Deus perdoa sempre, a natureza jamais

Deus perdoa sempre, a natureza jamais

Todos os dias temos assistido desastres climáticos. Uns mais assustadores do que outros. Terremotos, as já sempre esperadas enchentes de verão em nosso amado Brasil, com desabamentos de morros derrubando casas e levando não somente os imóveis, mas ceifando vidas e mais vidas, rodovias se partindo ao meio, avenidas de grandes metrópoles e cidades menores mais parecendo rios com correntezas violentas arrastando tudo que encontram pela frente, como automóveis e nem por último pessoas.

Os geólogos têm dito que tudo isso já é previsto. Que desastres naturais acontecem mesmo, de tempos em tempos, que placas subterrâneas se movem e com isso há a erupção de vulcões adormecidos e que terras tremem, marés sobem vultuosamente com tais deslocamentos.

Os ambientalistas advertem há décadas, de que o desrespeito para com a natureza surpreenderá os habitantes do Planeta com catástrofes, como as que assistimos agora. Desmatamentos, explorações e grilagens ilegais, invasões irregulares de Biomas, que deveriam ser protegidos tanto pelo Estado como por seus cidadãos, as tímidas políticas públicas, que contemplam especialmente moradias dignas para milhões de brasileiros que ainda vivem em barracos, comunidades (favelas), nas encostas de morros perigosos, criaturas humanas obrigadas a viverem como bichinhos engaiolados, por conta de uma Cultura de Sobrevivência.

A ganância de alguns que se endeusam sobre a maioria das pessoas, pode ser uma atitude que promova as catástrofes naturais, a cada ano mais frequentes. Porém, na hora em que a natureza reclama seu espaço de volta, não escolhe pobres ou economicamente privilegiados. É verdade de que os mais vulneráveis, aqueles que sobrevivem em casebres, barracos nas encostas dos morros que tantas vezes deslizam, são os que mais sofrem e até morrem nessas tragédias. Mas a natureza também engole automóveis importados, mansões, sítios e fazendas de alto nível.

Há poucos anos os desastres naturais atingiram inúmeras regiões de nosso País Tropical. No ano passado foi a vez do Rio Grande do Sul, em plena primavera com três ciclones, depois de prolongada seca. Nem bem o povo atingido, especialmente no Vale do Taquari conseguiu se reorganizar, limpando e reconstruindo suas moradias, agora no outono, um desastre natural (ou nem tão natural assim) atinge todo o Estado do Rio Grande do Sul, colocando nossos irmãos gaúchos em plena situação de vulnerabilidade. A solidariedade se faz, mais uma vez, sensível. O País inteiro se mobiliza para amenizar o sofrimento de nossos queridos irmãos gaúchos. A tragédia climática interrompe tantos sonhos de pessoas queridas e trabalhadoras, que ao longo de uma vida inteira construíram suas residências, destruídas em alguns minutos ou horas.

De quem seria a responsabilidade de tudo isso? Penso que é hora de olharmos para dentro de nós. Procurar culpados fora de nós, pode não nos responder à pergunta: De quem é a culpa? De Deus? Do Homem? Da Natureza? Ora, Deus perdoa sempre, o homem de vez em quando, a natureza jamais. A simples falta de educação básica, que faz com pessoas atravessem a rua para deixarem seus lixos nas calçadas ou portões de outros, como acontece quase que diariamente, na Igreja Santo Antoninho, Pão dos Pobres, torna-se responsável ou culpada pelo desequilíbrio ambiental e ecológico.

Enquanto não tomarmos consciência da parcela de nossa responsabilidade pessoal diante do meio ambiente, da natureza tão perfeita que de graça recebemos para viver felizes e não simplesmente sobrevivermos, os desastres naturais continuarão ocorrendo, em qualquer uma das estações. Penso que a urgente atitude nossa deve ser o respeito. O respeito talvez não resolverá o estrago já feito, mas ajudará a amenizar nossas condições de vida, como seres humanos.

No próximo artigo manifestarei a gratidão a tantas pessoas lindas e queridas, que não mediram esforços nas centenas de iniciativas de mutirões de doações. Só mesmo Deus para recompensar corações por tanto!

Respeitemos com ternura e gratidão a Deus que perdoa sempre, ao homem que perdoa de vez em quando e a natureza que não perdoa jamais.

Pe. Gilberto Kasper
Teólogo

 

https://www.facebook.com/gilberto.kasper.1

Veja também:

Comunicado Oficial dos Atos do Governo Arquidiocesano: 11.06.2024

A Chancelaria da Arquidiocese de Ribeirão Preto torna pública as determinações de Dom Moacir Silva, Arcebispo Metropolitano de Ribeirão Preto, em 11 de junho de 2024: Instalação da Paróquia São José, em Serrana, e Posse Canônica do Primeiro Pároco

A Adoração Eucarística

Estamos avançando no Ano da Oração em preparação ao Jubileu 2025. Neste mês queremos olhar mais de perto a Adoração Eucarística. Estar na Presença do Senhor!