Papa Francisco chama-nos a atenção para o tema da violência exercida contra as mulheres

Intenção

A violência contra as mulheres (Universal)

Rezemos pelas mulheres vítimas de violência, para que sejam protegidas pela sociedade e os seus sofrimentos sejam considerados e escutados.

Reflexão

Neste mês de fevereiro, o Papa Francisco chama-nos a atenção para o tema da violência exercida contra as mulheres. O apelo vai muito além de uma causa social, de igualdade ou de justiça, como se pudéssemos delegar simplesmente este assunto às autoridades ou organismos que se dedicam à proteção e acompanhamento de mulheres vítimas de violência. O Santo Padre põe o acento na escuta e consideração dos sofrimentos das mulheres. Ora, estas duas atitudes implicam, da nossa parte, uma aproximação efetiva e um agir em relação às situações que possamos encontrar no nosso dia a dia.

Costuma-se dizer que “a sociedade somos todos nós”. Isto tem tanto de verdade como de despersonalizante. Há certamente um crescimento maior a ter, enquanto sociedade, na consciência e ação contra a violência exercida em contexto doméstico, laboral ou social. Mas esta mudança apenas será uma realidade quando, da parte de cada um, houver sensibilidade relativamente ao modo de tratar as mulheres, particularmente nas violências subtis, modos de pensar, avaliações quotidianas, troça, atitudes grosseiras, coisificações normalizadas e habituais. Não fiquemos apenas nos crimes aberrantes que aparecem nas notícias, os quais é imperativo denunciar e combater, mas falemos de uma realidade muito mais complexa.

Como forma de combater estas atitudes, por vezes tão normalizadas, podemos cultivar as atitudes contrárias: valorizar, acolher, dialogar, tratar de igual para igual, ter respeito. Sobretudo, dar-se conta que esta violência acontece à nossa volta, junto de nós e que talvez, de forma inconsciente, pactuemos com ela. Somos chamados a cultivar um olhar verdadeiro e uma escuta atenta para com cada mulher que encontrarmos e a fazemos crescer uma genuína gratidão pelo dom de cada mulher, ao mesmo tempo que crescemos numa compaixão ativa para com as tantas formas como a sua dignidade é posta em causa.

Oração

Pai bom,
Tu que amas cada um dos teus filhos e filhas,
Faz frutificar em mim os dons do teu Espírito,
para que aprenda a amar como Tu amas.
Dá-me a graça de olhar para cada mulher com o olhar do coração,
o olhar capaz de dar pleno valor e encher-se de gratidão.
Peço-Te por todas as mulheres vítimas de violência,
que os seus sofrimentos sejam escutados e considerados,
e que me empenhe cada dia pela dignidade da sua vida,
sabendo que, como diz o Santo Padre,
“uma conquista a favor da mulher
é uma conquista em prol da humanidade inteira”.
Pai-Nosso…

Desafios

– Dispor-me a escutar com atenção o sofrimento das mulheres que conheço, com tempo, com atitude de acolhimento.

– Tomar consciência das formas subtis e implícitas de violência que existem na sociedade, muitas delas toleradas e normalizadas nas conversas, preconceitos ou estigmas sociais.

-Considerar o valor imprescindível que as mulheres trazem aos vários âmbitos da vida social, eclesial, laboral, política, etc.

-Proteger com diligência as mulheres que sofrem, intervindo ou denunciando situações que conheço, ou colaborando com instituições que trabalham no apoio a mulheres vítimas de violência.

 

Fonte: https://redemundialdeoracaodopapa.pt/

Veja também:

Escala Diaconal para celebração das exéquias nos cemitérios de Ribeirão Preto

O Associação dos Diáconos da Arquidiocese de Ribeirão Preto (ADPARP) divulga a Escala de Exéquias (Celebração Exequial nos Velórios) para o mês de março de 2021 (final de semana) para atendimento nos velórios de Ribeirão Preto. Informamos que esta escala é encaminhada aos velórios da cidade de Ribeirão Preto para que possam fazer o contato com os diáconos.