Natividade de João Batista

As Sagradas Escrituras apresentam a vida e a missão de João Batista à luz dos grandes profetas antigos e de Jesus Cristo, o Messias esperado. Como diz Santo Agostinho, João representa a passagem do Primeiro para o Segundo Testamento. Ele recebe a missão de profeta, assume a vida de asceta, e é chamado de Batista. Pelo batismo, nós também recebemos a missão de profetizar, anunciando sempre as Boas Notícias e denunciando as injustiças, especialmente as mentiras de todos os lados, as injustiças, mentiras e a opressão dos que detém algum poder, desservindo aos invés de servir e promover as pessoas em sua dignidade.

Celebrar o nascimento de João é experimentar, como Isabel, Zacarias e os vizinhos, a manifestação da bondade de Deus, que transforma e fecunda a vida. É fazer a experiência da fé e da esperança no Deus misericordioso e compassivo, que ouve nosso clamor e nos socorre em meio aos sofrimentos e às aflições. É sentir que Deus continua soltando nossa língua para que tenhamos a coragem de vencer o medo e proclamar a justiça e a libertação. Como João Batista, possamos ser sinais proféticos de esperança, para anunciar o caminho da salvação e testemunhar Jesus Cristo, a luz que ilumina e liberta todos os povos.

O jeito despojado de João Batista viver, entregue ao serviço de Deus, na gratuidade, é testemunho de vida, apelo à conversão. Jesus o elogia, dizendo que “entre os nascidos de mulher, não há ninguém maior do que João. No entanto, o menor no Reino de Deus é maior do que ele” (7,28).

O grande convite da Solenidade da Natividade de João Batista a todos nós, é à humildade vivida por ele. Saber dar lugar, retirar-se e deixar Cristo aparecer. Nem sempre é fácil tal atitude. Costumamos, devido nossas carências e limites, plantar com entusiasmo, regar e cultivar com zelo, mas queremos também saborear os frutos. Não parece ser assim na Igreja de Jesus Cristo. Nela, uns plantam, outros regam, ainda outros deveriam cultivar e zelar o plantado pelos que passaram e somente outros que virão posteriormente, é que usufruirão dos frutos. Tal Igreja, discípula e missionária do Senhor, só é configurada com Cristo, se conseguir agir assim. Do contrário corremos o risco de desfigurá-la, apossar-nos dela e isso, geralmente, termina em desastre eclesiológico e pastoral.

Sejamos a exemplo de São João Batista, Comunidades simples, descomplicadas, acolhedoras, amorosas e cheias de ternura, porém sem ter medo de corajosa e ousadamente “perdermos nossa cabeça”, a própria vida, cargos, funções e prestígios, por conta da coerência do Evangelho anunciado e vivido no hodierno de nossas relações, sobretudo nos serviços que prestamos, sempre gratuitamente neste mundo tão sedento de Deus!

Não há maior beleza do que a humildade de reconhecermos nossos limites, deixarmos nossos lugares aos que vêm depois de nós. Quantas vezes nos atribuímos o direito de ficarmos colados em nossas cadeiras “cativas”, como se fôssemos insubstituíveis, eternos? Saibamos desaparecer para que somente Cristo apareça e o Espírito Santo escolha quem bem lhe aprouver. Se não for assim, nossas escolhas poderão ser politiqueiras, e isso é muito feio e acaba em desastre. Porque não canso de pensar que quem não é de Deus cai!

 

Pe. Gilberto Kasper
[email protected]

Mestre em Teologia Moral, Licenciado em Filosofia e Pedagogia, Especialista em Bioética, Ética e Cidadania, Professor Universitário, Docente no CEARP – Centro de Estudos da Arquidiocese de Ribeirão Preto, Assistente Eclesiástico do Centro do Professorado Católico, Assessor da Pastoral da Comunicação, Pároco da Paróquia Santa Teresa D’ Ávila e Reitor da Igreja Santo Antônio, Pão dos Pobres da Arquidiocese de Ribeirão Preto e Jornalista.

Veja também:

Comunicado Oficial dos Atos do Governo Arquidiocesano – 03.12.2022

A Chancelaria da Arquidiocese de Ribeirão Preto, de acordo com as determinações do Arcebispo Metropolitano de Ribeirão Preto, Dom Moacir Silva, para atender às necessidades da Igreja particular de Ribeirão Preto e bem espiritual de seu povo, torna pública a nomeação comunicada neste sábado, 3 de dezembro de 2022

“Ser artesãos da misericórdia”: o Papa Francisco pede mais organizações de voluntariado atuantes

A 12ª edição de O Vídeo do Papa de 2022 acaba de ser publicada com a intenção de oração que o Santo Padre confia à Igreja Católica através da Rede Mundial de Oração do Papa. Para encerrar o ano, Francisco destaca as organizações de voluntariado (e todas as pessoas nelas envolvidas), atores-chave na sociedade devido ao seu empenho na promoção humana e no bem comum.