Arquidiocese de Ribeirão Preto abre oficialmente a Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021

A Arquidiocese de Ribeirão Preto em comunhão com a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic) abriu oficialmente, na Quarta-feira de Cinzas, 17 de fevereiro, a quinta edição da Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE). Neste ano, o tema da Campanha da Fraternidade Ecumênica é “Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor” e o lema “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade”, extraído da carta de São Paulo aos Efésios, capítulo 2, versículo 14. A abertura ocorreu de um modo diferente neste ano, como forma de prevenção da Covid-19, a tradicional Coletiva de Imprensa foi substituída por uma live transmitida pela Rede de Transmissão Arquidiocesana e veiculada no canal do Youtube da Arquidiocese, e também pela Rádio Digital Dominus RP, com as presenças do arcebispo metropolitano de Ribeirão Preto, Dom Moacir Silva; o coordenador da Equipe de Campanhas, padre André Luiz Massaro, e o integrante da Equipe de Campanhas, Diácono Francisco Alves Ferreira Neto, e o coordenador arquidiocesano de pastoral, padre Luís Gustavo Tenan Benzi, reunidos no Centro Arquidiocesano de Pastoral. O padre André abriu os trabalhos da apresentação saudando a todos que acompanhavam a transmissão, e convidou o padre Gustavo a presidir a oração inicial com a leitura da Palavra de Deus tirada da Carta aos Efésios (capítulo 2, versículos: 13-18, que ilumina o lema da campanha.

Palavra do Arcebispo

O arcebispo Dom Moacir Silva iniciou sua exposição destacando a iniciativa da realização ecumênica da Campanha da Fraternidade, que a cada cinco anos, desde 2000, tem sido feita de modo ecumênica e tem como órgão responsável pela coordenação o Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic). Dom Moacir sinalizou a relevância do tema da campanha e reforçou a necessidade do diálogo e da unidade. “Neste ano estamos abrindo a quinta Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) com o tema: ‘Fraternidade e Diálogo: compromisso de amor’. Vivemos em um mundo um tanto dividido, um mundo marcado por muitas polarizações, mais do que nunca é necessário nos abrirmos de fato para o diálogo, e a campanha vem dizer que o ‘diálogo é um compromisso de amor’. Somente vivendo este compromisso de amor saberemos dialogar e vamos construir fraternidade. O lema da campanha ‘Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade’ (Ef 2, 14). Cristo com a sua morte e ressurreição destruiu o muro da separação que havia entre judeus e não judeus. Cristo é a nossa paz e continua unindo o que está dividido. Ele deixou para nós no Evangelho de São João expresso o seu desejo: ‘Para que todos sejam um, assim como tu, Pai, estás em mim e eu em ti’. A Campanha da Fraternidade Ecumênica representa uma das experiências mais valiosas de missão evangelizadora em nosso país”, expressou o arcebispo.

Na sequência o arcebispo fez uma breve apresentação do conteúdo do Texto-Base (TB) da Campanha da Fraternidade Ecumênica (CFE) e situou-o no contexto do período quaresmal. O esquema do TB inspira-se no relato sobre os discípulos de Emaús e segue o método ver, julgar e agir. O Texto-Base é a grande orientação da Campanha e o foco precisa estar sempre no tema e no lema para não se perder em detalhes. “O Texto-Base da CFE 2021 nos convida a pensar na conversão ao diálogo e ao compromisso de amor. A Campanha da Fraternidade acontece no período quaresmal e é o tempo que nos convida a conversão, o tempo que nos convida a uma escuta mais prolongada da Palavra de Deus. Um tempo que nos convida a nos deixarmos tocar pela Palavra de Deus. Deixar a Palavra de Deus nos ferir no mais profundo do nosso ser gerando assim em nós conversão. A Campanha da Fraternidade se insere todos os anos nessa busca de conversão. Ela é um instrumento para avançarmos no caminho da conversão no tempo quaresmal”, revelou Dom Moacir.

Dom Moacir ainda enfatizou uma questão trazida pela campanha: como nos envolvemos com as transformações sociais e contemplou a questão ao relacionar a relação entre a fé e a caridade. “Portanto a nossa fé cristã tem uma dimensão social, tem uma incidência na realidade do dia a dia. A conversão nos provoca a pensarmos e repensarmos cotidianamente nossa forma de estar no mundo. Ela nos pergunta sobre como nos envolvemos com as transformações sociais, econômicas, espirituais, ecológicas, individuais e coletivas, a fim de que sejamos, cada vez mais coerentes com os ensinamentos de Jesus nos Evangelhos”, respondeu o arcebispo.

O arcebispo também fez referência ao gesto concreto da campanha que acontece no Domingo de Ramos, 28 de março, ou seja, a Coleta da Solidariedade, e motivou os fiéis a colaborarem com a coleta e fez esclarecimentos a respeito da importância deste gesto concreto quaresmal. “A Campanha da Fraternidade expressa-se concretamente pela oferta de doações em dinheiro na Coleta da Solidariedade, realizada no Domingo de Ramos. É um gesto concreto de fraternidade, partilha e solidariedade, realizado em âmbito nacional, em todas as comunidades cristãs, paróquias e dioceses. A Coleta da Solidariedade é parte integrante da Campanha da Fraternidade. Eu sei que tem muita gente por esse Brasil afora dizendo que não é para ajudar a Campanha da Fraternidade. Você cristão católico que ama a Igreja, que leva a sério a sua vida de fé e tem consciência daquilo que acontece na Igreja do Brasil por causa da sua colaboração da coleta da Campanha da Fraternidade não deixe de fazer a sua oferta. É o sinal concreto do seu esforço de conversão ao longo de sua quaresma. É bom sempre ter presente que a coleta feita em cada diocese, 40% vai para o Fundo Nacional de Solidariedade (FNS) que ajuda muitos projetos sociais em todo território nacional. Ouça o seu coração e faça o seu gesto concreto da CFE. Aqui na nossa Arquidiocese, o 60% da coleta que fica na arquidiocese tem a mesma finalidade do Fundo Nacional: apoiar projetos sociais que acontecem em diversas comunidades paroquiais. Uma das ajudas da coleta é destinar 10% ao Fraterno Auxílio Cristão (FAC) que tem um enorme serviço em benefícios das pessoas mais necessitadas, de modo especial as crianças atendias no Núcleo Dom Bosco”, esclareceu Dom Moacir.

E, ao concluir a exposição, o arcebispo disse: “Desejo que a realização da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 seja uma contribuição para nossa vivência quaresmal e que nos ajude a avançar na conversão pessoal e comunitária”, finalizou Dom Moacir.

CFE 2021 na Arquidiocese

O padre André Luiz Massaro, coordenador da Equipe de Campanhas, apresentou algumas orientações e iniciativas que poderão ser feitas pelas comunidades paroquiais. “Nós da Equipe de Campanhas convidamos as nossas paróquias para que mais uma vez se empenhem verdadeiramente na animação da Campanha da Fraternidade que, como nos lembrou nosso pastor, é a maior campanha de evangelização da Igreja no Brasil. E tudo parte de um gesto concreto, este ano nós vamos evangelizar partindo de um diálogo amoroso, sereno, de respeito, de paciência, e é uma oportunidade de darmos o nosso testemunho de unidade nessa diversidade tão grande que nós vivemos. Por isso nós convidamos nossos irmãos padres, diáconos, seminaristas, religiosos e religiosas, todos os leigos, para que busquem meios para divulgar e animar a Campanha da Fraternidade Ecumênica”, motivou padre André.

Padre André reforçou a importância da animação da campanha nas comunidades paroquiais, o acompanhamento dos conteúdos produzidos pela CNBB, que disponibiliza um website específico para acesso aos materiais da campanha, a divulgação nas escolas e outras instituições abertas a reflexão do tema deste ano. A Equipe de Campanhas irá realizar a “Noite de Formação da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021”, no dia 24 de fevereiro, às 19h30, com transmissão pelo canal do Youtube da Arquidiocese de Ribeirão Preto.

O Diácono Francisco Alves Ferreira Neto, integrante da Equipe de Campanhas e referencial do Pilar da Caridade, em sua exposição relatou o resultado de um projeto contemplado em 2017 com recursos do Fundo Nacional Solidariedade, e aplicado nos trabalhos missionários da Comunidade Missionária Divina Misericórdia (CMDM), e que possibilitou a aquisição de 50 camas e colchões para acolhimento de pessoas em situação de rua atendidos pela comunidade. Na continuidade, Diácono Francisco, coordenou a apresentação de dois vídeos curtos sobre temas alinhados a documentos referentes ao ecumenismo: o primeiro tratou do lançamento do “Vade Mecum Ecumênico”, intitulado: “O Bispo e a Unidade dos Cristãos”, publicado pelo Vaticano, em dezembro de 2020; e o segundo, um dos vídeos das intenções mensais de oração do Papa, da série “O Vídeo do Papa”, intitulado “Diálogo Inter-religioso”, janeiro de 2016, produzido pela Rede Mundial de Oração do Papa.

Coleta da CFE-2021

O coordenador arquidiocesano de pastoral, padre Luís Gustavo, apresentou três importantes orientações práticas sobre a Coleta da Solidariedade: 1) A Coleta acontece nas comunidades no dia 28 de março (Domingo de Ramos); 2) Em função da pandemia não teremos os envelopes da campanha; e 3) Uma outra modalidade de fazer a Coleta da Solidariedade é realizar diretamente no site criado pela CNBB: http://doe.cnbb.org.br/

Saiba mais: https://campanhas.cnbb.org.br/campanha/campanha-da-fraternidade-2021

Veja também:

Escala Diaconal para celebração das exéquias nos cemitérios de Ribeirão Preto

O Associação dos Diáconos da Arquidiocese de Ribeirão Preto (ADPARP) divulga a Escala de Exéquias (Celebração Exequial nos Velórios) para o mês de março de 2021 (final de semana) para atendimento nos velórios de Ribeirão Preto. Informamos que esta escala é encaminhada aos velórios da cidade de Ribeirão Preto para que possam fazer o contato com os diáconos.