A Diocese do Diaconado Permanente

O primeiro bispo diocesano de Apucarana (PR), Dom Romeu Alberti, nomeado por São Paulo VI em 22 de fevereiro de 1965, ainda em sessões do Concílio Ecumênico Vaticano II, com apenas 38 anos de idade, rabiscava seu plano diocesano de pastoral. Enquanto Padre Conciliar, não tinha como não pensar no Diaconado Permanente e na importante participação dos Leigos na evangelização da recém criada Diocese, que contava com um número de presbíteros muito aquém das necessidades pastorais. Havia comunidades que passavam de um a dois anos sem celebrar uma Santa Missa, por falta de padres. As distâncias e a falta de locomoção, a não ser carroças, bois e cavalos, da Diocese praticamente, toda ela rural, dificultava maior participação do povo. Mas o jovem e primeiro Bispo Diocesano queria uma “Igreja Conciliar”, mesmo que alguns diocesanos, no início, chamavam-na de “Igreja Circular”! Então Dom Romeu começou a formar homens, líderes de Comunidades, para o Diaconado Permanente, já que para a formação de um Sacerdote, demoraria em demasia para um Bispo tão afoito para evangelizar o povo que lhe fora confiado em meio ao Concílio, ou melhor dizendo, em seu último ano de trabalhos. O desafio da aplicabilidade de todas as riquezas de uma Igreja arejada e bem mais configurada às primeiras Comunidades descritas em Atos do Apóstolos, balançava o coração do generoso pastor, não poucas vezes chamado de “Bom Romeu”!

A prioridade do Diaconado Permanente não descartava a preocupação de Dom Romeu Alberti para com as Vocações Sacerdotais. Muito pelo contrário. Sempre zelou de modo ímpar sobre a Liturgia, tanto que foi o Presidente da Comissão para a Liturgia no CELAM (Conselho Episcopal Latino Americano), que traduziu o Missal Romano para a língua espanhola, do qual Missal fui agraciado com um exemplar, enquanto estudava em Bogotá na Colômbia, onde Dom Romeu era muito respeitado e ainda mais amado.

Nas visitas pastorais, Dom Romeu percebia que o povo não fazia ideia do que significava uma Diocese. Ele costumava chama-la de “Família Diocesana”! Numa dessas visitas, depois de celebrar e jantar na casa de uma família da Comunidade (sem padre), o senhor da família insistia que Dom Romeu pernoitasse com eles, porque já era tarde e a estrada perigosa. Dom Romeu estava sozinho e ele mesmo dirigia seu automóvel. Dom Romeu dizia que precisava voltar à cidade porque a Diocese o aguardava. O pai de família com muita simplicidade disse: “Então senhor Bispo, da próxima vez que o senhor vier celebrar para nós, traga a Dona Diocese consigo, assim não viajará sozinho”!

Em outra visita a uma Comunidade também vacante de pároco, Dom Romeu aceitou pernoitar na casa de uma família. Casa muito simples de madeira e o banheiro ficava atrás da casa no quintal sobre uma fossa, em forma de uma casinha, até meio parecida com um confessionário. Ao se aproximar do banheiro, o jovem Bispo encontrou um corredor iluminado por seis castiçais, três de cada lado da casinha. Ao contar sobre o episódio, ria muito e dizia, que se apaixonava cada dia mais pelo povo tão puro e simples que Deus lhe confiara, a fim de buscar sua própria santidade a partir da humildade!

Numa das primeiras procissões de Corpus Christi, que sairia de uma Paróquia em direção à Catedral de Apucarana, Dom Romeu perguntou onde estava a Custódia. Referia-se ao Ostensório para levar o Santíssimo Sacramento em procissão. O motorista não teve dúvidas. Entrou no carro e foi em direção à Catedral buscar a Irmã Custódia, que ensaiava o povo na porta da Catedral dizendo: “Dom Romeu está lhe chamando. Disse que sem a senhora ele não sairia em procissão. Falou que precisa da Custódia”! Nem me perguntem o que disse Dom Romeu, ao ver a Irma Custódia ao invés do Ostensório, na já atrasada saída da procissão de Corpus Christi daquele ano!

Tantas outras histórias recheadas de pureza, santidade e beleza espiritual poderiam ser descritas, mas penso que já prestamos nossa homenagem ao Bispo, que ao longo dos 17 anos de pastoreio, tornou Apucarana, a Diocese do Diaconado Permanente do Brasil.

Pe. Gilberto Kasper
Teólogo

https://www.facebook.com/gilberto.kasper.1

Veja também:

Padre Alexandre defende o mestrado no Pontifício Instituto Litúrgico Santo Anselmo

Com o tema: “Gustate et videte” Sl 34,9. O paladar como elemento litúrgico-sacramental no processo de iniciação à vida cristã. O caso do Batismo”, o padre Alexandre Canella Sanches, apresentou nesta quinta-feira, 20 de junho, a dissertação de mestrado e obteve a aprovação no Pontifício Instituto Litúrgico (PIL), Santo Anselmo, em Roma