Missa Exequial de Dom Antônio Celso de Queiroz em Catanduva

A Diocese de Catanduva, integrante da Província Eclesiástica de Ribeirão Preto, através de dom Valdir Mamede, bispo diocesano, comunicou, com profundo pesar, o falecimento de seu 1° Bispo Diocesano: dom Antônio Celso de Queiroz, com 89 anos, no domingo à noite, 16 de abril, em São Paulo (SP). Na segunda-feira, 17, o corpo de dom Celso chegou a Igreja Matriz de São Domingos de Gusmão, em Catanduva, onde ocorreram celebrações eucarísticas em sufrágio de sua alma às 13h, às 14h30 e às 16h. Às 18h, houve o translado do corpo para a Catedral Santuário Nossa Senhora Aparecida, local da missa exequial, às 19h, seguida do sepultamento na cripta da Catedral.

O arcebispo metropolitano de Ribeirão Preto, dom Moacir Silva, concelebrou a missa exequial e presidiu os ritos finais e de despedida do corpo de dom Celso. Nos ritos iniciais da missa dom Moacir reconheceu o legado de dom Celso em favor do Evangelho. “Querido dom Valdir, irmãos bispos, estamos aqui para prestar nossa homenagem ao caríssimo irmão dom Celso que terminou a sua vida entre nós. Deixou este mundo passageiro e já entrou no definitivo. Meu pensamento aqui é de gratidão a Deus pelo dom da vida de dom Celso, dom que ele também consagrou a Deus para servir a Igreja, e são tantos os serviços que ele exerceu em favor do santo povo de Deus até o final da sua vida, mesmo na sua emeritude ele continuou trabalhando, por isso, nos reunimos em torno do altar do Senhor para agradecer a Deus o dom da vida de dom Celso, o seu ministério, a sua amizade, agradecer a Deus pelo que ele significou para a Igreja, de modo particular nesta Igreja onde ele foi o primeiro bispo, e também pelo serviço na Igreja do Brasil, na CNBB e diversas funções, por isso tudo, nós louvamos a Deus e nos unimos na solidariedade, na certeza da ressurreição, para caminharmos continuando a missão que dom Celso realizou enquanto esteve entre nós”, expressou o arcebispo.

Dom Celso

Dom Celso nasceu em Pirassununga (SP), no dia 24 de novembro de 1933. Realizou os estudos de primeiro e segundo graus em Campinas entre 1946 e 1952 e estudou Filosofia na Faculdade Nossa Senhora da Assunção, em São Paulo, entre 1956 e 1957 e na Pontifícia Universidade de Comillas, Espanha, de 1957 a 1962, onde foi ordenado Presbítero em 17 de abril de 1960.

Sua nomeação Episcopal foi no dia 15 de outubro de 1975 e sua ordenação ocorreu na Catedral de Campinas, em 14 de dezembro de 1975.

Foi professor do Seminário Diocesano de Campinas, de 1961 a 1962; Assistente de JECF e da ACI, professor de Iniciação Teológica e de Doutrina Social da Igreja na Universidade Católica de Campinas, entre 1961 e 1969, e da PUC-SP, entre 1968 e 1970, Vigário Geral da Pastoral e Coordenador da Pastoral da Arquidiocese de Campinas, Assessor da CNBB, de 1971 a 1975, Subsecretário Geral da CNBB, entre 1972 e 1975, e do Regional Sul 1, em 1975.

Foi indicado por Dom Paulo Evaristo Arns como seu Bispo Auxiliar para a Região Ipiranga em São Paulo, em 1975, recebendo a Ordenação Episcopal na Catedral Metropolitana de Campinas no dia 14 de dezembro desse mesmo ano, por Dom Antonio Maria Alves de Siqueira. Foi membro da Comissão Episcopal de Pastoral Linha 1, Secretário Geral da CNBB por duas gestões, junto ao CELAM (1995/1998), Delegado à Assembléia Especial do Sínodo dos Bispos para América.

Em 09 de fevereiro de 2000 foi nomeado pelo Papa João Paulo II para Diocese de Catanduva, onde se encontra até a data de hoje como emérito. Foi, também, Vice-Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

@diocesecatanduva

Veja também: