido o DEC em ambiente de oração, quais intuições ecoam, de modo mais intenso, com as experiências e as realidades concretas da Igreja do vosso continente? Quais as experiências vos aparecem novas ou iluminadoras?

– Depois de ter lido o DEC e fazer uma pausa em oração, quais tensões ou divergências substanciais surgem como particularmente importantes na perspectiva do vosso continente? Consequentemente, quais são as questões ou interrogações que deveriam ser enfrentadas e tomadas em consideração nas próximas fases do processo?.

– Olhando para aquilo que emerge das duas perguntas precedentes, quais são as prioridades, os temas recorrentes e os apelos à ação que podem ser partilhados com outras Igrejas locais no mundo e discutidos durante a Primeira Sessão da Assembleia sinodal em outubro de 2023?”.

Veja também:

Ano da Oração

Na preparação do Jubileu 2025, o ano de 2023 foi o ano voltado à redescoberta dos ensinamentos conciliares, contidos principalmente nas quatro Constituições do Vaticano II: Dei Verbum (DV), Sacrosanctum Concilium (SC), Lumen Gentium (LG), Gaudium et Spes (GS). O ano de 2024 é dedicado inteiramente à oração, avançando na preparação para o Jubileu 2025: “Peregrinos de Esperança”