Mês Vocacional

Neste mês vocacional, reproduzo aqui uma síntese do conteúdo da 42ª Assembleia do Serviço de Animação Vocacional – Pastoral Vocacional (SAV-PV) do Regional Sul 1, realizada entre os dias 6 e 8 de março de 2020, com o tema: “Projeto Pessoal de Vida (PPV) como proposta de caminho ao sentido da vida”.

O ser humano é um ser que decide; é capaz de discernir e assumir com responsabilidade suas decisões. A vocação é um chamado de Deus e uma resposta do homem, em meio a um diálogo que se constitui através do discernimento consciente, permeado da liberdade de escolha, impulsionado pelo compromisso na tomada de decisão com responsabilidade. Por isso, a importância de um Projeto Pessoal de Vida (PPV), para auxiliar a pessoa na busca de condições para abrir-se além de sua tendência egoísta, a estabelecer vínculos com o Transcendente, superando também sua maneira de enxergar o mundo que o cerca, as coisas e as pessoas.

Ao pensar a vocação como um verdadeiro diálogo entre o Transcendente e o ser humano, renovamos a consciência de que a iniciativa é sempre Dele (Jo 15, 16), mas se concretiza pela abertura de quem o busca. É um diálogo que tem como princípio a busca, um desenrolar na proposta e um culminar na resposta. Supõe que a pessoa já tenha tido algum contato com Jesus, através de uma fé embrionária que precisa crescer e se discernir. É necessário ajudar essa pessoa neste processo de crescimento e amadurecimento da fé em contexto eclesial. Acompanhar a pessoa, ativa e metodologicamente, para que se torne discípula missionária; transformando a fé inicial em fé adulta. A fim de levar ao encontro que aprofunda, intensifica, expande, a ampliação do desejo de receber o sacramento para uma vivência da fé; conduzida pelas experiências com o Senhor; onde a pessoa possa descobrir seu lugar na Igreja e no mundo.

Neste diálogo entre o Transcendente e o ser humano, o vocacionado auto transcende-se; a pessoa se torna aberta as relações de comunhão. A comunhão, por sua vez, é a indicação de ser-em-si “auto compreender-se”, para ser-para-o-outro, “auto distanciar-se”, ou seja, quanto mais ele se compreende diante de um Tu (e neste Tu-Deus, tudo o que se liga a Ele), afirma-se a construção da identidade do eu, da pessoa. Nesta autotranscedência no exercício de sair de si, o ser humano é recordado de algo que está no seu âmago; a inquietação da busca. Falar de ser humano é falar também de inquietações, buscas, insatisfações, aberturas e transcendências.

Questionar as próprias convicções é aprender a dar razão à própria fé. Dar sentido novo à sua fé; é valorizar as várias dimensões da fé. Aderir a uma comunidade; é ter uma participação mais consciente e ativa; é respeitar o pluralismo sem ceder ao relativismo. Sentir necessidade de um referencial superior; buscar uma ligação maior entre fé e vida. Ter mais sensibilidade para os valores religiosos. Sentir a necessidade de uma formação continuada. Estar mais aberto ao horizonte religioso; e comprometer-se com as buscas e lutas coletivas. Adquirir uma fé mais pessoal; é preciso internalizar a fé. Interpretar essa situação como apelo de Deus e oportunidade privilegiada de evangelização é não só exigência da fé, mas exercício também da inteligência.

Sendo assim pensar no PPV (Projeto Pessoal de Vida), na ótica vocacional, é abrir-se ao trabalho de vocação à vida. O PPV é um instrumento concreto ao exercício contínuo de amadurecimento frente a tantas situações que nos interpelam a compreender que nossa breve passagem pode ser delineada pelo sentido. Assim, podemos plenamente afirmar: nossa vida é feita de pequenos significados que nos preparam para vivenciarmos o encontro com o grande Sentido. Eis a proposta do PPV: ser caminho de significado para o encontro de sentido na vida.

Concluímos com uma palavra do texto-base do IV Congresso Vocacional do Brasil (2019): “O Projeto Pessoal de Vida é o convite para que cada jovem, a partir de sua realidade, consiga caminhar em direção ao projeto de Deus para sua vida e missão. Por isso, é necessária a formação de agentes de pastoral vocacional capazes de ensinar e acompanhar o jovem na construção de seu projeto de vida” (TB, 115). Esperamos que esta síntese da 42ª Assembleia contribua para o Serviço de Animação Vocacional e Pastoral Vocacional na nossa Arquidiocese.

Dom Moacir Silva
Arcebispo Metropolitano

Boletim Igreja-Hoje – Agosto/2020

Veja também: