Pastores segundo o coração de Cristo

Há muitos modos de ser pastor e de evangelizar. Cada um colocando seus dons a serviço do Reino de Deus, conforme lhes foram concedidos gratuitamente. Mas há algo em comum que nunca poderá faltar em nosso pastoreio: Sermos todos configurados com Cristo, o Bom Pastor, que conhece suas ovelhas pelo nome, as ama, as acolhe, as compreende, as aceita como são, as perdoa e as traz de volta nos ombros (melhor seria ainda, apertá-las ao coração), não para seu prestígio próprio, mas o rebanho eclesial.
O Pastor que atrai as ovelhas para si, sem conseguir conduzi-las pelo itinerário do Senhor a Deus, é desfigurado do Cristo, o Bom Pastor. Sermos pastores que não machuquem, surrem, enxotem as ovelhas que lhes são confiadas, às vezes porque não nos bajulam ou discordam de nossos métodos, ou ainda, tentam ajudar-nos por meio da correção fraterna. Sermos pastores que não emoldurem e engessem o rebanho em nossas estruturas, muitas delas já ultrapassadas e opressoras. Quantos de nós ainda somos pastores que não saem de suas sacristias e salas de atendimentos: há até os que exigem ofício para uma conversa, ou exigem senha para um encontro com suas ovelhas, o que é diferente de agendar atendimentos espirituais ou pastorais. Há os que exploram as ovelhas e quando já não satisfazem mais seus caprichos, são excluídas do rebanho, sem nenhuma tentativa de diálogo.
Nossas ovelhas são mais exigentes em nossos dias, e não saem mais atrás de qualquer pastor, só porque é bonito, atraente, canta bem, se veste com roupas de marca e frequenta regularmente shoppings e reuniões que lhes garantam um minuto de fama. As que fazem isso acabam desistindo no meio do caminho profundamente decepcionadas, porque não chegaram ao verdadeiro destino: Jesus Cristo Ressuscitado. Pararam em alguém que brincou de ser pastor e que não soube cumprir com sua missão: a de conduzir o rebanho às verdadeiras pastagens propostas pela Igreja de Jesus Cristo, que é despretensiosa, simples, pobre com os pobres, totalmente despojada de poder, arrogância, prepotência e falsos valores, mas que chora e sofre com as ovelhas machucadas por uma cruel Cultura de Sobrevivência, despida de dignidade humana! Na Igreja de Jesus Cristo não há lugar para disputas que geralmente produz a inveja, fruto de desequilíbrios mal administrados, interiormente. Quem não gasta sua vida pelas ovelhas não serve para ser pastor, é antes um impostor!
Precisamos de Vocações santas, simples, puras, configuradas a Cristo, o Bom Pastor! Não esqueçamos o pronunciamento dos Bispos reunidos em Puebla na III Conferência Episcopal da América Latina e do Caribe: “As Vocações (santas e não mercenárias) são a resposta de um Deus providente à uma Comunidade orante…”.
A próxima semana, à luz do Mês Vocacional é dedicada à vida consagrada. Religiosos e religiosas que se consagram totalmente ao serviço do Reino de Deus, procurando viver intensamente os votos de obediência, castidade e pobreza.
Desde que me conheço por gente senti o desejo de ser padre. Muitas foram as dificuldades para isso. De lábios sacerdotais ouvia frequentemente a expressão “não serve”. Quem mesmo me incentivou a não desanimar e responder ao chamado que sussurrava em meu coração, foram religiosas consagradas. Essas sim acreditaram em minha vocação. Não obstante meus tão numerosos limites, recebi o sacramento da Ordem e fui ordenado padre. Por isso, minha primeira gratidão é a Deus, que sei me chamou, do contrário não teria ultrapassado todos os obstáculos para ser padre. Já em segundo lugar, minha gratidão muito profunda é às Religiosas que, presentes em minha vida, desde a educação básica até o dia de minha ordenação sacerdotal, não me deixaram desistir dela, a vocação ao ministério sacerdotal. Hoje gostaria de expressar minha gratidão a todas as Irmãs Religiosas, que de alguma maneira me conduziram à realização de minha vocação, na pessoa de minha madrinha de ordenação presbiteral, a Irmã Maria da Salette Barboza, uma religiosa Ursulina. Mulher-Igreja e testemunha da verdadeira vida totalmente consagrada ao Reino de Deus. Sejam todas grandemente abençoadas e recompensadas!
Pe. Gilberto Kasper
 Teólogo

Veja também:

Padre Alexandre defende o mestrado no Pontifício Instituto Litúrgico Santo Anselmo

Com o tema: “Gustate et videte” Sl 34,9. O paladar como elemento litúrgico-sacramental no processo de iniciação à vida cristã. O caso do Batismo”, o padre Alexandre Canella Sanches, apresentou nesta quinta-feira, 20 de junho, a dissertação de mestrado e obteve a aprovação no Pontifício Instituto Litúrgico (PIL), Santo Anselmo, em Roma