Celebrando 120 anos da Santo Antoninho

No dia 13 de junho de 2023, a Igreja Santo Antônio, Pão dos Pobres, carinhosamente conhecida como Igreja Santo Antoninho, celebrou 120 anos de fundação. A pedra fundamental, segundo informações da Cúria da Arquidiocese de São Paulo, foi implantada em 1892. O templo é o mais antigo, em pé, da cidade de Ribeirão Preto. Foi Capela da Vila Emília, depois da Família Proença da Fonseca e em 1989, através de testamento assinado pela então última herdeira viva, Hilma Proença da Fonseca Mamede, foi doada à Arquidiocese de Ribeirão Preto “para cultivar a fé católica da Família Proença da Fonseca”. Adjudicada do complexo do imóvel que compreendia a Academia Ribeirãopretana de Letras Jurídicas, incendiada no dia 7 de setembro de 2019 e demolido, o que sobrara da antiga residência da Família em 2021, bem como do Mosteirinho onde viveram os Padres Scalabrinianos e os Monges Beneditinos Olivetanos no início do século XX, a Arquidiocese de Ribeirão Preto obteve a escritura do imóvel, que em 2009 foi tombado provisoriamente pelo CONPPAC – Conselho de Preservação do Patrimônio Cultural de Ribeirão Preto.

Depois que os Monges Beneditinos Olivetanos passaram a residir em seu Mosteiro próprio, a Igreja Santo Antoninho passou a ser atendida por sacerdotes diocesanos (há 80 anos portanto), como Padre Euclides Gomes Carneiro, que celebrou a primeira Missa na Capelinha, de portas abertas para o povo no dia 10 de maio de 1903, Monsenhor João Lauriano, então Vigário Geral da Diocese, Cônego Arnaldo Álvaro Padovani, este último, ao longo de décadas, por inúmeros padres mais jovens e zelosos, como o Pe. Márcio Luiz de Souza, o Pe. Josirlei Aparecido da Silva e o Pe. Giovanni Augusto, que o auxiliaram quando já sentia o peso da idade, pelos Missionários Claretianos, como o saudoso Pe. Lauro Edgar de Araújo Franco, CMF, que me acolheu para minha primeira Missa como reitor daquele Espaço Cultural Ecumênico de Espiritualidade, vontade expressa por Dom Joviano de Lima Júnior, o então Arcebispo, que me enviou para esse fim àquela simpática e acolhedora Igrejinha no dia 20 de abril de 2008, com a provisão de reitor assinada no dia 17 de abril do mesmo ano. Dom Joviano faleceu sonhando com a Santo Antoninho e o Mosteirinho atrás dela, restaurados, bem como a Casa da Amizade ao lado, desenvolvendo sua verdadeira função, se tornando um Centro Social ou Cultural a serviço dos mais pobres da cidade, como consta no próprio testamento. As queridas irmãs portuguesas desejavam que se continuassem suas obras de caridade: a distribuição dos pães aos pobres e a hospitalidade às parturientes vindas do interior, que não tivessem como se hospedar enquanto aguardassem atendimento na Santa Casa situada no mesmo bairro dos Campos Elíseos.

Desde o tombamento em 2009, da Igreja conjuntamente com a Academia que já não existe mais, fizemos um árduo caminho de tentativas de restaurar a Santo Antoninho, sem êxito. Levamos 5 anos, 6 meses e 35 dias para obter a autorização da construção de 2 banheiros e a instalação da água. Essa realidade mudou desde 2018, quando por iniciativa do Engº José Roberto Romero e seus tantos amigos, formamos o Grupo dos Amigos da Igreja Santo Antoninho. No início éramos mais de cem pessoas. Com a Pandemia o Grupo diminuiu consideravelmente, mas continua vivo! Além disso, contamos atualmente com Membros do CONPPAC, presidido pelo Dr. Lucas Pereira, bem mais atentos, solícitos e dispostos a nos ajudar a preservar e posteriormente restaurar nossa Santo Antoninho. Somos profundamente agradecidos pela atenção que tanto os já citados, como também o Secretário da Cultura, Pedro Leão, os Arquitetos Anderson Abe, o Arthur que foi o arquiteto responsável pela restauração do Theatro Pedro II, o Amir Kalil Dib, o Rodrigo Simões e tantos outros, dispensam à Santo Antoninho que clama por restauro!

Finalmente, nosso Arcebispo Metropolitano, Dom Moacir Silva, que nesses 10 anos de seu governo renovou sua confiança e nos apoiou em todos os desafios que se nos foram impostos, presidindo a Missa de ação de graças pelos 120 anos da Santo Antoninho, acolha nossa mais profunda gratidão e a renovação de nossa fidelidade na busca da restauração desse pedacinho da história e tão importante patrimônio de nossa Arquidiocese e Cidade de Ribeirão Preto!

Pe. Gilberto Kasper
Teólogo

https://www.facebook.com/gilberto.kasper.1

Veja também:

Ano da Oração

Na preparação do Jubileu 2025, o ano de 2023 foi o ano voltado à redescoberta dos ensinamentos conciliares, contidos principalmente nas quatro Constituições do Vaticano II: Dei Verbum (DV), Sacrosanctum Concilium (SC), Lumen Gentium (LG), Gaudium et Spes (GS). O ano de 2024 é dedicado inteiramente à oração, avançando na preparação para o Jubileu 2025: “Peregrinos de Esperança”