Arquidiocese realiza reunião geral do clero virtual

O ano de 2020 tem sido marcado pelo fator da adaptação e reinvenção diante das medidas sanitárias de prevenção ao novo coronavírus (Covid-19). Um fato inovador na história da arquidiocese foi a realização, pela primeira vez, da “Reunião Geral do Clero On-line” por videoconferência na plataforma Youtube com a transmissão feita pela Rede de Transmissão Arquidiocesana. No dia 24 de novembro, às 9 horas, o arcebispo Dom Moacir Silva, presidiu a última Reunião Geral do Clero do ano de 2020, juntamente com o Coordenador Arquidiocesano de Pastoral, padre Luís Gustavo Tenan Benzi; e o Representante dos Presbíteros, padre Ivonei Adriani Burtia; presentes no Centro de Arquidiocesano de Pastoral, em Ribeirão Preto. A transmissão ao vivo da reunião no canal da arquidiocese no Youtube recebeu em média o acompanhamento de 125 pessoas, entre padres e diáconos; e até o dia 30 de novembro contou com 350 visualizações.

Abertura: A reunião começou com a acolhida e saudação de Dom Moacir: “Queridos padres e diáconos sejam bem-vindos para a nossa reunião do clero, mesmo a distância, o importante é que estejamos nos encontrando para este momento de reflexão, momento de partilha do que nós vivemos, momento de crescimento na nossa vida e missão”. Na sequência o padre Gustavo fez uma breve apresentação dos temas da pauta da reunião, e convidou o padre Alessandro Daniel Tenan, assessor Comissão de Liturgia da Arquidiocese de Ribeirão Preto (Clarp), para conduzir a oração inicial, que trouxe para meditação a reflexão do Evangelho de Lucas (Lc 21, 5-10). Após a oração os participantes assistiram ao vídeo da Recordação da Vida com a exibição de diversos momentos marcantes vividos na caminhada pastoral deste ano de 2020.

Pauta: No prosseguimento da reunião foram tratados os seguintes temas:

1. Palavra do Arcebispo: No início de sua fala o arcebispo Dom Moacir comentou a respeito da preocupação com o cenário atual da pandemia e da necessidade de estarmos atentos diante de uma possível ‘segunda onda’ do vírus. Na sequência o arcebispo conduziu a reflexão a partir da mensagem do Papa Francisco dirigida aos participantes do “Seminário Virtual ‘América Latina: Igreja, Papa Francisco e cenários da pandemia’”, realizado no último dia 19 de novembro. Dom Moacir apontou diversos aspectos da mensagem e fez uma leitura comentada do texto: “A pandemia de Covid amplificou e destacou os problemas socioeconômicos e as injustiças que já afetavam seriamente toda a América Latina e os mais pobres. Diante das desigualdades e da discriminação, que aumentam o fosso social, existem também as difíceis condições em que se encontram os enfermos e muitas famílias que passam por momentos de incerteza e sofrem situações de injustiça social. E isso fica evidenciado ao verificar que nem todos possuem os recursos necessários para realizar as medidas mínimas de proteção contra a Covid-19: um teto seguro onde possam cumprir o distanciamento social, água, recursos de saúde para higienizar e desinfetar os ambientes, trabalho estável que garante acesso a benefícios, para citar os mais essenciais. Acredito que temos que registrar muito isso. Está sendo concreto. Não apenas como medida de proteção – como acabei de mencionar – mas como eventos que devem nos alarmar. Todo mundo tem um teto seguro? Todos têm acesso à água? Você tem recursos para higienizar e desinfetar os ambientes? Eles têm um emprego estável? A pandemia tornou nossas vulnerabilidades pré-existentes ainda mais visíveis”, registra o Papa Francisco na abertura do texto da mensagem.

Dom Moacir, após a leitura do trecho da mensagem, fez um questionamento: “Aqui vale a pena a gente pensar, por exemplo, nas pessoas em situação de rua, que não tem nenhuma dessas condições que o momento exige, isso nos faz pensar seriamente”, questionou.

Segundo o arcebispo, a mensagem do Papa nos adverte para a responsabilidade, a transparência e a honestidade. O Papa chama a nossa atenção aqui na América Latina para uma interpretação dessa situação a partir das periferias humanas. “O que isso diz para nós enquanto Arquidiocese, enquanto paróquias, nossas comunidades, o que isso está nos pedindo neste momento? É uma questão que precisamos ter presente”, enfatizou Dom Moacir.

O arcebispo continuou a reflexão citando outro trecho da mensagem do papa e os indicou como critérios para pensarmos um caminho para a ação pastoral e evangelizadora: “Estamos cientes de que continuaremos experimentando os efeitos devastadores da pandemia por muito tempo, especialmente em nossas economias, que requerem atenção solidária e propostas criativas para aliviar o peso da crise. No Reino de Deus, que já começa neste mundo, o pão chega a todos e há fartura, a organização social se baseia na contribuição, na partilha e na distribuição, não na posse, exclusão e acumulação. Esses dois triplos, acho que têm que definir um pouco o ritmo do nosso pensamento. No Reino de Deus, o pão chega a todos e é farto; e a organização social se baseia em contribuir, compartilhar e distribuir, não possuir, excluir e acumular. Por isso, todos somos chamados, individual e coletivamente, a realizar nosso trabalho ou missão com responsabilidade, transparência e honestidade”.

Dom Moacir recordou a importância de darmos seguimento no primeiro semestre de 2021 aos trabalhos da 6ª Semana Social Brasileira, e lembrou a Semana Social Arquidiocesana realizada nos dias 15 a 19 de novembro, e que abordou os temas propostos pelo Papa Francisco expresso nos três “T’s”: terra, teto e trabalho, como reforça este trecho da mensagem: “A pandemia revelou o melhor e o pior de nossos povos e o melhor e o pior de cada pessoa. Agora, mais do que nunca, é necessário recuperar a consciência de nossa pertença comum. O vírus nos lembra que a melhor maneira de cuidar de nós mesmos é aprendendo a cuidar e proteger aqueles que estão perto de nós: consciência da vizinhança, consciência da aldeia, consciência regional, consciência comum do lar. Sabemos que junto com a pandemia de Covid-19, existem outros males sociais – a falta de um telhado, a falta de terra e a falta de trabalho, os famosos três ‘T’s’ – que marcam o nível e estes exigem uma resposta generosa e atenção imediata”.

Ao concluir a reflexão o arcebispo disse: “Que fique esta palavra do Santo Padre neste final de ano, nesta nossa última reunião geral do Clero, mesmo à distância, para orientar os nossos passos daqui para frente ainda dentro desta crise, como diz o Papa, não vai terminar tão já, e precisamos ter consciência de avançar buscando juntos a resposta para a vida do nosso povo, a resposta para a evangelização do nosso povo. Que essa reflexão nos ajude neste final de ano, no começo do ano que vem, em todas as nossas preocupações em termos de planejamento, reflexão e de atuação nas nossas comunidades paroquiais”, concluiu Dom Moacir.

2. Pastoral Presbiteral: O Representante dos Presbíteros, Padre Ivonei Adriani Burtia, fez uma breve reflexão a partir do texto-base do 18º Encontro Nacional de Presbíteros (ENP): “Presbíteros: comunhão e missão”, adiado para os dias 25 a 30 de abril de 2021. Padre Ivonei enfatizou a preocupação com a fraternidade presbiteral neste tempo de pandemia, seja a vivência presbiteral nas foranias, ou por tempos de ordenação, os chamados de grupos de vida; e também lembrou dos padres eméritos que residem na Casa Presbiteral. Na continuidade, Padre Ivonei, apresentou o calendário da Pastoral Presbiteral para o ano de 2021 com as datas referentes as seguintes atividades: Encontros com o Arcebispo por tempo de ordenação; a Missa Crismal (01/04); a Jornada de Oração pela Santificação dos Sacerdotes (11/06); Confraternização pelo Dia do Padre (04/08); Páscoa dos Padres (09/04); Retiro Presbiteral (19 a 23/07); Formação Permanente Presbiteral (10 e 11/08). Haverá, ainda neste ano, no dia 10 de dezembro, às 15 horas, o Dia de Espiritualidade com o tema do Advento, com assessoria do Padre Márcio Luiz de Sousa, transmitido no canal do Youtube da arquidiocese.

3. Palavra da Coordenação Arquidiocesana de Pastoral: O padre Luís Gustavo, coordenador arquidiocesano de pastoral, iniciou a reflexão falando da importância de manifestarmos o sentimento de gratidão a Deus, mesmo diante de todas as dificuldades vividas neste ano, e citou como exemplo a força dos jovens nas equipes da Pastoral da Comunicação, ou em outros serviços paroquiais, que puderam auxiliar na evangelização diante da impossibilidade dos encontros presenciais, e contribuíram para as transmissões das missas ou outros momentos de oração. Outro exemplo citado pelo Padre Gustavo foi referente a manutenção paroquial, diante do distanciamento social, as comunidades criaram diversas iniciativas aliada a generosa colaboração dos fiéis. “Então é momento de gratidão a Deus por tudo aquilo que Ele nos permitiu realizar neste ano de 2020”, expressou o coordenador de pastoral.
Padre Gustavo salientou a preocupação a respeito de como vamos dar continuidade aos trabalhos pastorais, pois a pandemia não terminou, e precisamos enfrentar os desafios para levar adiante a caminhada pastoral. O coordenador de pastoral buscou algumas pistas para iluminar este momento a partir de reflexões do cardeal José Tolentino de Mendonça: “é um tempo para dar passos novos, para ensaiar novos caminhos, para sair da caixa, para reinventar o formato, para descobrir novas linguagens. É um tempo para sentir coisas que, possivelmente, até aqui não sentimos” (Espiritualidade cristã em tempo de isolamento – www.snpcultura.org). E, também, indicou como fonte de inspiração a homilia de Dom Moacir Silva na Missa Crismal, em 24 de setembro. “Espero que estas duas reflexões nos ajudem a pensar na construção de uma Igreja de comunidades que sejam mais movidas pelo sopro e inspiração do Espírito Santo, silenciosa no sentido de saber escutar mais a Deus e de nos colocarmos à disposição de todos aqueles que estão ao nosso redor de acordo com as suas necessidades”, concluiu padre Gustavo.

4. Comunicados Pastorais. O coordenador de pastoral, Padre Luís Gustavo, após a exposição apresentou os seguintes comunicados pastorais:

a) Agenda Arquidiocesana Pastoral 2021: Está em processo de construção a Agenda Pastoral Arquidiocesana 2021. As coordenações e assessorias arquidiocesanas das pastorais e movimentos estão elaborando os calendários a serem encaminhadas ao Centro Arquidiocesano de Pastoral até o dia 30 de novembro.

b) Mapeamento territorial das foranias e paróquias: Desde o final de 2019, no Conselho Presbiteral, foi iniciado uma reflexão a respeito da reorganização dos limites territoriais com o objetivo de favorecer e dinamizar a ação pastoral. Muitas das propostas de reorganização nasceram em reuniões nas foranias e foram trazidas para análise no Conselho Presbiteral.

c) Novena de Natal 2020: A Novena de Natal organizada pelo Seminário Maria Imaculada neste ano não contará com a edição impressa. O texto da novena será disponibilizado em arquivo no formato PDF no site da Arquidiocese. Os encontros também foram gravados pelos seminaristas e os vídeos estão disponíveis no canal do youtube da arquidiocese.

d) Catequese Litúrgica: A Comissão Arquidiocesana para Liturgia (Clarp) promove nos dias 25 e 26 de novembro, a Catequese Litúrgica, no primeiro dia, 25, a reflexão “Tempo do Advento”, e o segundo dia, 26, a reflexão “Tempo do Natal”, com transmissão ao vivo no canal do Youtube da arquidiocese.

e) Missa de Encerramento do Jubileu de Diamante do Seminário Maria Imaculada: No dia 08 de dezembro, às 10 horas, Solenidade da Imaculada Conceição, acontece a missa de encerramento do Jubileu de Diamante (75 anos do Seminário Maria Imaculada), em Brodowski, restrita a participação do Clero.

f) Dia Nacional da Juventude: No dia 21 de novembro foi realizado o Dia Nacional da Juventude (DNJ) com o tema: “Vamos rejuvenescer a nossa arquidiocese”. Dois pontos foram importantes e merecem destaque: 1º) o Dia Nacional da Juventude 2021 será realizado no dia 24 de outubro, na paróquia Nossa Senhora das Dores, em Serrana; e 2º) O lançamento da proposta “Fitinhas do DNJ” como preparação remota para o DNJ 2021. Os grupos de jovens farão um cadastro e solicitarão a quantidades de fitinhas para distribuir aos jovens como compromisso de usar até o próximo DNJ.

g) Semana Social Arquidiocesana: De 15 a 19 de novembro aconteceu a Semana Social Arquidiocesana em sintonia com a Jornada Mundial dos Pobres e a 6ª Semana Social Brasileira que propõe o tema: “Mutirão pela vida: por terra, teto e trabalho”. No primeiro semestre de 2021 a proposta é realizar o mutirão nas paróquias e foranias, e depois a edição arquidiocesana da 6ª Semana Social Brasileira, e consequentemente oferecer contribuições para o Regional Sul 1 e CNBB Nacional.

5. Economato: O padre Pedro Luís Schiavinato, Ecônomo da Arquidiocese, apresentou a prestação de contas referente ao período de fevereiro até outubro, e fez uma análise geral dos impactos da pandemia na situação econômica e administrativa da arquidiocese.

Encerramento

O arcebispo Dom Moacir Silva, antes da oração e bênção, comunicou aos padres e diáconos a relevância de um maior conhecimento e aprofundamento da Doutrina Social da Igreja (DSI), e informou que a Faculdade São João Paulo II (Fajopa), em Marília, oferecerá em 2021 duas modalidades de ensino a distância sobre a Doutrina Social da Igreja, a primeira, a Pós-Graduação Lato Sensu (Especialização), e a segunda, a Extensão Universitária, ambas coordenadas pelo Padre Antônio Aparecido Alves (Padre Toninho). Dom Moacir recomendou o curso aos padres e diáconos, e também a divulgação do mesmo. Informações no site: http://fajopa.com/

“Agradeço a todos pela participação, pelo acompanhamento, reflexões e perguntas, agradeço os padres Gustavo e Ivonei, pela coordenação desta reunião, e vamos agradecer a Deus a oportunidade deste encontro, os conteúdos que aqui foram transmitidos, que ajudam a viver melhor a nossa vida e cumprir melhor a nossa missão na Igreja de Nosso Senhor”, finalizou Dom Moacir.

Veja também:

Jornada Arquidiocesana da Juventude lança hino e clipe oficial

O Setor Juventude apresentou no domingo, 20 de junho, o Hino oficial da Jornada Arquidiocesana da Juventude (JAJ) 2021. Com o título: “A morte nunca triunfou” o hino tem letra e música dos seminaristas João Vítor e Leonardo Silva e expressa no refrão o tema da JAJ: “Levanta-te, jovem! Vem proclamar a Esperança que o mundo precisa. Levanta-te! Porque Cristo, o Senhor está vivo A morte nunca triunfou!”