O Papa às universidades da América Latina: a cultura do descartável prejudica a todos

O Papa às universidades da América Latina: a cultura do descartável prejudica a todos
O título da próxima Exortação apostólica de Francisco será “Laudate Deum”. O próprio Papa disse isso ao se dirigir aos participantes de um encontro de reitores de universidades latino-americanas na quinta-feira, 21 de setembro, com quem refletiu sobre vários tópicos, como migração, mudança climática e exclusão.

Johan Pacheco – Vatican News

O Papa Francisco, na quinta-feira, 21 de setembro, recebeu em audiência na Sala Clementina, no Vaticano, cerca de 200 participantes do encontro de Reitores de Universidades públicas e privadas da América Latina e do Caribe, promovido pela Rede de Universidades para o Cuidado da Casa Comum (Ruc) e pela Pontifícia Comissão para a América Latina (Pcal), nos dias 20 e 21 de setembro, no Augustinianum, sobre o tema “Organizar a esperança”, com a participação de alguns prefeitos e secretários de Dicastérios da Santa Sé.

Refletindo sobre as diversas questões levantadas pelos educadores, entre elas a mudança climática, a migração e a cultura do descarte, o Santo Padre os exortou a serem criativos na formação dos jovens a partir das realidades e dos desafios atuais. Os reitores fizeram perguntas ao Papa sobre as questões do meio ambiente e do clima, às quais ele respondeu enfatizando a deplorável “cultura do descartável ou cultura do abandono”. Ele explicou que se trata de “uma cultura de mau uso dos recursos naturais, que não acompanha a natureza em seu pleno desenvolvimento e não a deixa viver. Essa cultura do abandono”, disse ele, “prejudica a todos nós”.

O uso correto da natureza

Francisco também descreve isso do ponto de vista humano: “há uma cultura do descartável que está sempre em ato, há uma falta de educação para usar as coisas que restam, para refazê-las, para substituí-las na ordem do uso comum das coisas. E essa cultura do descartável também afeta a natureza”. E insistiu na urgência de voltar ao uso correto da natureza: “hoje, a humanidade está cansada desse mau uso da natureza e precisa voltar ao caminho do bom uso da natureza. E como usamos a natureza, uma palavra que pode soar estranha, eu diria: diálogo com a natureza, diálogo”.

Para isso, o Papa pediu às universidades que criem redes de conscientização: “e nesse ponto vocês usam uma palavra muito bonita, que é organizar a esperança”. “Recuperar e organizar a esperança”, disse Francisco, “gosto dessa frase que os senhores me disseram e não podemos deixar de considerá-la no contexto da ecologia integral, nessa dimensão segundo a qual os jovens de hoje têm direito a um cosmo equilibrado e têm direito à esperança, e devemos ajudá-los a organizar essa esperança, a tomar decisões muito sérias a partir deste momento”.

A natureza é para todos

O Papa Francisco também se referiu a uma “cultura regenerativa”, identificando-a como o fruto “de uma crise econômica que nem sempre está a serviço do desenvolvimento dos mais necessitados. Eu diria que, às vezes, ou muitas vezes, ela não está a serviço do desenvolvimento de todos e cria mais pessoas necessitadas. É uma cultura de desapropriação, todos nós temos o direito ao uso da natureza’, ao domínio sobre a natureza para fazê-la crescer e usá-la para o bem comum.

O Pontífice expressou sua preocupação com “algumas universidades de tipo científico abstrato” que “não usam a realidade, mas a ciência, uma ciência abstrata, não real, e assim caminham sobre teorias econômicas, teorias sociais, tudo é teoria, mas nunca chegam” à realidade dos mais necessitados. “Os descartados, os marginalizados, são homens e mulheres, povos inteiros que deixamos na rua como lixo, não é mesmo? Devemos estar cientes de que só usamos a riqueza da natureza para pequenos grupos por meio de teorias socioeconômicas que não integram a natureza, os descartados”.

‘Laudate Deum’, o título da próxima Exortação apostólica

Francisco pediu alternativas para ajudar a superar a crise ambiental e citou como exemplo o uso de painéis solares para fornecer eletricidade à Sala Paulo VI e a outras áreas do Vaticano. “Devemos ser muito criativos nessas coisas para proteger a natureza”, porque obviamente a eletricidade é feita com base no carvão ou em outros elementos, que sempre criam problemas na própria natureza e “os jovens que formamos devem se tornar líderes nesse ponto, convictos”.

Em sua reflexão, o Papa também anunciou o nome de sua próxima Exortação apostólica: Laudate Deum, que será publicada no dia da festa de São Francisco de Assis, 4 de outubro: “um olhar sobre o que aconteceu e dizer o que precisa ser feito”, disse ele.

A degradação humana e ambiental andam juntas

O Santo Padre também denunciou o processo de degradação pelo qual a humanidade está passando: “há um processo de degradação ambiental, podemos dizer, em geral. Mas isso leva para baixo, para o fundo do barranco. Degradação das condições de vida, degradação dos valores que justificam essas condições de vida, porque elas andam juntas”. E explicou que a “desigualdade” também é “evidente na falta de acesso às necessidades básicas, e daí derivam todas as visões que sociologicamente, de fato, sem nomeá-las, fazem das mulheres, dos povos indígenas, dos africanos, pessoas com menores capacidades”.

Uma das formas de degradação e desigualdade, denunciou o Papa Francisco, é o “extrativismo”, ou seja, a acumulação de recursos naturais. “Quando esse modelo extrativista avança e entra nas pessoas”, destacou, “eu extraio a dignidade das pessoas, e isso acontece, nunca um modelo extrativista geológico, por assim dizer, vai sozinho, é sempre acompanhado pelo modelo extrativista humano, a dignidade da pessoa é extraída, são escravos, dito com outra palavra”. E, por favor, coloquem isso na cabeça das crianças, educação aos valores, para que elas saibam avaliar essas situações e possam dizer claramente que isso se chama escravidão”.

A política como a mais nobre vocação

Diante dessa situação, o Papa pediu aos reitores das universidades que promovam a educação aos valores humanísticos e ao diálogo fraterno, ajudando os estudantes a “entrarem na política” como “nobre vocação”. “Não nos esqueçamos de que a vocação mais nobre da pessoa humana é a política. Vamos formar nossos jovens para serem políticos, no sentido mais amplo do termo. Não nos esqueçamos de que a vocação mais nobre da pessoa humana é a política. Devemos formar nossos jovens para serem políticos, no sentido mais amplo do termo. Não apenas para atuar em um partido político, que é um grupo pequeno, mas para ter uma abertura política e ser capazes de dialogar com grupos políticos com maturidade, a política não é uma doença, na minha opinião é a vocação mais nobre de uma sociedade, porque é ela que impulsiona os processos de desenvolvimento”.

Uma resposta humana e cristã à crise migratória

O Pontífice também falou sobre a atual crise migratória: “o drama da migração na Europa hoje é extremamente grave, extremamente sério. E não pode ser resolvido por uma sociedade de ajuda mútua, não. Aqui há uma questão humanística e cristã. Aqui há uma questão humanística e uma decisão política, há decisões que são humanas e cristãs”.

“Eu lhes peço”, disse o Papa aos reitores, “por respeito à humanidade sofredora, que abordem esse problema em suas universidades, mas com a densidade humana que ele tem”. “Portanto, em resumo, eu lhes digo o seguinte: os migrantes devem ser acolhidos, acompanhados, promovidos e integrados. Se não conseguirmos integrar o migrante, falharemos”, acrescentou. “Quero dizer tudo isso sobre os migrantes porque o problema dos migrantes está muito próximo de meu coração”, disse novamente o Pontífice. Ele continuou dizendo que “é criminoso o que está sendo feito hoje, aqui na Europa, para mandá-los de volta, é criminoso. E eu não quero usar eufemismos, eu digo as coisas como elas são”.

As três linguagens humanas: cabeça, coração e mãos

Depois de analisar todas essas situações, o Papa recordou que a tarefa das universidades não deve ser apenas “ensinar coisas”. “Vocês devem formar os rapazes e as moças nas três linguagens humanas: a da cabeça, a do coração e a das mãos. Para que eles aprendam a pensar o que sentem e o que fazem, a sentir o que fazem e o que pensam, e a fazer o que sentem e o que pensam”. Por fim, ele agradeceu aos presentes e resumiu suas palavras convidando as universidades a serem: “criativas diante da realidade e dos desafios, educadoras e não apenas distribuidoras de informações”.

A Rede de Universidades para o Cuidado da Casa Comum

216 reitores de universidades públicas e privadas de toda a América Latina e do Caribe participaram do encontro com o Papa. O evento foi o resultado de uma proposta que a RUC (Red de Universidades por el Cuidado de la Casa Común – Rede de Universidades para o Cuidado da Casa Comum) apresentou à Pontifícia Comissão para a América Latina. A RUC foi fundada há sete anos como uma comunidade organizada de universidades para implementar o desafio da Encíclica Laudato si’. Os reitores participaram do encontro em nome de instituições educacionais confessionais e não confessionais, que hospedam mais de 4 milhões de estudantes, sem contar os professores, pesquisadores e funcionários administrativos.

Fonte: Vatican News

Veja também: