Subsecretário Pastoral fala sobre a “Conversa no Espírito”, discernimento comunitário a ser usado na 61ª AG CNBB

Subsecretário Pastoral fala sobre a “Conversa no Espírito”, discernimento comunitário a ser usado na 61ª AG CNBB

O subsecretário pastoral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), padre Jânison de Sá Santos, explica como vai ser a experiência e o método da “Conversa no Espírito”, a ser vivenciada pelo episcopado brasileiro no momento em que irá aprofundar e aprovar o processo de atualização das Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE).

Os passos da “Conversa no Espírito” foram utilizados na etapa Continental e também pelos padres sinodais na primeira sessão da XVI Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos que ocorreu de 4 a 29 de outubro de 2023 em Roma. Trata-se, segundo o subsecretário pastoral da CNBB, de um instrumento para animar o discernimento comunitário conduzido pela ação do Espírito Santo.

“Os bispos do Brasil também farão esta experiência na Assembleia que começa na próxima semana. O próprio Papa Francisco disse que na Conversa no Espírito encontramos um caminho de participação, voltado para a comunhão e renovação da missão, que acolhe em unidade as diferenças na Igreja, encontrando o caminho sempre à luz do que inspira o Espírito”, disse.

Padre Jânison explica que durante a reflexão do Instrumento de Trabalho sobre as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil os bispos sentarão pequenas comunidades, organizadas em 45 “mesas sinodais”, sendo aproximadamente 10 prelados em cada uma delas. Cada mesa terá a presença de um facilitador que conduzirá a vivência da experiência da “Conversa no Espírito” entre os participantes.

Rodadas da Conversa no Espírito

O método prevê três rodadas precedidas sempre por um momento de oração e silêncio. Na primeira ronda, todos partilham seus pensamentos e sentimentos em relação à questão apresentada. O convite é para focar na escuta do outro. “Cada um pode externar, à luz do Espírito, o que chamou atenção sobre a temática apresentada. Enquanto alguém fala, os outros ouvem. Neste momento não existe debate”, disse.

Na segunda ronda, também precedida por um momento de silêncio e oração, cada um fala sobre o que mais chamou atenção sobre o que foi falado e a partir da escuta feita. O convite é enfatizar sobre o que tocou e desafiou mais a partir da escuta feita. “É importante lembrar que é necessário buscar em todo processo as luzes do Espírito Santo num ambiente e clima orantes”, disse padre Jânison.

Na terceira ronda, identifica-se os pontos chaves e constrói-se um consenso sobre os pontos chaves que surgiram a partir do discernimento em grupo iluminado pelo Espírito. “Esta proposta permite o compartilhamento de experiência de vida e espaço de discernimento em uma Igreja toda sinodal. Que possamos aproveitar esta experiência para crescermos como Igreja de Jesus Cristo e em nossa missão”, reforçou o subsecretário de pastoral da CNBB.

O que é a Conversação Espiritual?

No vídeo abaixo, o padre jesuíta Óscar Martín, explicou com exclusividade para o portal da CNBB a metodologia da Conversação Espiritual, um instrumento para o discernimento comunitário, baseado na escuta ativa e receptiva com foco na partilha do que toca mais profundamente os participantes.

Fonte: CNBB

Veja também: