A democracia deve conduzir a eleição

“A cada discussão, a cada reunião, a cada voto consciente, a cada momento em que um cidadão se decide a favor da honestidade, do bem comum e contra a corrupção aprimora-se, em mútua cooperação, a democracia. A democracia deve conduzir a eleição no próximo domingo!

Ao nos aproximarmos das urnas, devemos ter consciência de que – embora o voto constitua um momento privilegiado de participação cidadã numa democracia representativa – está longe de encerrar-se a responsabilidade cristã. A decisão consciente de votar em candidatos que representem os valores cristãos é um passo importante, mas não é o único. É preciso que, como cristãos, continuemos a contribuir para que haja diálogo que aponte às mudanças necessárias na consolidação de uma cidadania inclusiva, de modo a garantir que a sociedade possa participar e exercer democraticamente o poder político.

O eleitor consciente deve conhecer o passado de seu candidato e averiguar se o discurso e a prática por ele apresentados se conformam aos valores da ética e do bem comum. É preciso também exercer a missão profética de todo cristão e manter uma atitude de fiscalização e vigilância. Diante de irregularidades, é necessário denunciar. “O silêncio e a omissão também são responsáveis pela deterioração da democracia” (cf. Dom Moacir Silva).

É necessário estar atento aos discursos e às promessas que nunca são cumpridas. Não é possível votarmos em candidatos que não apresentem “Projetos que visem o Bem de TODOS!”, e não apenas de grupos, principalmente os patrocinadores das campanhas. Esses não dão nada de graça. Quem financia campanhas, geralmente espera algum retorno pessoal e não comum. Muitos prometem o óbvio que na verdade, não cumprirão: saúde de qualidade; educação de excelência, segurança e tantos outros, que devem ser o retorno dos impostos mais elevados pagos no mundo, para manter vilões e agiotas institucionalizados. Ninguém deve ser eleito só porque promete aplicar com justiça e ética, os recursos provenientes dos próprios cidadãos, que, depois de elegerem seus representantes, lhes devem reverência. Devemos eleger aqueles que vivem para servir, e não os que se rogam o direito de sentirem-se “donos de seus eleitores”. Os brasileiros passam muitas dificuldades, que precisam urgentemente da atenção dos que serão eleitos secreta e livremente no próximo domingo.

Penso muito nos representantes mais diretos do povo: os deputados estaduais, os deputados federais e os senadores, que escrevem as leis do País e deixam ou não os Governadores e Presidente da República decidirem, ao invés do bem dos congressistas, pelo bem comum do próprio povo brasileiro.

Vamos todos votar e deixar com que a democracia conduza a eleição. Durante os próximos quatro anos colheremos aquilo que plantarmos nas urnas nas eleições já à nossa porta. Vamos ouvir nossa consciência, que será nossa melhor conselheira diante das urnas, para elegermos pessoas que realmente promovam a dignidade de nosso povo! Deus abençoe as próximas eleições! Nossa Senhora Aparecida, Mãe, Rainha e Padroeira do Brasil nos proteja ainda mais nas eleições já tão próximas!

 

Pe. Gilberto Kasper
[email protected]

Mestre em Teologia Moral, Licenciado em Filosofia e Pedagogia, Especialista em Bioética, Ética e Cidadania, Professor Universitário, Docente no CEARP – Centro de Estudos da Arquidiocese de Ribeirão Preto, Assistente Eclesiástico do Centro do Professorado Católico, Assessor da Pastoral da Comunicação, Pároco da Paróquia Santa Teresa D’Ávila e Reitor da Igreja Santo Antônio, Pão dos Pobres da Arquidiocese de Ribeirão Preto e Jornalista.

Veja também:

Escala Diaconado Permanente – Exéquias – Mês de NOVEMBRO 2022

A Associação dos Diáconos da Arquidiocese de Ribeirão Preto (ADPARP) divulga a Escala de Exéquias (Celebração Exequial nos Velórios) para o mês de NOVEMBRO de 2022 (final de semana e segunda-feira) para atendimento nos velórios de Ribeirão Preto.