Abertura da Causa de Beatificação do Padre Gilberto Defina, sjs

Padre Gilberto Defina nasceu e exerceu parte de seu ministério presbiteral na Diocese de Ribeirão Preto. Na década de 1990 fundou a Fraternidade Jesus Salvador.

Em 05 de dezembro de 2004, Padre Gilberto, sjs faleceu em São Paulo, em odor de santidade e cheio de desejo do céu. Em 2019, quinze anos após seu falecimento, seus filhos e filhas da Fraternidade Jesus Salvador, certos da santidade de seu Pai Fundador, iniciaram a fase preliminar de seu processo de beatificação.

Vatican News

Em 2019, o bispo de Santo Amaro, Dom José Negri, PIME, autorizou a abertura da fase preliminar do processo. Em 28 de outubro de 2020 foi dado parecer positivo à abertura do Processo por parte da Presidência do Regional Sul 1 da CNBB e em 13 de janeiro do corrente, foi concedido o Nihil Obstat da Congregação da Causa dos Santos. O postulador da Causa é o Dr. Paolo Vilotta.

Assim, o Instituto Missionário Servos de Jesus Salvador, conhecidos como salvistas, prepara celebrações pela abertura do Processo de Beatificação e Canonização de seu fundador, o Servo de Deus Padre Gilberto Maria Defina.

Para às 15 horas do dia 22 de maio, está programada a celebração de uma Missa de Ação de Graças pelo Nihil Obstat e o anúncio oficial da bertura do Processo no Santuário Mãe de Deus (Av. Interlagos, 3823 – São Paulo), com transmissão pela Rede Vida. Preside a celebração Dom José Negri.

Já para o dia 30 de outubro de 2021 está prevista a celebração da Missa de Abertura do Processo de Beatificação e Canonização do Servo de Deus, com a instalação do Tribunal Diocesano e a transferência dos restos mortais para a Capela no Seminário Nossa Senhora de Pentecostes. A celebração a ser presidida por Dom José Negri também terá lugar no Santuário Mãe de Deus, às 15 horas, com transmissão pela Rede Vida.

Biografia do Servo de Deus

O Frater Pedro Josemaria dos Santos, sjs, preparou uma biografia do Servo de Deus:

O Servo de Deus Padre Gilberto Maria Defina, sjs nasceu em 02 de agosto de 1925 na cidade de Ribeirão Preto, filho dos imigrantes italianos Raffaele Defina e Maria Rosa Buonabotta. Criado num lar católico, o menino Gilberto cresceu na Paróquia Nossa Senhora do Rosário, administrada pelos Padres Claretianos. Na sua infância, ajudou muito os padres, principalmente servindo como coroinha, conforme ele diz em sua autobiografia: “a Igreja era minha vida”. Na sua infância, o padre teve um sonho com Jesus que marcou bastante sua consciência de criança e ficou guardado até sua velhice. No sonho, ele estava na Igreja Matriz e, em um canto onde ficava a imagem de Jesus crucificado, ele vê a cruz vazia e Jesus de joelhos, solitário e em silêncio. Jesus se volta para ele, o olha e sobe para a cruz. Ele nunca mais esqueceu a fisionomia de Jesus. Deste sonho podemos ver as marcas da sua futura espiritualidade: oração constante, silêncio, solidão, sofrimento e obediência.

Já órfão de pai e influenciado pela profunda espiritualidade dos Claretianos, ingressou em 1938 no Seminário Menor da Ordem. Lá passou cinco anos de profunda formação humana e religiosa, aprendeu a amar Jesus Sacramentado e a Santíssima Virgem Maria, à qual se consagrou como escravo em 08/12/1940. Nesse período teve uma experiência mística: enquanto rezava a oração do Angelus na capela, Nosso Senhor lhe deu a graça de ver sua alma manchada pelo pecado. Foi quando recordou todos os seus pecados e sentiu profundamente um terrível sentimento da morte causada por eles. Desse dia em diante, ele lutou mais intensamente e com o auxílio da Graça evitou durante toda sua vida cometer pecados mortais. Já na idade adulta, fez um voto pessoal a Deus, comprometendo-se a não mais pecar mortalmente, a evitar a todo custo os pecados veniais e até a sua morte foi fiel a este voto.

Em 1942, saiu dos Claretianos para ingressar no Seminário Diocesano, completando o ensino médio na cidade de Campinas e depois passou ao Seminário Maior na cidade de São Paulo. Na capital, aprofundou sua fé em Deus, seu amor à Igreja, sua profunda deferência e obediência aos superiores e sua caridade para com todos. Nesse tempo de estudos, distinguiu-se com o dom da sabedoria, sendo procurado pelos seminaristas para aconselhamento espiritual. Também nessa fase iniciou seu calvário, pois devido a uma enfermidade, ficou afastado por um ano do seminário. Ficando atrás de sua turma, perdeu a oportunidade de concluir seus estudos em Roma.

No dia 03 de dezembro de 1950, o jovem Gilberto, aos 25 anos, foi ordenado sacerdote na Catedral de São Sebastião em Ribeirão Preto. Foi nomeado vigário da Catedral, função essa que exerceu por 5 anos. Lá foi sempre um padre dedicado à formação catequética e espiritual do povo de Deus. Iniciou um dos seus grandes apostolados, a direção espiritual, exercendo com grande frutuosidade a direção das almas. Também ministrou com diligência o Sacramento da Confissão, mergulhando, já no início de sua vida sacerdotal, em um mar de pecados no confessionário da Catedral. Ali, a Misericórdia Divina transbordou de seu jovem coração de pastor.

Por sua maturidade e competência foi nomeado para várias funções de coordenação pastoral e de movimentos da Diocese. Foi nomeado diretor e redator chefe do Jornal da Diocese, o Diário de Notícias. Foi professor de português e latim no seminário diocesano. Coordenou e formou na Diocese os movimentos: Cruzada Eucarística, Entronização do Sagrado Coração de Jesus nos Lares, Adoração Noturna e Filhas de Maria. Em seus sermões e formações, sempre fez um apelo à conversão pessoal e à busca da santidade de vida, numa íntima relação amorosa com Deus.

Em 1955, foi nomeado pároco da Paróquia São Simão, na cidade de São Simão – SP, função que exerceu durante 11 anos. Na cidade continuou desempenhando seu apostolado de direção espiritual e confissão, e era procurado por muitas pessoas de outras cidades. Nesses anos de pároco trabalhou muito na evangelização de seus paroquianos e realizou um grande apostolado de misericórdia entre os mais carentes. Era conhecido como “o padre que criou a cesta básica”. Todas as pessoas que o procuravam encontravam a porta da casa paroquial aberta e o seu coração paternal também. Se não tinha meios de ajudar a pessoa na hora, fazia um bilhete e enviava a pessoa a uma família, que prontamente respondia ao apelo do padre.

Padre Gilberto, sjs foi um pastor zeloso e amoroso em prol de todos em sua terra de missão. O padre era um homem à frente de seu tempo, era inovador e incentivou os movimentos de espiritualidade e santidade. Enquanto pároco, as mulheres tiveram um papel importante junto a ele no pastoreio paroquial, sendo seu braço direito na evangelização. Nessa época teve contato com o Beato Padre Donizetti Tavares de Lima, grande homem de Deus e taumaturgo, que era pároco em Tambaú, cidade próxima de São Simão.

Em 1959, foi nomeado Cônego Catedrático na recém-elevada Arquidiocese de Ribeirão Preto, função de grande reconhecimento por parte do Arcebispo. O padre angariou fundos e coordenou a construção do novo Seminário da Arquidiocese na cidade de Brodowski – SP e também fundou, a pedido do Arcebispo, uma rádio para a Arquidiocese. Também ajudou a fundar dois colégios comerciais na cidade de Luiz Antônio e no Distrito de Bento Quirino, além de ter construído a Igreja Matriz de Santo Antônio, em Bento Quirino.

Como pároco, enfrentou algumas enfermidades que o fizeram sofrer. Entre elas, uma doença em suas mãos que o impediu de ser nomeado pároco da Catedral e o fez preferir ficar em São Simão, onde o povo já estava acostumado com esta enfermidade. Um fato extraordinário aconteceu nesse período. Uma jovem que tinha paralisia infantil e fazia direção espiritual com o padre recebeu sua oração durante uma missa e foi milagrosamente curada. O fato marcou a comunidade que há muito tempo conhecia a mulher e a sua enfermidade.

Relata sua autobiografia que muitas pessoas foram curadas através de suas orações e intercessão. Ele ressaltava que não tinha dom nenhum, somente a fé com a qual pedia as graças e o Senhor prodigiosamente o atendia. Em São Simão, o padre conheceu a jovem Maria Aparecida Longo, a Nena, que virou sua melhor amiga e sua filha espiritual. Ela era empregada doméstica de uma família próxima ao padre, e este, percebendo sua inteligência, a convidou para ajudar nos registros dos batismos e casamentos. Desse tempo em diante, o padre passou a ajudá-la e a incentivá-la a estudar. Graças à ajuda e ao apoio do padre, Nena tornou-se professora universitária. Seu amor e confiança nas pessoas, mesmo naquelas que pensavam não merecer, foi uma das marcas da vida do padre. A caridade ardente de seu coração o levava a acolhê-las e a promover o bem de todos que podia.

Em dezembro de 1966 foi nomeado Orientador Espiritual dos Seminaristas da Arquidiocese e da Província Eclesiástica no Seminário Central do Ipiranga na Cidade de São Paulo. Nesse período, o padre formou-se em Direito, fez licenciatura em Filosofia e em Letras (Português e Latim), foi professor em diversos colégios em São Paulo e lecionou em duas faculdades, nas disciplinas de Português e Introdução à Filosofia. Em 1971, junto com um grupo de sacerdotes formadores do Seminário do Ipiranga, fundou as Faculdades Associadas do Ipiranga, a atual UNIFAI. O padre tornou-se um dos diretores da faculdade e contribuiu muito para estabelecê-la no cenário do ensino superior. Como diretor, muitas vezes concedia bolsas de estudos a alunos carentes e até mesmo pagou para alguns o curso completo, sem que esses soubessem que ele era seu patrocinador.

As graves enfermidades foram sempre constantes em sua vida. Era nos momentos de sofrimento que a sua fé crescia e se fortalecia. Entre os anos 1970 e 1980, o padre teve câncer no sistema linfático e depois a terrível síndrome de Guillain-Barré, uma doença que paralisa os músculos, atacando a camada dos nervos que lhes transmitem as informações do cérebro. Com o diagnóstico dessa doença, tida como fatal, foi desenganado pelos médicos e enviado para casa. Entretanto, no dia de São João Maria Vianney, mesmo com muito sofrimento, celebrou a missa e foi agraciado com uma cura milagrosa: enviado para morrer em casa, em poucos dias retornou andando ao consultório. Durante muito tempo de sua vida o padre sofreu de depressão e até houve um período em que teve a síndrome do pânico, levando-o a tomar medicamentos. Precisando de cuidados especiais, saiu do Seminário de São Paulo, onde residia desde sua mudança para a cidade, e comprou um imóvel onde Nena e sua família vieram residir para cuidar dele nesse tempo de fragilidade.

Já na sua nova residência aconteceu um fenômeno extraordinário: na capela particular começou a brotar um óleo de oliva, puro e perfumado, das pedras, rosas e de uma imagem de Nossa Senhora das Dores que ficavam diante do sacrário. Vendo nisso um sinal de Deus, o padre passou a engarrafar o óleo e a distribuí-lo. Através dele, muitas pessoas foram milagrosamente curadas. A fama do óleo de Nossa Senhora se espalhou por várias regiões do Brasil. Servo obediente da Igreja, o padre logo procurou seu superior eclesial para apresentar o fenômeno e este, querendo evitar polêmica, pediu-lhe que parasse de recolher e distribuir o óleo. O padre, sem saber bem o que fazer, pois o óleo brotava espontaneamente, decidiu tirar os itens da capela e, da mesma forma misteriosa que o óleo surgiu, parou de brotar. A virtude da obediência à Igreja sempre foi uma marca no caráter do padre. Um evento mudou radicalmente a vida do Padre Gilberto, sjs.

Por volta da segunda metade da década de 1980, através de seu amigo de infância e de seminário, Dom Davi Picão, Bispo de Santos, tomou conhecimento do Movimento da Renovação Carismática Católica. Começou a estudar o tema e a se encantar com os prodígios de conversões e milagres que ocorriam nos Grupos de Oração. Após ler o livro “Jesus está Vivo”, do Padre Emiliano Tardif, conheceu o Grupo de Oração Renascer em Cristo, liderado pela religiosa Irmã Josefa Iranço, e começou a frequentá-lo. No dia 09 de dezembro de 1987, a Ir. Josefa e a Sra. Clotilde pediram para rezar por ele pelo batismo no Espírito Santo. Aceitando prontamente, neste dia o padre foi batizado no Espírito Santo, tornando-se, como ele dizia, “um carismático”. Desse dia em diante, sua vida espiritual e sacerdotal foi renovada por esta nova unção. Sendo um conceituado padre da Arquidiocese de São Paulo, batizado no Espírito Santo, logo chamou a atenção dos Grupos de Oração, que começaram a procurá-lo pedindo ajuda. Então, ele começou a participar do Grupo de Oração Associação Maria Mãe da Igreja – AMMI, que acontecia na Capela do Pátio do Colégio dos Jesuítas. Neste grupo, o padre confessava, fazia orações e pregava nos encontros. Com o passar do tempo, aumentando o número de participantes, a capela ficou pequena. O padre e alguns leigos foram até o cardeal de São Paulo, Dom Paulo Evaristo Arns, e pediram para usar a Catedral da Sé e ele lhes deu autorização. Desse tempo há relatos de muitas curas milagrosas alcançadas pela intercessão e imposição das mãos do Padre Gilberto, sjs e também de muitas libertações espirituais do maligno.

Em 18 de setembro de 1993, ele foi a Roma participar de um encontro carismático com São João Paulo II, a VII Conferência Internacional de Líderes Carismáticos Católicos em Castel Gandolfo. O padre foi um conceituado e procurado diretor espiritual que tinha a agenda lotada de atendimentos, de modo que muitas pessoas esperavam meses para conseguir um horário com ele. Ele possuía o dom da ciência, que o permitia muitas vezes enxergar a alma das pessoas com suas necessidades, pecados e feridas. Exerceu seu pastoreio sempre com muita misericórdia. Era um homem de escuta e de docilidade que atraía até as ovelhas mais desgarradas e feridas que não encontravam acolhida em lugar algum. Muitas pessoas encontraram no coração do padre o amor de Deus que redime e transforma. Uma dessas pessoas veio para ficar: o Sr. Gilberto Dealis, o Xará. Vindo de um lar desfeito, encontrou no padre um pastor, conselheiro, amigo e pai. Xará e Nena foram os filhos espirituais mais próximos do padre. Foi ele quem cuidou do Padre Gilberto, sjs até sua morte. Sua casa no Ipiranga era um ponto onde os desesperados e excluídos da sociedade buscavam consolo e ajuda.

O padre, como sempre, foi um homem acolhedor e caridoso, atendia a todos e lhes dava atenção, ouvia suas dores e fornecia ajuda afetiva, espiritual e financeira. Muitos moradores de rua iam até sua casa para banho e alimentação. O padre nunca excluiu ou julgou ninguém, pois ele acreditava que todos eram merecedores de confiança e de amor. Vários seminaristas, que tiveram a experiência da Renovação Carismática e estudavam na FAI, na PUC e em outras faculdades, acabaram procurando-o para aconselhamento, entre eles o Servo de Deus, Padre Léo. Padre Gilberto, sjs era o consolo desses jovens que eram perseguidos e incompreendidos pelos seus superiores, pois esses não conheciam e proibiam a experiência carismática dentro dos seminários. Deus, através desses jovens e da Sra. Maria Gabriela, foi confirmando no coração do padre a Sua vontade de estabelecer na Igreja uma Congregação Religiosa, especialmente voltada para os membros da Renovação Carismática.

De 1992 a 1993, o padre, com 68 anos de idade, já em sua velhice, decidiu fundar o primeiro Seminário Carismático do mundo. Uma ousadia enorme para o contexto da época. Em primeiro lugar, ele reuniu um grupo de leigos para ajudá-lo, encabeçado pelo Xará, pela Nena e por outros membros da RCC que lhe eram próximos. Em busca de um local para a fundação, foi ao encontro de Dom Frei Fernando Antônio Figueiredo, OFM, Bispo da Diocese de Santo Amaro, que prontamente o apoiou e lhe deu permissão para fundar a Fraternidade Jesus Salvador, os Salvistas, em sua Diocese. Esta Fraternidade seria composta por padres, religiosos, religiosas e leigos, provenientes da Renovação Carismática Católica. Desde o começo, dezenas de jovens, homens e mulheres, buscaram a Fraternidade para aumentarem as fileiras dos filhos do Padre Gilberto, sjs.

No dia 17 de setembro de 1994, o padre professou os votos perpétuos e fundou o Seminário e o Convento Nossa Senhora de Pentecostes, dos Institutos Missionários Servos e Servas de Jesus Salvador, que hoje contam com suas Constituições aprovadas pela Santa Sé em Roma. Enquanto recebia o apoio de alguns, também houve muita perseguição, humilhações e sofrimentos. E o padre, certo da vontade de Deus, levou adiante o projeto. Nessa época da fundação, Jesus apareceu em sonho ao padre e, tocando em seu coração, disse: “Gilberto, tenha paciência! Gilberto, tenha paciência! Gilberto, tenha paciência!”. Essa experiência ficou gravada em seu coração e logo o padre obedeceu ao Senhor. Entre os anos de 1993 e 1994 teve a inspiração de promover a devoção a Virgem Maria com o título de Nossa Senhora de Pentecostes, título que até o momento não havia sido utilizado na Igreja, se tornando a Padroeira da Fraternidade e espalhando sua devoção pela Igreja no Brasil e no mundo.

Padre Mário Ugo Scacheri, PIME foi um grande amigo que o padre conheceu, quando, em 1994, buscava por um sacerdote para residir com os futuros seminaristas, visto que ele, como diretor da FAI, e tendo seus rendimentos fundamentais para manutenção do futuro seminário, não poderia morar longe do trabalho. Após um momento de oração pedindo ao Senhor um padre santo, que fosse de oração e fidelidade à Igreja, ao chegar numa Casa de Retiros da Diocese Página 5 de 5 de Santo Amaro, Padre Gilberto, sjs se deparou com um sacerdote de batina preta e barba branca rezando a liturgia das horas. Na mesma hora, o padre sentiu o mover do Espírito Santo: era quem ele procurava! Ao se apresentar ao padre Mário Ugo, contou sua história, suas necessidades e como Deus age através da fé de seus santos. Padre Mário prontamente aceitou o convite e em setembro se mudou para as instalações do seminário, tornando-se seu Diretor Espiritual até seu falecimento, em odor de santidade, em 2010.

A Fraternidade foi muito perseguida e logo muitos quiseram seu fechamento; o padre, sempre humilde e obediente a Deus, suportou tudo. À angústia da perseguição, foram somadas doenças, como o câncer no fígado, osteoporose, diabetes e muitas dores que o levaram a passar seus últimos anos de vida sofrendo muito. Além disso, em 12 de janeiro de 2001, faleceu Nena, sua filha espiritual e amiga de décadas, um momento de muito sofrimento para o padre, que teve a dor de um pai ao enterrar sua filha. Após este episódio, o Xará passou a residir com o padre e, junto com a enfermeira, testemunhou a sua santidade. Ele foi o amigo que ajudou Padre Gilberto, sjs a carregar a cruz no estágio final de sua vida. Sempre ao lado dele, desde antes da fundação, e depois como um Oblato (leigo consagrado), Xará foi muito importante para a vida do padre e seu companheiro fiel até o fim. Xará residiu até 2015 na Casa Generalícia do Instituto, ano do seu falecimento.

No ano de 2002, diante de suas limitações físicas, o padre renunciou ao cargo de Superior Geral de seus Institutos e convocou o primeiro Capítulo Geral para eleger os novos Priores Gerais e para aprovar a última Constituição dirigida por ele.

Seus anos finais de vida foram um tempo de muito sofrimento, pois as suas enfermidades devastavam seu corpo. Foram anos de dor e amor e tudo ele oferecia pelo bem de seus filhos e filhas, nunca murmurando ou reclamando. A enfermeira que cuidou dele testemunha o profundo amor que emanava da alma do padre: “Eu vim para cuidar dele e foi ele quem cuidou de mim”. Até na cama hospitalar o padre continuou a ser o pastor de almas que Deus o chamou a ser, todas as pessoas que se aproximavam dele foram tocadas pela sua grandeza de alma. Em seus últimos dias, que passou ‘crucificado’ numa cadeira de rodas e depois no leito do hospital, o padre, como Jesus em Sua Paixão, sofreu tudo por amor. Sua alma cheia da pureza e da graça divina encontrou a morte de seu corpo mortal como Jesus: ele morreu asfixiado com a águas que enchiam seus pulmões.

Em 05 de dezembro de 2004, Padre Gilberto, sjs faleceu em São Paulo, em odor de santidade e cheio de desejo do céu. Em 2019, quinze anos após seu falecimento, seus filhos e filhas da Fraternidade Jesus Salvador, certos da santidade de seu Pai Fundador, iniciaram a fase preliminar de seu processo de beatificação com autorização de Dom José Negri, PIME, bispo da Diocese de Santo Amaro. Em 2021, a Congregação para a Causa dos Santos concedeu o nihil obstat, documento que permite a abertura do processo diocesano de beatificação e canonização do Servo de Deus Padre Gilberto Maria Defina, sjs, que, com a graça de Deus, no fim de todo o processo será reconhecido pela Santa Igreja Católica como Santo. Escrito por Frater Pedro Josemaria dos Santos, sjs

Maiores informações sobre o Instituto podem ser obtidas no site: www.salvistas.com.br

Fonte: https://www.vaticannews.va/pt/igreja/news/2021-04/padre-gilberto-defina-fundador-salvistas-causa-beatificacao.html

Veja também:

V Romaria Arquidiocesana ao Santuário Nacional de Aparecida

A Arquidiocese de Ribeirão Preto realiza a V Romaria Arquidiocesana ao Santuário Nacional de Aparecida, no dia 25 de setembro (sábado). A missa no altar central do Santuário será presidida pelo Arcebispo Dom Moacir Silva, às 9h (da manhã).