Compromisso dos leigos na vida pública

A Pontifícia Comissão para a América Latina, em sua reunião plenária de março de 2016, tratou do tema: “O indispensável compromisso dos leigos católicos na vida pública dos países latino-americanos”. No final desta reunião plenária, o Papa Francisco enviou uma carta ao presidente desta referida Comissão, na qual, a certa altura, perguntava: o que significa de fato de que os leigos estejam trabalhando na vida pública?

Dizia ao Papa: Hoje muitas de nossas cidades se tornaram verdadeiros lugares de sobrevivência. Lugares nos quais se instalou a cultura do descartável, que deixa pouco espaço para a esperança. Nelas encontramos nossos irmãos imersos na luta, com suas famílias, que procuram não apenas sobreviver, mas, no meio de contradições e injustiças, buscam o Senhor e desejam dar-lhe testemunho. O que significa para nós, pastores, o fato de que os leigos trabalhem na vida pública? Significa o modo de poder encorajar, acompanhar e estimular todas as tentativas e esforços que atualmente já se fazem para manter viva a esperança e a fé em um mundo cheio de contradições, especialmente para os mais pobres, particularmente com os mais pobres (…) Não é o pastor que deve dizer ao leigo o que fazer e dizer, ele sabe tanto melhor que nós. Não é o pastor que deve estabelecer o que os fiéis devem dizer nos diversos âmbitos. Como pastores, unidos ao nosso povo, faz-nos bem nos perguntarmos como estamos estimulando e promovendo a caridade e a fraternidade, o desejo do bem, da verdade e da justiça. Como podemos fazer para que a corrupção não se aninhe nos nossos corações.

Nas reflexões conclusivas desta reunião plenária ressalta-se entre outras coisas que se a Igreja enquanto tal não lhe corresponde reduzir sua missão à política, aos cristãos leigos lhes compete primordialmente viver o seu batismo, crescer no Senhor, dar testemunho da fecundidade transformadora e construtora do Evangelho, sua riqueza de humanidade nova, nos quadros da própria vida pessoal, familiar, profissional e política. Corresponde aos cristãos leigos impregnar de espírito cristão as leis, os costumes, as estruturas e ambientes de convivência na ‘polis’. Sua contribuição singular e indelegável é participar nas responsabilidades cidadãs, na dialética democrática, para transformar o mundo segundo o Evangelho de Cristo.

Após o Concílio Vaticano II, os ensinamentos preciosos e sempre atuais das Constituições conciliares, especialmente no fio condutor da Lumen Gentium e Gaudium et Spes, com seu complemento do Decreto Apostolicam Actuositatem, assim como a Exortação Apostólica pós-sinodal Christifideles Laici, ajudaram os cristãos leigos a aprofundar sua dignidade batismal, identidade cristã, participação no sacerdócio, realeza e profecia de Cristo, sua plena participação na Igreja, cuja contribuição singular para a evangelização é ordenar e transformar as estruturas da convivência social para a plena manifestação do Reino de Deus.

Nas reflexões conclusivas também se constata certo déficit de presença. Sem dúvida, somos interpelados pela “ausência notável” de presenças e vozes significativas e coerente de líderes católicos nos âmbitos políticos, acadêmicos e de comunicação na América Latina. Assim dizia o Papa Bento XVI ao inaugurar a V Conferência do Episcopado Latino-Americano e do Caribe em Aparecida e o confirmavam os próprios bispos presentes. Como é possível que, em um continente de grande maioria de batizados, em que o Evangelho está ainda muito enraizado na vida e na cultura dos povos e nações, se dê déficit de presença?

Ao analisar esta carência de presenças relevantes e coerentes, temos compartilhado diversas hipóteses para explicá-la. Na base há certamente um déficit na compreensão da fé, que não se vive como encontro com Cristo que abraça todas as dimensões da existência pessoa e coletiva, mas a participação é reduzida a alguns episódios de culto, adesão aproximada a algumas doutrinas e preceitos morais, a um espiritualismo abstrato e evanescente. Assim se incuba o divórcio entre a fé e a vida, de que falou o Concílio Vaticano II. A vida da pessoa se divide em compartimentos estanques: um deles, o religioso, não se comunica com os outros.

Que este texto nos ajude em nossa reflexão neste tempo que antecede eleições municipais e de Pacto pela Vida e pelo Brasil (CNBB).

Fonte: “O indispensável compromisso dos leigos na vida pública dos países latino-americanos”, Edições CNBB, Documentos da Igreja – 31.

Dom Moacir Silva
Arcebispo Metropolitano

Boletim Igreja-Hoje – Setembro/2020

Veja também:

Reze o Rosário com os membros do Apostolado da Oração

Neste mês de junho, dedicado ao Sagrado Coração de Jesus, os membros do Apostolado da Oração da Arquidiocese de Ribeirão Preto (Rede Mundial de Oração do Papa), com a impossibilidade de se reunirem presencialmente devido a pandemia, buscaram se reinventar e gravaram a recitação do Rosário.

Formação para Catequistas – FORANIAS

A Equipe Arquidiocesana da Animação Bíblico-Catequética promove no dia 17 de junho (quinta-feira), às 20 horas, a formação para os Catequistas das paróquias das Foranias Santo Antônio, Bom Jesus da Lapa e Cristo Operário. O tema será “O mundo digital e Catequese à Luz do Espírito Santo” com base no Diretório para Catequese.