Mais de 2,5 mil romeiros na VII Romaria Arquidiocesana ao Santuário de Aparecida

Com a inspiração no tema: “Maria, ensinai-nos que vocação é graça e missão”, ao menos 2,5 mil romeiros da Arquidiocese de Ribeirão Preto, se dirigiram ao Santuário Nacional de Aparecida, em Aparecida (SP), 9 de setembro, na liturgia do sábado da 22ª Semana do Tempo Comum, para a VII Romaria Arquidiocesana. O arcebispo dom Moacir Silva presidiu a Eucaristia, às 9 horas, no Altar da Catedral Basílica de Nossa Senhora Aparecida, missa televisionada pela TV Aparecida, com a participação de padres, diáconos, seminaristas, romeiros, e que contou com a presença do Coral da Associação dos Deficientes Visuais de Ribeirão Preto e região (ADEVIRP). Na procissão de entrada a imagem de Nossa Senhora Aparecida foi conduzida por uma família da paróquia São Mateus Apóstolo, acompanhado por seminaristas, religiosos e religiosas, representando as vocações neste Ano Vocacional da Igreja no Brasil.

Homilia

O arcebispo Dom Moacir Silva, na introdução da homilia, saudou os romeiros e romeiras participantes da VII Romaria Arquidiocesana. “Queridos irmãos e irmãs, romeiros da Mãe Aparecida presentes aqui no Santuário Nacional, minha saudação aos fiéis da Arquidiocese de Ribeirão Preto, os padres, diáconos, seminaristas, leigos e leigas, que mais uma vez nos reunimos aqui na Casa da Mãe para nos encontrarmos com Jesus Cristo, manifestando nossa devoção a Mãe de Deus no desejo de que ela sempre nos acompanhe nos tornando cada vez mais melhores discípulos missionários do seu Filho. Nesse caminho sinodal que estamos percorrendo, hoje também colocamos no coração da Mãe a nossa Pré-assembleia que acontecerá no mês de outubro. Tudo isso trazemos e colocamos no coração da Mãe para que ela nos ajude a sermos cada vez mais a Igreja do seu Filho Jesus Cristo”, expressou o arcebispo.

Ao introduzir o tema da liturgia do Sábado da 22ª Semana do Tempo Comum, dom Moacir refletiu a Primeira Leitura da Carta de São Paulo aos Colossenses 1,21-23, e falou da dignidade e santificação trazida pelo mistério da morte e ressurreição de Cristo. “Olhamos a Palavra de Deus e encontramos São Paulo dando a motivação fundamental para esse nosso encontro: ‘Cristo vos reconciliou pela morte que sofreu no seu corpo mortal, para vos apresentar como santos, imaculados, irrepreensíveis diante de si’. Eis a nossa grande dignidade: fomos tocados pela força salvadora do mistério da morte e ressurreição do Senhor. Santificados, é assim que Cristo quer que estejamos na presença Dele. O Filho de Deus me amou e por mim se entregou, jamais podemos perder de vista essa verdade. Somos amados por Deus infinitamente e esse amor de Deus por nós chegou em Jesus Cristo morto e ressuscitado”, afirmou dom Moacir.

Ao meditar a leitura do Evangelho (Lucas 6, 1-5), o arcebispo destacou a reação de Jesus diante das polêmicas trazidas pelos fariseus referentes ao cumprimento da lei, ao olhar para a vida humana sem o rigorismo da lei, e sim a benevolência divina. “No Evangelho Jesus Cristo coloca a pessoa humana no centro, no seu lugar, aquele lugar em que a pessoa humana ocupa no projeto de Deus, e por isso, toma a defesa dos seus, que à vista dos fariseus estão desobedecendo a lei. Jesus vai dizer que a pessoa é a mais importante, a pessoa está no centro de tudo, e se eles estão pegando as espigas para comer é porque estão com fome. Jesus coloca a pessoa humana no centro, e hoje em dia isso é um grande apelo. Quando olhamos para a sociedade, para o mundo, para governos, que nem sempre tem na sua missão a pessoa humana como centro, e tudo o que existe, existe em função da pessoa humana, do seu bem e da sua felicidade, da sua realização. Tanto nós como pastores, como Igreja, como também os poderes públicos, estamos a serviço da pessoa humana, da sua dignidade”, destacou dom Moacir.

E, ainda acrescentou Dom Moacir: “Eis a nossa vocação, mas também o nosso compromisso de nos esforçarmos a cada dia para que esta santidade transpareça no nosso modo de ser e de agir. Vivendo assim vamos cumprindo nossa missão de discípulos missionários de Nosso Senhor Jesus Cristo, vamos trabalhando pela evangelização, vamos trabalhando para que o reino de Deus se torne cada vez mais visível e presente no nosso meio e no mundo. Nesse caminho não estamos sozinhos, a Mãe Aparecida nos acompanha com a sua proteção materna, com o seu auxílio, com o seu testemunho de entrega total ao projeto de Deus e nos convida a cada dia a renovarmos também o nosso ‘sim’, a nossa entrega total, para aquilo que Deus quis contar com cada um de nós na sua Igreja e no mundo. Que a Mãe Aparecida nos ajude nesse nosso caminhar eclesial hoje e sempre, amém!”, concluiu o arcebispo.

Agradecimentos

Antes dos ritos finais, a presidente da Associação dos Deficientes Visuais de Ribeirão Preto e região (ADEVIRP), Marlene Taveira Cintra, deu um breve testemunho de sua caminhada religiosa e educacional comentando os desafios e as graças alcançadas da Mãe Aparecida. Em seguida, o padre Luís Gustavo Tenan Benzi, coordenador arquidiocesano de pastoral, fez os agradecimentos: “Ao final desta celebração queremos agradecer ao povo de Deus da Arquidiocese de Ribeirão Preto que se faz romeiro na casa da Mãe Aparecida juntamente com todos os outros romeiros e romeiras que aqui estão, e na consagração a Nossa Senhora nós queremos oferecer a Virgem Maria para que ela leve ao Pai e apresente ao coração do Pai aquelas intenções que nossa Igreja Particular de Ribeirão Preto traz junto de si neste momento, de forma especial colocamos no coração da Mãe de Deus todos os romeiros e romeiras da nossa Arquidiocese que aqui estão no Santuário, aproximadamente 45 ônibus representando a nossa Igreja Particular, mais também todos aqueles que nos acompanham num único coração de suas casas pela TV Aparecida e redes sociais do Santuário. Queremos na celebração do 3º Ano Vocacional da Igreja no Brasil colocar no coração de nossa Mãe as vocações presentes e atuantes na nossa Igreja Particular, os nossos padres, os diáconos, atenção e carinho especial aos nossos sacerdotes enfermos, idosos, eméritos, e também as nossas famílias, a vocação a vida familiar, os nossos seminaristas. Queremos de forma especial no coração da Mãe colocar os nossos religiosos e religiosas, as paróquias e todos os vocacionados que dia a dia procuram dizer o seu ‘sim’ a Deus nas diversas fileiras da ação pastoral da nossa Igreja. Colocamos no coração da Mãe a nossa Pré-Assembleia Arquidiocesana de Pastoral, em 28 de outubro, e os encaminhamentos que dela começam a emanar para a caminhada pastoral da nossa Arquidiocese. Colocamos no coração da Mãe neste momento da nossa consagração os nossos idosos, doentes, os encarcerados, os nossos irmãos em situação de rua, são tantos na nossa realidade diocesana, a nossa gratidão e a nossa oração ao coral da Adevirp que por mais um ano está aqui conosco nos ajudando a rezar, e mais uma vez todos aqueles que nos acompanham de suas casas neste momento de oração e de consagração”, finalizou o coordenador de pastoral.

Romaria 2024: A VIII Romaria Arquidiocesana está agendada para o dia 24 de setembro de 2024, com a missa no altar central do Santuário às 12h.

Veja também: