Campanha da Fraternidade 2020

A Campanha da Fraternidade 2020 tem como tema: “Fraternidade e Vida: Dom e Compromisso” e como lema: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34). Esta postura do bom samaritano quer impulsionar todos e cada um de nós no caminho da conversão pessoal e comunitária.

A CF-2020 tem como objetivo geral: “Conscientizar, à luz da Palavra de Deus, para o sentido da vida como Dom e Compromisso, que se traduz em relação de mútuo cuidado entre as pessoas, na família, na comunidade, na sociedade e no planeta, nossa Casa Comum” (Texto-base [TB], 25).

Depois de uma boa introdução, inspirada no texto de Lc 10, 25-37, o bom samaritano, e no espírito do tempo quaresmal, o texto-base se estrutura em três partes.

Parte I: “VIU, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10, 33-34). Diante do convite para vivermos uma profunda conversão, temos duas maneiras de olhar que são apresentadas por Jesus na parábola do bom samaritano: um olhar que vê e passa em frente, vivido pelo sacerdote e pelo levita; e um olhar que vê e permanece, se envolve, se compromete, vivido pelo samaritano. Diante desses olhares, há uma vida em jogo, em perigo, necessitada e vulnerável. Para uma verdadeira mudança de vida, precisamos aprender a configurar nosso olhar com o de Jesus, com o olhar do Bom Samaritano (cf. TB, 26). O olhar de Jesus é sempre cheio de atenção para os outros.

Olhando a realidade que nos cerca, nos deparamos com um outro olhar, o olhar da indiferença que gera ameaças à vida, olhar que abandona a vida das pessoas. No Brasil, 22,6% das crianças e adolescentes com idade entre 0 e 14 anos vivem em situação de extrema pobreza (TB, 30). No Documento de Aparecida, os Bispos apontam para o surgimento de novos rostos de pobres cuja vida é desrespeitada e, constantemente, violada (DAp, 402). O desemprego é também agressão a vida humana. O alto número de suicídios. Os povos indígenas que sofrem sucessivas agressões em seus territórios, culturas e vidas. Em tudo isso, observa-se a forte banalização da vida.

Parte II: “Viu, SENTIU COMPAIXÃO, e cuidou dele” (Lc 10, 33-34). Na parábola do Bom Samaritano, o olhar que Jesus nos ensinou é o olhar daquele que se compromete com o outro. Um olhar interessado, não em si mesmo, mas no bem do próximo, seja ele quem for: simpático ou antipático, de qualquer etnia ou religião, amigo ou inimigo. O olhar da compaixão gera um ‘permanecer com’, uma presença que salvaguarda, cuida e transforma a vida de quem mais precisa (TB, 82). Esta parte desenvolve ricamente a questão da compaixão e sua relação com a justiça; reflete sobre a caridade como verdadeiro sentido da vida, sobre a relação da ternura e o cuidado; reflete também sobre a ecologia integral e chama a atenção para a questão do desafio do sentido: o que é a pessoa humana? Qual o sentido e finalidade da vida, especialmente a vida humana? De onde provêm os inúmeros sofrimentos? (TB, 155).

Parte III: “Viu, sentiu compaixão, e CUIDOU DELE” (Lc 10, 33-34). Assim, aprendemos com o Bom Samaritano: o meu próximo é aquele de quem eu me achego. É aquele a quem dedico cuidado. É aquele com quem tenho a alegria de compartilhar o caminho da vida. A vida é essencialmente samaritana (TB, 163). Esta parte nos convida ao compromisso com a vida; um compromisso pessoal, uma renovação familiar na comunidade eclesial missionária. Chama a atenção para um maior compromisso com a Jornada Mundial dos Pobres, no 33º domingo do Tempo Comum, com muitas indicações práticas.

Acompanha a três partes do Texto-Base reflexões e testemunhos de Santa Dulce dos Pobres. Dulce, presença inquestionável do amor de Deus pelos pobres e sofredores.

Desejo que as reflexões propostas pela CF-2020 e os apelos do tempo quaresmal ajude a cada um de nós a avançar no caminho da conversão para podermos cantar a vitória da vida no Cristo Ressuscitado.

Dom Moacir Silva
Arcebispo Metropolitano

Igreja-Hoje – Janeiro/Fevereiro 2020

Veja também:

Pastoral da Sobriedade realiza a Semana Nacional de Políticas Sobre Drogas

Começa no sábado, 19 de junho, e vai até a terça-feira, 29 de junho, a Semana Nacional de Políticas Sobre Drogas, com o tema “Para que todos tenham vida”. Organizada pela Pastoral da Sobriedade da Arquidiocese de Ribeirão Preto a semana contará com atividades celebrativas, palestras, roda de conversa, e por motivo da pandemia, toda programação será transmitida na página do Facebook da Arquidiocese de Ribeirão Preto

Reze o Rosário com os membros do Apostolado da Oração

Neste mês de junho, dedicado ao Sagrado Coração de Jesus, os membros do Apostolado da Oração da Arquidiocese de Ribeirão Preto (Rede Mundial de Oração do Papa), com a impossibilidade de se reunirem presencialmente devido a pandemia, buscaram se reinventar e gravaram a recitação do Rosário.

Formação para Catequistas – FORANIAS

A Equipe Arquidiocesana da Animação Bíblico-Catequética promove no dia 17 de junho (quinta-feira), às 20 horas, a formação para os Catequistas das paróquias das Foranias Santo Antônio, Bom Jesus da Lapa e Cristo Operário. O tema será “O mundo digital e Catequese à Luz do Espírito Santo” com base no Diretório para Catequese.