A oração dos jovens

Neste mês em que realizamos aqui em nossa Arquidiocese a Jornada Arquidiocesana da Juventude (JAJ), queremos refletir sobre a oração dos jovens, prosseguindo em nossa preparação para a Jubileu 2025.

A juventude é um momento de transição importante. Como para outros aspectos da vida, também para o percurso de fé, num determinado momento chega-se a questionar práticas aprendidas na infância, em busca de uma forma mais pessoal e íntima de dirigir-se ao Senhor. Se é verdade que a relação entre os jovens e a oração pode parecer um tema delicado, não se pode deixar de reconhecer que, se acompanhados com cuidado e coragem, esses demonstram um interesse e envolvimento surpreendente.

Um caminho de oração com os jovens não pode deixar de tocar as suas questões sobre os afetos e as relações, os medos e os desejos. É precisamente o silêncio e a intimidade da oração que podem ser o lugar para contar ao Senhor o emaranhado do próprio coração e receber d’Ele palavras de vida: “se entrares na sua intimidade e começares a conversar com Cristo vivo sobre as coisas concretas da tua vida, esta será a grande experiência, será a experiência fundamental que sustentará a tua vida cristã» (Ex. Ap. Christus Vivit (CV), de 25 de março de 2019, n. 129).

Finalmente, é inevitável que um caminho de oração com os jovens tenha um claro cunho vocacional. O tempo da juventude é por excelência o tempo em que se olha e se constrói o próprio futuro, também ao serviço dos outros. Ajudar os jovens a rezar significa ajudá-los a sonhar e a buscar o próprio futuro com o Senhor, percebendo-O como um companheiro confiável. Na oração, os jovens podem aprender a levantar o olhar e contar as estrelas, como Abraão; podem deixar-se fascinar por uma sarça que não se consome, como Moisés; podem escutar com o coração no meio da noite, como Samuel; podem abrir a porta ao Senhor que bate, como Maria. No decurso deste ano de oração, é importante que cada comunidade cristã possa despertar de novo este diálogo vocacional no coração dos mais jovens, regozijando-se com a passagem do Senhor que chama.

Eventos e encontros para envolver os jovens na oração. Para além de um aprofundamento da IV parte do Catecismo da Igreja Católica para uma catequese orgânica sobre o tema da oração cristã ou da redescoberta da oração de alguns personagens da Bíblia, pode-se aprofundar a Christus vivit do Papa Francisco. Em particular, os números 150-157; 250-252 e 287-290 apresentam a relação com o Senhor em termos de amizade e dirigem-se aos jovens em linguagem simples e imediata:

podem propor-se momentos de socialização, de encontro com os jovens para rezar juntos antes de se dedicarem às várias atividades do dia. Por exemplo, poder-se-ia marcar um encontro de manhã, antes de ir para a escola, para a leitura do Evangelho do dia ; do mesmo modo, seria desejável dedicar um breve momento semanal de adoração eucarística, durante a qual os jovens pudessem apresentar as suas intenções, confiando-as aos seus companheiros, para que as orações se reforcem e cada um possa fazer suas as intenções dos outros.

os jovens precisam ver e tocar, fazendo experiência em primeira pessoa. Neste ano, poder-se-ia, antes de mais, montar ou melhorar o lugar de oração, nas instalações da paróquia: um canto ou uma pequena capela mobilada de forma poder ser suficiente para tornar visível o convite à oração. Do mesmo modo, uma “tenda de oração” pode ser preparada, com instrumentos e subsídios apropriados, em praças, escolas ou outros lugares, por ocasião de missões ou iniciativas pastorais criadas ad hoc ou no âmbito de experiências formativas de verão. Considerando a atração que as experiências “fortes” têm para os jovens, em alguns momentos do ano, pode-se aproveitar o tempo da tarde ou da noite para oferecer espaços de silêncio, escuta, adoração.

as peregrinações a pé aos grandes santuários ou caminhadas nas montanhas ou na natureza também despertam grande interesse entre os jovens. A contemplação da criação e o ritmo do caminho abrem facilmente o coração à admiração, ao louvor e à ação de graças: também estas ocasiões representam uma oportunidade que pode ser explorada pastoralmente, por exemplo, praticando a “oração do coração” ou acompanhando o caminho com os Salmos de peregrinação.
Aproveitemos este Ano da Oração para ajudar nossos jovens a descobrirem a beleza do encontro com o Senhor, encontro que transforma a vida (cf. Ensina-nos a Rezar, p. 45-47)

 

Dom Moacir Silva
Arcebispo Metropolitano

Boletim Informativo Arquidiocesano Igreja-Hoje
Julho/2024

Veja também: