Pense numa pessoa doce

O falecimento de Dom Geraldo Lyrio Rocha, Arcebispo Emérito de Mariana (MG), na madrugada do dia 26 de julho passado entristeceu o coração de muitas pessoas e me assustou, como não poderia jamais imaginar! Pense numa pessoa doce! Foi assim que conheci Dom Geraldo, quando eu ainda era seminarista e ele ainda não havia sido nomeado bispo. Amigo de amigos comuns em Ribeirão Preto e Vitória no Espírito Santo, tive o privilégio de conviver com ele inúmeras vezes, quando lhe servia de cicerone durante as visitas que fazia por aqui. Em datas especiais, especialmente de aniversários, nos falávamos sempre. Não poucas vezes conversávamos assuntos, os mais diversos, pelas redes sociais. Nossa última conversa mais longa foi por ocasião de seu 39° aniversário de ordenação episcopal, dia 31 de maio passado.

No dia de seu aniversário natalício, dia 14 de março de 1984, cursando o doutorado em Teologia na Pontifícia Universidade Gregoriana e residindo no Colégio Pio Brasileiro em Roma, ouvia-se a publicação de sua nomeação como Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Vitória (ES). O arcebispo de então em visita a Roma, foi quem, a pedido do também então Núncio Apostólico no Brasil, o consultou se aceitaria ser bispo. A resposta do Padre Geraldo Lyrio ao Papa foi: “sempre digo sim ao que a Igreja me pede”. Esta era a sua postura, desde que entrou para o Seminário Coração Eucarístico em Belo Horizonte (MG) com apenas 18 anos de idade. Seu reitor viria a ser nosso Arcebispo Metropolitano, Dom Arnaldo Ribeirão, em 1989. Sua ordenação episcopal em 31 de maio de 1984 arregalou os olhares dos bispos concelebrantes por causa de um pente. O cerimoniário que conduziu a celebração, após a unção do Óleo do Crisma sobre a cabeça de Dom Geraldo Lyrio, tirou um pente do bolso e penteou o cabelo do novo bispo que ficara todo desarrumado. Muitas foram as gargalhadas, até mesmo dos senhores bispos.

Foi, depois, o primeiro Bispo Diocesano de Colatina (ES), onde eu pude visita-lo por ocasião do Congresso Eucarístico Nacional em Vitória (ES) em 1996, enquanto eu participava de um Curso para Formadores da América Latina naquela Arquidiocese. Sabia acolher desde os mais simples (como eu) às mais importantes autoridades eclesiásticas ou civis, como ninguém. A doçura de sua simpatia sempre esteve estampada em seu rosto. Me ensinou que “nosso olhar atento àqueles que nos falam, revelam os sentimentos de nossa alma”.
Preparou com zelo e sensibilidade ímpares as celebrações dos 500 anos da descoberta do Brasil, como presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Liturgia da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Tornou-se Arcebispo de Vitória da Conquista (BA) e por último de Mariana (MG), tendo sua renúncia aceita em 2018 pelo Papa Francisco. Mas nunca parou de trabalhar. Tanto que faleceu em Altamira (PA), onde pregaria o retiro dos padres daquela Diocese. Iria a Roma, ao Sínodo dos Bispos em outubro próximo.

De 2007 a 2011 foi o presidente da CNBB, desempenhando esse serviço com muita coragem, sempre persistindo no valor da vida, profetizando contra a corrupção, conduzindo ao Congresso Nacional a proposta da Lei da Ficha Limpa, que de tanto mal interpretada, já sujou todinha de novo.

Incumbido de apanhá-lo no aeroporto em São Paulo, para pregar um dos retiros espirituais de nossos padres em Brodowski, bebi de sua sabedoria em cada palavra proferida e pensamento exalado. Me ensinou que “uma das melhores maneiras de conhecer uma pessoa, é viajando com ela”! Foi um retiro (presencial) muito rico e cheio de bênçãos e graças. O segundo retiro para o qual nosso representante dos presbíteros, Pe. Ivonei Adriani Burtia, o convidou, precisou ser virtual por causa da pandemia. Textos muito ricos, colocações precisas e renovadoras, para quem os absorveu!

Por ocasião do jubileu de prata episcopal de Dom Arnaldo Ribeiro em 2000, Dom Geraldo Lyrio veio celebrar e, para meu susto, escolheu hospedar-se na então modesta casa paroquial de Bonfim Paulista, na qual Paróquia eu tentava servir. Ao invés do jantar de gala oferecido na ocasião, pediu-me para comermos uma pizza em algum lugar mais simples. Permitiu-me por inúmeras vezes partilhar consigo de minha pobreza. Desde a eternidade, do colo de Deus e acariciado por Nossa Senhora, Dom Geraldo Lyrio Rocha, certamente será inspiração para os Padres Sinodais no Sínodo dos Bispos, para o qual foi indicado na última Assembleia da CNBB. “Foi-se a Rocha, e agora fica o perfume do Lyrio”! Pense numa pessoa doce! Geraldo Lyrio Rocha!

Pe. Gilberto Kasper
Teólogo

https://www.facebook.com/gilberto.kasper.1

Veja também:

Ano da Oração

Na preparação do Jubileu 2025, o ano de 2023 foi o ano voltado à redescoberta dos ensinamentos conciliares, contidos principalmente nas quatro Constituições do Vaticano II: Dei Verbum (DV), Sacrosanctum Concilium (SC), Lumen Gentium (LG), Gaudium et Spes (GS). O ano de 2024 é dedicado inteiramente à oração, avançando na preparação para o Jubileu 2025: “Peregrinos de Esperança”