Papa Francisco pede para cuidar e acompanhar os doentes terminais e suas famílias

(Cidade do Vaticano, 30 de janeiro de 2024) – O Papa Francisco pede oração e compromisso para com os doentes terminais e seus familiares na edição de fevereiro do O Vídeo do Papa. O Santo Padre compartilha sua intenção de oração neste mês em que a Igreja celebra a Jornada Mundial do Enfermo, convocada desde 1992 por São João Paulo II no día 11 de fevereiro, memória litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes.

Papa Francisco lembra que “há duas palavras que, quando alguns falam de doenças terminais, as confundem: incurável e in-cuidável. E não são a mesma coisa”. “Curar se é possível, cuidar sempre”, afirma o Papa Francisco referindo-se a São João Paulo II no vídeo mensagem dirigido a todos os que creem, através da Rede Mundial de Oração do Papa.

Cuidar e curar

Um casal, sentando na areia, contempla o mar: o menino abraça a menina, que ficou sem cabelo por causa da quimioterapia. Uma menina está ao lado da cama de seu avô, no hospital, abraçando-lhe. Um homem está junto ao leito de seu pai, com uma Bíblia no colo e um Rosário nas mãos. Uma enfermeira leva ao jardim um paciente que já não pode caminhar. Um médico explica a uma família o difícil caminho que vão ter que percorrer com seu parente a partir de agora.

Conforme as olhamos, as imagens de O Vídeo do Papa de fevereiro nos falam de uma série de fracassos ou de êxitos: fracassos, se o único resultado aceitável é a cura; êxitos, se o objetivo é o cuidado. Curar e cuidar parecem sinônimos, mas não o são. O Papa Francisco o explica claramente: inclusive quando há poucas possibilidades de cura, “todos os doentes têm direito ao acompanhamento médico, ao acompanhamento psicológico, ao acompanhamento espiritual, ao acompanhamento humano”. E continua: “Nem sempre se consegue a cura. Porém sempre podemos cuidar do doente, acariciar o enfermo”.

Doentes, famílias e cuidados paliativos

Em nossa cultura do descarte não há lugar para os doentes terminais. E não é por acaso que, nas últimas décadas, a tentação da eutanásia tenha ganhado terreno em muitos países. Contrariamente a isso, o Papa Francisco nos convida a olhar o doente com amor – a compreender, por exemplo, que o contato físico pode ajudar muito, inclusive a quem já não é capaz de falar e parece já não reconhecer seus própios familiares – e a acompanhá-lo do melhor modo possível, durante todo o tempo que necessite.

Não se trata de prolongar desnecessariamente o sofrimento: pelo contrário, o Papa insiste na importância dos cuidados paliativos e da família, que – como escreveu a Congregação para a Doutrina da Fé na carta Samaritanus bonus de 2020 – “está ao lado do doente e dá testemunho de seu valor único e irrepetível”.

Sobre os cuidados paliativos, o Papa Francisco reforça que “garantem ao paciente não somente a atenção médica, mas também um acompanhamento humano e próximo”. No entanto, ao falar sobre o papel das famílias, o Papa lembra que “não devem permanecer sozinhas nesses momentos difíceis”, pois “seu papel é decisivo e devem ter os meios adequados para desempenhar o apoio físico, espiritual e social”.

Por isso, o Papa conclui pedindo as orações e o compromisso de todos para que “os doentes terminais e suas famílias recebam sempre os cuidados e o acompanhamento necessários, tanto do ponto de vista médico como humano”.

Como o Bom Samaritano

O Padre Frédéric Fornos S.J., Diretor Internacional da Rede Mundial de Oração do Papa, presente em 89 países, com mais de 22 milhões de católicos, pergunta: “Para que serve rezar por esta intenção? Não bastaria que o Papa fizesse uma declaração sobre este tema? Rezar, muda realmente alguma coisa? São perguntas que talvez nos façamos.” O P. Fornos continua: “Quando a doença bate à porta de nossa vida, sempre aflora em nós a necessidade de ter alguém próximo que olhe em nossos olhos, que segure nossas mãos, que manifeste sua ternura e nos cuide, como o Bom Samaritano da parábola evangélica. Esta proximidade e carinho com as pessoas em fase terminal poderia parecer acessório e secundário comparado ao acompanhamento médico, assim mesmo poder parecer também a oração; todavia, este apoio é essencial. É o amor que se expressa através destes gestos e da nossa oração. Nesses momentos difíceis, as famílias têm um papel muito importante, como disse o Papa Francisco. Rezemos, pois, “para que os doentes terminais e suas famílias recebam sempre os cuidados e o acompanhamento necessários.”

Fonte: https://thepopevideo.org

Veja também: